Publicidade

‘Trem-bala’: Ministro reforça que trem de alta velocidade entre RJ e SP é projeto privado

ANTT deu autorização a um plano privado de ferrovia, requerido pela empresa TAV Brasil

Foto do author Amanda Pupo
Por Amanda Pupo (Broadcast)
Atualização:

BRASÍLIA – O ministro dos Transportes, Renan Filho (MDB), colocou nos eixos a expectativa em torno do projeto de trem de alta velocidade que ligaria as cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, conhecido como “trem-bala”. O assunto voltou à tona nesta semana após a Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) autorizar o empreendimento.

O ministro dos Transportes, Renan Filho, destacou que ferrovia para trem de alta velocidade, autorizada pela ANTT, não se trata de um projeto do governo federal  Foto: Wilton Junior/Estadão

O ministro destacou, contudo, não se tratar de um projeto do governo federal – como foi o trem-bala idealizado pela gestão de Dilma Rousseff (PT) em 2012, nunca implantado. “A autorização para esse projeto exige o cumprimento de uma série de tarefas para o investimento ir adiante. Então não é (o caso de) criar muita expectativa nesse momento”, disse o ministro.

PUBLICIDADE

O que a ANTT fez nesta quarta-feira, 23, foi dar autorização a um plano privado de ferrovia, requerido por uma empresa chamada TAV Brasil. Se, de fato, a TAV for levar o empreendimento à frente, não haverá investimento público, já que a outorga foi concedida por meio do regime privado de ‘autorização’. Nesse modelo, que vigora desde o marco legal das ferrovias, os riscos são assumidos inteiramente pelos particulares.

Em entrevista à CNN, questionado se o trem-bala estaria de volta, Renan Filho esclareceu que a empresa autorizada precisa cumprir um cronograma e que o Ministério vai acompanhar para verificar se ela tem condição de levar adiante um projeto “tão arrojado”.

Ele lembrou ainda que, quando uma empresa recebe autorização para construir uma ferrovia privada, não significa que somente ela terá esse aval. “O marco legal impõe as autorizações. A autorização a uma empresa não significa que somente ela será autorizada. Muito menos ainda que esse projeto vai andar na velocidade que as pessoas imaginam”, afirmou o ministro.

“A partir de agora a empresa tem que cumprir o cronograma. Se ela for mesmo realizar esse investimento, será muito bom para o Brasil”, disse Renan Filho.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.