Publicidade

Prates diz que, por enquanto, não há motivo para mudar preço dos combustíveis

Agentes do mercado avaliam que há defasagem em relação ao preço internacional

Por Gabriel Vasconcelos (Broadcast)

RIO - O presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, disse nesta quinta-feira, 18, que, por ora, não há motivo para reajuste no preço da gasolina e do diesel fabricado pela estatal. “Estamos avaliando todas as condições de mercado. Não há razão para pânico nenhum agora. Não há motivo para variação nenhuma por enquanto. Estamos monitorando o cenário internacional. Por enquanto não há nada que faça mover (o preço dos combustíveis) e o próprio preço do petróleo indica isso.”

PUBLICIDADE

Prates deu as declarações no evento de lançamento do Mapa de Estaleiros do Brasil, organizado pelo Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (IBP). Apesar disso, agentes de mercado e entidades veem os preços dos combustíveis com defasagem que tem beirado os dois dígitos com relação ao mercado internacional.

Segundo a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), a gasolina da Petrobras estaria sendo comercializada a um preço 20% menor que o preço de paridade de importação, enquanto o diesel teria uma defasagem de 10%. As estimativas de defasagem dos preços Petrobras ante o PPI da Abicom e de outras entidades e consultorias são questionadas pela Petrobras.

Jean Paul Prates balançou no cargo de presidente da Petrobras Foto: PEDRO KIRILOS / ESTADÃO

Desde meados de 2023 a Petrobras abandonou o alinhamento ao preço de paridade de importação (PPI), implantado como parâmetro da empresa ainda em 2016. A estatal passou a adotar uma banda de preços, em que a linha inferior é o preço de custo da empresa e a linha superior é o preço alternativo do cliente, ou seja, o preço da concorrência. Ainda assim, diz a estatal, os preços internacionais seguem como referência observada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.