Publicidade

Publicidade

Disputa pela Braskem: Unipar segue no jogo, mas não pretende elevar oferta de R$ 10 bilhões

Processo de venda das ações da petroquímica entrou em uma nova etapa com oferta da J&F, dos irmãos Batista

Foto do author Cynthia Decloedt
Foto do author Altamiro Silva Junior
Por Cynthia Decloedt (Broadcast) e Altamiro Silva Junior (Broadcast)

A petroquímica Unipar aguarda sinalização dos bancos credores e da Novonor para seguir com uma diligência na Braskem. O Estadão/Broadcast apurou que a companhia não pretende aumentar sua proposta, de R$ 10 bilhões, mas que as negociações continuam.

A “formalização” de uma oferta pelo controle da Braskem por parte da J&F, dos irmãos Batista, inicia uma nova etapa no processo de venda das ações da petroquímica que estão com cinco grandes bancos nacionais.

PUBLICIDADE

Agora, além da oferta de R$ 10 bilhões da Unipar pelo controle, os bancos credores da Novonor, que estão com as ações da petroquímica, tem a da J&F, de mesmo valor, para analisar. A diferença entre as duas é que da Unipar, a família Odebrecht, fica com 4% da petroquímica, enquanto que na da J&F o pagamento é à vista.

“Os credores e a Novonor estão dispostos a vender, mas a Petrobras ainda é uma incógnita”, disse um executivo de um banco de investimento. “Se o PT tem internamente diversas visões diferentes, imagina dentro da Petrobras?”, questiona esta fonte. A petroleira detém 47% das ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Braskem e anunciou nesta semana que pretende fazer uma análise dos números petroquímica.

Polo petroquímico da Braskem em Santo André (SP) Foto: DANIEL TEIXEIRA / AE

Bradesco, Itaú, Santander, Banco do Brasil e BNDES ficaram com as ações da Novonor na Braskem como garantia de empréstimos concedidos ao Grupo Odebrecht, antes de entrar em recuperação judicial. Bradesco e Itaú chegaram a fazer uma segunda rodada de empréstimos para a Odebrecht, ficando com mais ações da Braskem.

Por isso, hoje boa parte do jogo está nas mãos principalmente de Bradesco e Itaú. Especialmente porque existem acordos de preferência nos pagamentos dos que mais emprestaram a Odebrecht. A dívida da Novonor com Braskem está na casa de R$ 15 bilhões.

O próximo passo, seria uma diligência mais profunda na empresa. No entanto, bancos e credores tem de sinalizar quais propostas interessam. O custo de uma diligência na Braskem fica por volta de R$ 70 milhões e a Unipar, por exemplo, já sinalizou que não vai ingressar nela sem que tenha exclusividade no negócio.

Publicidade

Segundo uma pessoa familiarizada com o assunto, os bancos credores não estão muito propensos a dar exclusividade a um comprador, preferindo um processo mais competitivo.

Passivo

O passivo de Alagoas volta a ser uma pedra no sapato das negociações. Em 2019, a holandesa LyondellBasel desistiu de ficar com a Braskem por notícias de um passivo bilionário resultante de um acidente geológico causado pela exploração de sal-gema em Maceió. “Alagoas apareceu de uma hora para outra e ninguém sabia qual o tamanho do passivo, afastou os compradores”, disse uma fonte da Faria Lima.

Agora, informações de revisão no passivo entre a empresa e o governo do Estado colocam novamente esse bode na sala e podem mudar com o valor de negociação da Braskem.

Entre diferentes versões que concorrem sobre os bastidores na disputa por Braskem estão o interesse dos bancos em manter a J&F, dona da maior empresa de proteínas do mundo, em sua carteira de clientes e, eventualmente, reduzir o risco de passivos de empresas da holding dos Batista em seus balanços.

Procuradas, Unipar, J&F e Novonor não comentaram.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.