PUBLICIDADE

Opinião|Arquidiocesano utiliza Escape 60 em sala de aula para treinar habilidades entre os alunos

 Iniciativa pioneira envolve o Colégio Marista Arquidiocesano e a opção de jogo que desafia a criatividade, a curiosidade e a inteligência dos participantes

Atualização:

Um ambiente de mistério, especialmente desenvolvido para aguçar habilidades como solução de problemas complexos, criatividade, relacionamento interpessoal, inteligência emocional, julgamento e tomada de decisão dentro de um ambiente virtual e durante o horário das aulas.

PUBLICIDADE

Esse conjunto de atrações estão reunidas em uma plataforma totalmente dedicada ao modelo pedagógico: o Escape 60' Edu. Nela, alunos e professores do 6º e 7º anos do Colégio Marista Arquidiocesano, se encontram para conhecer e experimentar o que há de mais inovador em jogos educativos, com tudo correndo contra o tempo, no período de uma aula.

De acordo com o sócio-fundador da Escape 60, José Roberto Szymonowicz, o projeto implantado no Arquidiocesano possui uma abordagem multidisciplinar, inclusive respeitando as regras impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD).  "Não existe nada parecido no Brasil e com essas características, desconheço que exista em todo o mundo", afirma o executivo.

A partir da plataforma, professores levam dinâmicas transformadoras aos alunos, com diferentes temáticas, para expandir as paredes da sala de aula, envolvendo quatro áreas do conhecimento: Matemática, Língua Portuguesa, Ciências da Natureza e Ciências Humanas.

 Foto: Estadão

"O objetivo é mobilizar os conhecimentos desenvolvidos nas diferentes aulas ministradas pelos excelentes professores do colégio e aplicá-los para a resolução de desafios criados na plataforma Escape 60 Edu, que exigem resiliência, persistência e estratégias diversificadas para solucionar os enigmas, numa proposta inovadora e dinâmica que pode ser aplicada de diferentes formas durante as aulas. Para além do conhecimento, há o fortalecimento de habilidades importantes para a formação humana", explica a coordenadora do Ensino Fundamental - Anos Finais do Colégio Marista Arquidiocesano, Alana Perico.

Publicidade

Os enigmas foram todos desenvolvidos e classificados conforme a Base Nacional Comum Curricular (BNCC) de cada faixa etária e devem ampliar a capacidade de lidar com pensamento crítico, criatividade, sensibilidade cultural, diversidade, comunicação, tecnologias e cultura digital, projeto de vida, argumentação, autoconhecimento, autocuidado, emoções, empatia, colaboração, autonomia, ética, diversidade, responsabilidade, consciência socioambiental e cidadania, entre outros aspectos importantes para a vida no século 21.

Opinião por Natália Venâncio
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.