Publicidade

Tarcísio diz que Estado vai manter participação na Sabesp mesmo com privatização

Governador assinou contrato com o agência ligada ao Banco Mundial para realização de estudos sobre venda da empresa

Por Bruno Luiz

São Paulo - O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), disse nesta segunda-feira, 10, que uma possível privatização da Sabesp não implica na venda total da participação societária do Estado na empresa de saneamento.

Tarcísio lembrou que 49,7% do capital da companhia já é privado e que, com a desestatização, o governo deve deixar de ser acionista majoritário, mas mantendo “participação relevante”.

PUBLICIDADE

“A Sabesp já tem boa parte do seu capital é privado. 49,7% é privado e 50,3% é público. Quando você discute privatização, discute controle. Isso não significa que o Estado vai sair completamente da Sabesp, que o Estado não vai ter participação relevante, sem manter voz dentro da empresa. A gente vai transferir uma participação para iniciativa privada”, explicou o governador a jornalistas, em evento que marca os 100 dias do governo, nesta manhã.

Tarcísio disse também que o Estado vai estudar a melhor forma de se desfazer do controle acionário da empresa e ponderou que esse processo pode acontecer de forma paulatina.

Segundo Tarcísio, governo vai deixar de ser acionista majoritário mas continuará tendo participação relevante na Sabesp Foto: Nilton Fukuda/Estadão

Nesta segunda-feira, o governador assinou contrato com o IFC, agência ligada ao Banco Mundial, para realização de estudos sobre a privatização da Sabesp.

“Não é se desfazer do controle para se desfazer. É se desfazer para proporcionar melhor serviço ao cidadão. Vamos agora estudar (privatização) e, quando a gente tiver clareza do que vai ser modelado, a gente segue em frente e vamos ter condição de convencer as pessoas que esse caminho é um bom caminho.”