PUBLICIDADE

Publicidade

Eletrobras propõe reduzir remuneração de férias de 75% para 33% do salário

Empresa realiza primeiro acordo coletivo desde a privatização; na primeira rodada, no início do mês, uma redução de 12,5% dos salários de quem ganha até R$ 15.572,04

Por Denise Luna (Broadcast)

RIO - A Eletrobras apresentou uma proposta para cortar o porcentual de 75% para 33% do salário como remuneração de férias. Esse é o primeiro Acordo Coletivo de Trabalho (ACT) desde a privatização da empresa, em 2022. A primeira rodada de negociação aconteceu em 2 de abril.

PUBLICIDADE

Como mostrou reportagem do Estadão/Broadcast do início do mês, a empresa planeja reduzir em 12,5% os salários dos empregados que ganham até R$ 15.572,04. Os salários maiores serão discutidos caso a caso.

A empresa não confirma os porcentuais, mas afirma em nota que “busca um acordo coletivo baseado nas determinações da lei e na construção de uma empresa cada vez mais robusta”.

A Eletrobras contratou o advogado Antonio Carlos Aguiar para realizar as negociações com os empregados e também pretende retirar o benefício do “13º vale refeição”, considerado pelos empregados como um “ticket de Natal”.

Fachada da sede da Eletrobrás, no Rio de Janeiro. Foto: Wilton Júnior / Estadão

Segundo o Coletivo Nacional dos Eletricitários (CNE), uma pesquisa mostrou que os trabalhadores e trabalhadoras estão dispostos a aderir a atos, paralisações e greves em razão das condições que vêm sendo apresentadas pela empresa.

O novo acordo coletivo tem por objetivo acabar com distorções da época estatal e adequar a relação trabalhista ao novo perfil de companhia privada. Caberá ao negociador tentar buscar o consenso entre as demandas da empresa e sindicatos, sendo a decisão final sempre da Eletrobras.

A terceirização da negociação do ACT desagradou o CNE, que criticou a proposta da empresa após a primeira rodada de negociações com Aguiar. Na reunião, foram discutidos ainda a manutenção de benefícios como auxílio-creche e auxílio educacional, auxílio-funeral, entre outros recebidos pelos empregados na época de estatal.

Publicidade

A Eletrobras tem nove ACTs diferentes para serem negociados. A intenção de contratar um negociador, segundo fontes, decorre da complexidade de elaborar o primeiro ACT após a privatização. O objetivo é padronizar o máximo possível a relação trabalhista entre todas as empresas do grupo, o que não poderá ser feito integralmente, e alinhar as práticas trabalhistas ao setor privado.

Desde 2016, quando foram iniciados os movimentos para a venda da companhia, a Eletrobras perdeu cerca de 10 mil empregados por meio de programas de demissão voluntária ou de aposentadorias. Atualmente, a empresa tem 7.903 mil empregados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.