Publicidade

Publicidade

A lucrativa estratégia da Toyota de focar em carros híbridos em vez de elétricos puros

Maior montadora do mundo tem sido criticada por vender poucos veículos elétricos, mas sua decisão de focar em híbridos está rendendo financeiramente

Por Neal Boudette (The New York Times)

Na indústria automobilística atual, de alta tecnologia e altas apostas, as fortunas podem mudar rapidamente, e não há melhor exemplo disso no momento do que a Toyota Motor.

PUBLICIDADE

Não faz muito tempo, parecia que a Toyota havia ficado perigosamente para trás em veículos elétricos. A Tesla, pioneira dos carros elétricos, cresceu rapidamente e se tornou a montadora mais valiosa do mundo. Vendo o sucesso da Tesla, outras empresas, como a General Motors e a Ford Motor, concluíram que um grande número de consumidores estava pronto para mudar para carros e caminhões movidos a bateria e começaram a investir dezenas de bilhões de dólares para alcançar isso.

A Toyota, no entanto, foi mais cautelosa — ou letárgica, diriam seus críticos. Ela introduziu apenas dois modelos totalmente elétricos nos Estados Unidos até agora, apostando que seus híbridos a gasolina-elétricos e veículos híbridos plug-in, pelos quais se tornou conhecida, permaneceriam populares e seriam suficientes para lidar com as mudanças climáticas, ao menos por enquanto.

Fábrica da Toyota, em Sorocaba, onde a empresa produz carros híbridos, que usam bateria, etanol e gasolina.  Foto: Werther Santana/Estadão

Diante de todo o entusiasmo pelos veículos elétricos nos últimos anos, parecia que a Toyota simplesmente não tinha entendido o cenário.

“Fiquei chocado quando ouvi pela primeira vez a estratégia da Toyota, porque eu podia ver o que a Tesla estava fazendo”, disse Earl Stewart, um concessionário da Toyota em Lake Park, Flórida, que também gosta de dirigir seu Tesla Model S.

Mas, nos últimos seis meses, as vendas de veículos elétricos desaceleraram, e os compradores de carros americanos, que buscam cortar suas contas de combustível, têm migrado para os híbridos. Agora, as vendas da Toyota estão crescendo, e a empresa está reportando lucros enormes.

“Não é a primeira vez que a Toyota me prova que eu estava errado, e também não será a última”, disse Stewart.

Publicidade

A súbita força da Toyota serve como um lembrete de como a indústria automotiva está mudando profundamente. Tecnologias em desenvolvimento, como veículos elétricos, microchips avançados e software, estão transformando o que era um setor estável e de movimento lento em uma indústria dinâmica, na qual até mesmo fabricantes ágeis e bem gerenciados podem ser desviados de seu curso.

A Toyota, uma empresa japonesa, é a maior montadora do mundo: ela vendeu mais de 11 milhões de veículos em 2023, mais de seis vezes o número vendido pela Tesla. A companhia subiu os degraus da indústria lentamente, ao longo de meio século, primeiro exportando carros pequenos para os Estados Unidos, depois construindo fábricas pelo Sul e Meio-Oeste, adicionando uma marca de luxo e expandindo para os segmentos dominados pelos seus rivais baseados em Michigan, como as caminhonetes de tamanho grande.

Ao longo do caminho, a Toyota desafiou a sabedoria convencional da indústria em algumas ocasiões. A introdução de sua marca de luxo Lexus, em 1989, parecia uma aposta arriscada, até que ultrapassou a BMW e a Mercedes-Benz em vendas. Há 21, a Toyota lançou o Prius, um carro pequeno com um motor a gasolina compacto e um motor elétrico alimentado por uma bateria.

PUBLICIDADE

A combinação permite que o Prius percorra 80 km ou mais com um galão de gasolina (3,87 litros), e um modelo híbrido plug-in pode fazer viagens curtas sem usar gasolina alguma. Outros fabricantes de automóveis desprezaram o carro como uma curiosidade, mas o Prius foi um sucesso, e antes que se desse conta, a GM, a Ford e outras empresas desenvolveram seus próprios híbridos.

O diretor-executivo da Tesla, Elon Musk, despreza os híbridos, dizendo que não faz sentido ter dois sistemas de propulsão sob o capô. Os consumidores parecem não se importar. A Toyota oferece mais de duas dezenas de modelos híbridos ou híbridos plug-in, e eles representam quase 30% de suas vendas, muito mais do que na maioria das outras montadoras. No ano passado, no mercado dos EUA, a Toyota vendeu 2,2 milhões de veículos — mais do que qualquer outra montadora, exceto a GM.

Em vez de elétricos puros, Toyota decidiu focar nos híbridos.  Foto: WERTHER

Em janeiro e fevereiro, as vendas da Toyota nos EUA subiram 20%, impulsionadas por um aumento de 83% nas vendas de seus modelos híbridos e plug-in.

“Não estamos dizendo que os veículos elétricos não sejam uma boa solução para as emissões de carbono”, disse Jack Hollis, vice-presidente executivo da divisão norte-americana da Toyota. “Eles são. Apenas não são a única solução, e muitos de nossos clientes têm nos dito que querem escolha — híbridos, plug-ins e veículos elétricos.”

Publicidade

A estratégia está dando certo. No período de nove meses a partir de abril do ano passado, a Toyota lucrou US$ 27 bilhões, aproximadamente o dobro de seus ganhos do mesmo período do ano anterior. Em comparação, o lucro de US$ 15 bilhões da Tesla em 2023 foi cerca de 19% maior que o resultado de 2022.

Os investidores têm notado. O mercado de ações agora avalia a Tesla em menos da metade de seu pico de valor de mercado, de US$ 1,2 trilhão, em novembro de 2021 — em grande parte, porque suas vendas estão crescendo mais lentamente, e o lucro que ela obtém por carro tem caído. Durante o mesmo período, a avaliação da Toyota cresceu aproximadamente um terço, alcançando cerca de US$ 400 bilhões.

Mike Ramsey, analista na firma de pesquisa Gartner, disse que a estratégia híbrida da Toyota é forte e baseada em lógica de longo prazo, mas mudanças na tecnologia ou no mercado poderiam minar o desempenho futuro e a posição da companhia.

“A Toyota parece oscilar entre medíocre e gênio, dependendo do estado atual do pensamento sobre tecnologia”, disse ele. “Mas, independentemente de qualquer coisa, eles ainda parecem vender mais carros e caminhões do que qualquer outro.”

Um grande mercado onde a Toyota está enfrentando dificuldades é a China, o maior mercado automobilístico do mundo. Muitos compradores chineses estão optando por veículos elétricos, ajudando montadoras domésticas, como a BYD, a ganhar participação sobre Toyota, Volkswagen e outros fabricantes estrangeiros.

A Toyota tem outros problemas também. Sua subsidiária Daihatsu, que fabrica carros pequenos, interrompeu temporariamente toda a produção no Japão em dezembro, após revelar que havia trapaceado em testes de segurança.

Por enquanto, contudo, o ritmo deliberado da Toyota parece estar funcionando no geral, e vários outros grandes fabricantes de automóveis têm se movido em direção ao caminho da empresa.

Publicidade

A Mercedes-Benz, que esperava eliminar os modelos de combustão interna até 2030, disse no mês passado que adiou esse objetivo por pelo menos cinco anos. A Ford reduziu as metas de produção para veículos elétricos e está retardando a construção de fábricas que deveriam produzir baterias para veículos elétricos.

A GM, que havia parado de vender híbridos nos Estados Unidos para focar em veículos elétricos, adiou a introdução de alguns modelos movidos a bateria. Ela também está planejando reintroduzir modelos híbridos e híbridos plug-in, que os concessionários haviam pedido.

“Implantar tecnologia plug-in em segmentos estratégicos trará alguns dos benefícios ambientais dos veículos elétricos, enquanto a nação continua a construir sua infraestrutura de carregamento”, disse Mary T. Barra, diretora-executiva da GM, em fevereiro.

Até agora, os veículos elétricos falharam em conquistar muitos compradores de carros, porque são geralmente mais caros que os modelos de combustão ou híbridos, mesmo levando em conta incentivos governamentais. Os desafios do carregamento de veículos elétricos, preocupações com a autonomia e desempenho em clima frio também fizeram algumas pessoas hesitarem.

Híbridos não enfrentam muitos desses problemas. Alguns híbridos custam apenas algumas centenas de dólares a mais que carros a gasolina similares – um prêmio que os proprietários podem recuperar rapidamente em economia de combustível. Além disso, híbridos regulares nunca precisam ser plugados.

Modelos híbridos plug-in, alguns dos quais podem viajar apenas com eletricidade por mais de 64 quilômetros e têm um motor a gasolina para viagens mais longas, têm baterias muito menores que os veículos elétricos e podem ser recarregados relativamente rápido. Mas esses veículos, que compõem uma pequena parte do mercado, podem não ser tão vantajosos financeira ou ambientalmente quando dirigidos por longas distâncias somente com gasolina.

A Toyota tem planos de aumentar significativamente a produção e as vendas de híbridos. Uma versão híbrida de sua picape Tacoma está sendo lançada. Um sedã Camry redesenhado, previsto para esta primavera, estará disponível apenas como híbrido.

Publicidade

A empresa também oferecerá uma gama de veículos elétricos, disse o executivo da Toyota, Mr. Hollis. Cerca de 30 modelos chegarão até 2026, ano em que a Toyota espera que suas vendas de veículos elétricos nos EUA tenham aumentado para cerca de 1,5 milhão de unidades por ano. No ano passado, ela vendeu cerca de 15.000.

Na Flórida, os novos Toyotas que chegam na concessionária de Stewart mal tocam o pátio antes de serem vendidos. No início de março, ele tinha apenas cerca de 150 veículos no inventário, abaixo dos 500 que costumava ter antes da pandemia.

Isso não desanimou os clientes, que se acostumaram a esperar meses depois de encomendarem veículos. Em um determinado momento no ano passado, ele tinha 1.300 veículos encomendados, e clientes para todos eles.

“Vendo Toyotas desde 1975, e os negócios estão melhores do que nunca”, disse ele. “As pessoas estão fazendo fila para comprar de mim.”

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.