PUBLICIDADE

Publicidade

Entidades entram na Justiça para impedir Boeing de contratar engenheiros brasileiros

Empresas do setor de defesa têm perdido profissionais para companhia americana, que busca rejuvenescer e ampliar sua equipe

Foto do author Luciana Dyniewicz
Por Luciana Dyniewicz
Atualização:

Duas entidades que representam empresas do setor brasileiro de defesa e aeroespacial, incluindo a Embraer, entraram na Justiça contra a Boeing pedindo para que contratações de engenheiros brasileiros pela companhia americana sejam interrompidas. Segundo a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) e a Associação das Indústrias Aeroespaciais do Brasil (Aiab), profissionais “altamente qualificados” estão sendo “cooptados” pela Boeing, o que coloca “em risco a sobrevivência dessas empresas e, sobretudo, ameaça a soberania nacional”.

O presidente da Aiab, Julio Shidara, calcula que a Boeing tenha contratado, em pouco mais de um ano, 200 engenheiros brasileiros. Esses profissionais atuavam sobretudo no alto escalão das empresas aeroespaciais do País, como Embraer, Akaer, Avibras, AEL Sistemas e Safran, entre outras. Na Boeing, eles trabalham em uma unidade de desenvolvimento instalada no Brasil.

PUBLICIDADE

Na ação civil pública, que está tramitando na 3ª Vara Federal de São José dos Campos, o advogado Leonardo Bissoli, do escritório Tojal Renault - que representa as entidades -, pede que seja imposto um limite de 0,6% no total de engenheiros que a Boeing pode retirar de uma empresa brasileira, sob pena de multa por cada profissional que extrapole esse limite. Segundo Bissoli, esse número representa 10% da rotatividade de 6% que o setor da aeronáutica registra nos Estados Unidos e foi estabelecido considerando que apenas uma companhia está fazendo as contratações.

Os advogados ainda solicitam que a Boeing seja condenada a pagar o total investido pela Embraer e pelo ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) em um programa de especialização de engenheiros na área aeroespacial. Os recursos seriam destinados a um fundo gerido por universidades que formam profissionais do setor. Ainda de acordo com o advogado, em um ano, esse programa de especialização demandou R$ 5 milhões.

Bissoli alega que as contratações feitas pela Boeing ameaçam fabricantes de satélites, de equipamentos de uso militar e desenvolvedoras de sistemas. Algumas perderam, em menos de um ano, 10% de seu time de engenheiros, sendo que esse número chega a 70% em departamentos específicos das companhias, diz ele.

“Esse tipo de ação pode parecer estranho se você imagina um setor normal da economia, mas o de defesa é diferente. Ele só tem um cliente, o Estado brasileiro, que estabelece proteção especial a empresas que considera estratégicas. Essas companhias exercem mais que uma atividade econômica, elas são o braço tecnológico para a defesa da soberania do Estado”, acrescenta o advogado.

Fábrica da Boeing em Seattle; companhia sofre para recrutar engenheiros nos EUA Foto: Tegra Stone Nuess/The New York Times

Ainda de acordo com a defesa das entidades, os profissionais que a Boeing já contratou participavam de projetos nas áreas de defesa e segurança e tinham acesso a informações “qualificadas” e “dados classificados” de projetos estratégicos para o país.

Publicidade

Shidara, presidente da Aiab, destaca que o caso da Embraer é ainda mais sensível, dado que a Boeing já teve acesso a informações confidenciais durante 2018 e 2020, período em que a empresa americana negociava a compra da divisão comercial da companhia brasileira.

Uma das intenções da Boeing, quando ela queria comprar a Embraer, era, inclusive, rejuvenescer sua equipe de engenheiros com profissionais brasileiros. O problema da falta de engenheiros na Boeing é conhecido no mercado e se acentuou após a pandemia, quando parte dos profissionais do setor se aposentaram e parte, após receber auxílio financeiro e se acostumar ao trabalho remoto, não quis voltar aos padrões pré-pandemia. Nos EUA, a empresa vem perdendo engenheiros para o setor de tecnologia.

Procurada, a Embraer afirmou que tem “conhecimento e apoia a ação civil pública movida pelas entidades contra a Boeing”. “Seguiremos acompanhando os desdobramentos cientes de que este é um assunto de interesse nacional”, destacou em nota. A Boeing não quis comentar o assuntou.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.