EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Doutor em Economia

Elite brasileira parece concentrar hoje mais dinheiro do que a russa

Não é fácil encontrar uma medida que permita classificar os russos ricaços como oligarcas sem incluir no rótulo os nossos também

PUBLICIDADE

Por Pedro Fernando Nery
Atualização:

As sanções anunciadas nos últimos dias têm chamado atenção para os oligarcas, o grupo de russos muito ricos que ajudaria a sustentar Putin no poder. O termo – oligarcas – é usado para a elite da Rússia, mas não tipicamente para elites de outros países. O que permite usar a denominação lá e não, por exemplo, aqui? Que semelhanças e diferenças existem entre as nossas elites?

Nos dicionários, a definição de oligarca passa pela elevada influência política que o sujeito detém, mas também se permite o uso para definir alguém muito rico (um sinônimo de magnata, ricaço). A Rússia é, de fato, um país muito desigual, com alta concentração de renda naqueles que estão no topo dela – mas é difícil encontrar medida que mostre que essa concentração é maior do que no Brasil.

Iate do magnata russo Roman Abramovich; ricaços de Brasil e Rússia estão no clube de mais ricos do mundo. Foto: Josep Lago/AFP - 1/3/2022

PUBLICIDADE

O 1% da população russa que está mais bem posicionado na distribuição de renda concentraria 22% de toda a renda do país – segundo o World Inequality Report 2022. É um dos maiores níveis do mundo. Mas perderia para o do Brasil: aqui o 1% mais rico da população leva 27% da renda (segundo a mesma fonte).

Esta concentração nunca foi inferior a 20% da renda nacional, segundo o trabalho do Pedro de Souza, que construiu uma série histórica desde 1926. Neste sentido, se a atual elite russa é relativamente recente – vem dos anos 90, o Brasil tem uma tradição mais longeva para o seu 1%. Não é difícil rastrear parte das fortunas brasileiras a boas conexões políticas desde a ditadura militar (pense em empresários presos na Lava Jato) ou até Vargas

Voltemos aos dados do 1%: a fatia detida por estes grupos no total do patrimônio, por sua vez, seria equivalente nos dois países: em ambos o 1% mais rico responderia por cerca de 50% da riqueza (a apuração desta medida, porém, é menos consensual). 

Publicidade

Os dados mostram ainda que os ricaços de ambas as nações ficariam bem na comparação internacional: os mais ricos de cada país também pertencem ao clube dos mais ricos do mundo, segundo Branko Milanovic. Em termos absolutos, pela revista Forbes, a Rússia tem mais bilionários do que o Brasil (mas produzimos mais deles – proporcionalmente – em 2021). 

Se há óbvias diferenças – os bilionários russos fabricados por privatizações corruptas, o uso obstinado de offshores, o envolvimento com um Estado mafioso – não é fácil encontrar uma medida que permita classificar de forma inconteste os russos ricaços como oligarcas sem incluir no rótulo os nossos também. 

*DOUTOR EM ECONOMIA

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.