Publicidade

Empresa de energia busca projetos de empreendedorismo feminino para apoiar

Cozinhas comunitárias receberão foco na terceira edição de programa da Engie Brasil

Foto do author Luis Filipe Santos
Por Luis Filipe Santos
Atualização:

A fornecedora de energia elétrica para empresas Engie Brasil Energia está realizando a terceira edição do programa “Mulheres do Nosso Bairro”, que busca apoiar iniciativas de empreendedorismo lideradas por mulheres. No total, R$ 545 mil serão destinados a 35 projetos, divididos em três categorias: pequenos empreendimentos, cozinhas comunitárias e inovação social. As duas primeiras serão focadas em locais onde a Engie atua, e a terceira, em qualquer cidade brasileira.

PUBLICIDADE

A intenção do projeto é fortalecer a ação social da Engie, um dos pilares da estratégia ESG da empresa - a pauta ESG preconiza que as empresas devem levar em conta as questões ambientais, sociais e de governança. Assim, a empresa também fortalece as relações com as comunidades locais, próximas de suas operações, e melhora a avaliação no mercado.

Cada categoria terá uma quantidade exata de iniciativas a serem apoiadas: serão 27 pequenos empreendimentos, cada um dos quais receberá R$ 10 mil e consultoria do Instituto Consulado da Mulher, ação social da Consul, fabricante de eletrodomésticos que também apoia o projeto – assim como a Portonave, que opera o porto de Navegantes (SC). Para as Cozinhas Comunitárias, serão cinco selecionadas, que receberão R$ 25 mil, doações de eletrodomésticos da Cônsul e insumos alimentícios da rede de supermercados Fort Atacadista.

Já a última categoria é voltada às iniciativas que pensem em soluções para o futuro, com fomento a três propostas. Cada uma receberá R$ 50 mil, além de incubação e mentoria do Social Good Brasil, organização da sociedade civil criada a partir de uma parceria com a Fundação das Nações Unidas.

Segundo a Engie, o foco do projeto é em mulheres devido ao entendimento de terem sido elas as mais afetadas pela crise econômica e social durante e após a pandemia de Covid-19, por causa da redução ou eliminação de suas rendas e pela escalada da violência doméstica. O “Mulheres do Nosso Bairro” surgiu em 2020 e, desde então investiu mais de R$ 1,2 milhão, com aporte direto a 60 pequenos empreendimentos, 3 multiplicadoras e 73 nanoempreendedoras, em mais de 100 municípios de 18 estados.

Vanessa Pacheco, dona do projeto 'Meu Baldinho', foi uma das vencedoras da primeira edição Foto: Divulgação / ENGIE Brasil Energia

“O impacto desproporcional se deu ainda com a sobrecarga, ao precisarem dispensar cuidado extra às famílias, e o aumento da violência doméstica. Trabalhamos para desenhar um projeto que contemplasse temas fundamentais ao desenvolvimento feminino: geração de renda, aprendizado, saúde e combate à violência”, comenta Luciana Nabarrete, Diretora de Pessoas, Processos e Sustentabilidade da Engie.

Os critérios que orientam a seleção dos projetos são cinco: geração de renda; viabilidade econômica, ou seja, a continuidade do negócio após o aporte; o potencial de contribuição para melhoria das condições do meio ambiente e relação positiva com os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU; possíveis impactos positivos para o desenvolvimento das comunidades; e todos os empreendimentos devem ser liderados por mulheres – cisgêneros ou transgêneros. Para a avaliação na categoria de inovação social, são consideradas a viabilidade técnica e econômica e o potencial de impacto.

Publicidade

“Nossos projetos de responsabilidade social são pensados para amplificarmos ao máximo os impactos gerados. A lógica para definir os aportes passa pela análise dos potenciais impactos, considerando ainda o que é necessário para alavancar cada tipo e porte de negócio”, explica Nabarrete.

A diretora conta que a Engie faz um acompanhamento após o recebimento dos aportes, com critérios objetivos e subjetivos - por exemplo, houve incremento de 196% no faturamento mensal dos negócios nas duas edições que já foram realizadas e o índice de felicidade das mulheres com seus empreendimentos alcançou 92%.

Nas próximas edições, a meta é incluir novos recortes, como racial, cultural e geográfico. Assim, haverá editais específicos com foco em mulheres negras e em mulheres do sertão. Ainda estão previstos esforços com a temática de combate aos problemas de saúde mental, agravados após a pandemia, e para a juventude.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.