PUBLICIDADE

Publicidade

Bill Gates avança com projeto nuclear destinado a revolucionar a geração de energia

Em Wyoming, Bill Gates avança com projeto nuclear destinado a revolucionar a geração de energia

Por Jennifer Mcdermott (Associated Press)
Atualização:

Bill Gates e sua empresa de energia estão iniciando a construção de uma usina nuclear de última geração no Wyoming, que ele acredita que “revolucionará” a forma como a energia é gerada.

PUBLICIDADE

Gates esteve na pequena comunidade de Kemmerer na segunda-feira, 10, para iniciar a construção do projeto. O cofundador da Microsoft é presidente da TerraPower. A empresa solicitou à Comissão Reguladora Nuclear em março uma licença de construção para um reator nuclear avançado que usa sódio, e não água, para resfriamento. Se aprovado, ele funcionaria como uma usina nuclear comercial.

O local é adjacente à Usina Elétrica Naughton, da PacifiCorp, que deixará de queimar carvão em 2026 e gás natural uma década depois, informou a empresa de serviços públicos. Os reatores nucleares operam sem emitir gases de efeito estufa que aquecem o planeta. A PacifiCorp planeja obter energia livre de carbono do reator e diz que está avaliando a quantidade de energia nuclear a ser incluída em seu planejamento de longo prazo.

O trabalho iniciado na segunda-feira tem o objetivo de preparar o local para que a TerraPower possa construir o reator o mais rápido possível, caso sua licença seja aprovada. A Rússia está na vanguarda do desenvolvimento de reatores resfriados a sódio.

Bill Gates participa de lançamento da obra de usina nuclear com reator avançado Foto: BILL GATES VIA FACEBOOK

Gates disse ao público presente na cerimônia de abertura de terra que eles estavam “pisando no que em breve será o alicerce do futuro energético dos Estados Unidos”.

“Esse é um grande passo em direção à energia segura, abundante e sem carbono”, disse Gates. “E é importante para o futuro deste país que projetos como esse sejam bem-sucedidos.”

Os reatores avançados normalmente usam um líquido de esfriamento diferente da água e operam em pressões mais baixas e temperaturas mais altas. Essa tecnologia existe há décadas, mas os Estados Unidos continuaram a construir grandes reatores convencionais resfriados a água como usinas elétricas comerciais. O projeto de Wyoming é o primeiro em cerca de quatro décadas que uma empresa tenta colocar um reator avançado em funcionamento como uma usina comercial nos Estados Unidos, de acordo com a NRC.

Publicidade

Chegou a hora de mudar para a tecnologia nuclear avançada que utiliza os modelos computacionais mais recentes e de física para um projeto de usina mais simples, mais barato, mais seguro e mais eficiente, disse Chris Levesque, presidente e CEO da empresa.

O projeto de demonstração do Natrium da TerraPower é um projeto de reator rápido resfriado a sódio com um sistema de armazenamento de energia de sal fundido.

“A tradição do setor não tem sido de inovar. E isso foi bom para a confiabilidade”, disse Levesque em uma entrevista. “Mas as demandas de eletricidade que estamos vendo para as próximas décadas e também para corrigir os problemas de custo com a energia nuclear atual, nós, da TerraPower, e nossos fundadores realmente sentimos que era hora de inovar.”

Uma empresa de serviços públicos da Geórgia acabou de concluir os dois primeiros reatores americanos construídos do zero em uma geração, a um custo de quase US$ 35 bilhões. O preço da expansão da Usina Vogtle de dois reatores tradicionais de grande porte para quatro inclui US$ 11 bilhões em custos excedentes.

PUBLICIDADE

Espera-se que o projeto TerraPower custe até US$ 4 bilhões, metade dos quais provenientes do Departamento de Energia dos EUA. Levesque disse que esse valor inclui custos inéditos para projetar e licenciar o reator, de modo que os futuros custarão muito menos.

A maioria dos reatores nucleares avançados em desenvolvimento nos EUA depende de um tipo de combustível - conhecido como urânio de baixo enriquecimento de alto teor - enriquecido com uma porcentagem maior do isótopo urânio-235 do que o combustível usado pelos reatores convencionais.

A TerraPower adiou sua data de lançamento em Wyoming em dois anos, para 2030, porque a Rússia é o único fornecedor comercial do combustível e está trabalhando com outras empresas para desenvolver suprimentos alternativos. O Departamento de Energia dos EUA está trabalhando para desenvolvê-lo internamente.

Publicidade

Edwin Lyman é coautor de um artigo publicado na Science na semana passada que levanta a preocupação de que esse combustível possa ser usado para armas nucleares. Lyman, diretor de segurança de energia nuclear da Union of Concerned Scientists, disse que o risco representado pelo Haleu (urânio baixo enriquecido) atualmente é pequeno porque não há muito desse combustível no mundo.

Mas isso mudará se os projetos de reatores avançados, que exigem quantidades muito maiores, forem adiante, acrescentou. Lyman disse que quer aumentar a conscientização sobre o perigo na esperança de que a comunidade internacional reforce a segurança em torno do combustível.

O porta-voz da NRC, Scott Burnell, disse que a agência está confiante de que seus requisitos atuais manterão a segurança e a proteção pública de todos os reatores que forem construídos e de seu combustível.

Gates cofundou a TerraPower em 2008 como uma forma de o setor privado impulsionar a energia nuclear avançada para fornecer energia segura, abundante e livre de carbono.

O reator de 345 megawatts (MW) da empresa poderia gerar até 500 megawatts (MW) em seu pico, o suficiente para abastecer até 400 mil residências. A TerraPower disse que seus primeiros reatores se concentrarão no fornecimento de eletricidade. Mas ela prevê que os futuros reatores poderão ser construídos perto de plantas industriais para fornecer calor elevado.

Atualmente, quase todos os processos industriais que requerem muito calor o obtêm por meio da queima de combustíveis fósseis. O calor de reatores avançados poderia ser usado para produzir hidrogênio, produtos petroquímicos, amônia e fertilizantes, disse John Kotek, do Nuclear Energy Institute.

Publicidade

É significativo que Gates, um inovador tecnológico e defensor do clima, esteja apostando na energia nuclear para enfrentar a crise climática, acrescentou Kotek, vice-presidente sênior de políticas do grupo industrial.

“Acho que isso ajudou a abrir os olhos das pessoas para o papel que a energia nuclear desempenha hoje e pode desempenhar no futuro no combate às emissões de carbono”, disse ele. “Há um enorme impulso para a construção de novas usinas nucleares nos EUA e o uso potencial de uma gama muito mais ampla de tecnologia de energia nuclear do que vimos em décadas.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.