PUBLICIDADE

Trigêmeas separadas no nascimento contam que se conheceram aos 11 anos: ‘Foi como olhar no espelho’

Kendall, Julianne e Rikki não sabiam que eram trigêmeas até os 8 anos de idade; reencontro foi ‘como uma peça se encaixando’

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

No programa estadunidense The Today Show, as irmãs Kendall Scavo, Julianne Scavo e Rikki Jump contaram uma história impressionante: apesar de serem trigêmeas, elas não cresceram juntas – e só se encontraram pela primeira vez aos 11 anos.

PUBLICIDADE

Segundo as irmãs, sua mãe biológica, Kathleen, descobriu que estava grávida de três bebês em 1991. Financeiramente, ela e seu marido Lee não estavam preparados para criar trigêmeos e, portanto, decidiram colocar duas das filhas para adoção.

Kathleen e Lee deixaram o hospital com Rikki, enquanto Kendall e Julianne foram adotadas por Ken e Tina Scavo. O casal demorou 8 anos para revelar a verdade para suas filhas adotivas – e contou tudo em uma noite de Natal.

As trigêmeas Rikki, Julianne e Kendall Foto: Reprodução/Today Show

“Acho que eles sempre tiveram aquele medo inerente de que gostaríamos de ver nossa mãe biológica e sentiríamos uma atração biológica, mas esse nunca foi o caso”, explicou Kendall. Ao descobrir que tinham uma terceira irmã, Kendall e Julianne começaram a se corresponder com Rikki.

Anos depois, as trigêmeas se encontraram pela primeira vez. Rikki e Julianne, que são gêmeas idênticas, tiveram um grande choque. “Foi como se olhar no espelho”, lembraram.

Apesar do encontro tardio, as gêmeas dizem sentir que sempre se conheceram, e que a reunião foi como uma “peça de quebra-cabeça se encaixando”. Mesmo afastadas, as meninas sempre tiveram jeitos muito similares, e até os mesmos gestos.

Hoje, Kendall, Julianne e Rikki são inseparáveis e moram a poucos minutos uma da outra em Austin, no Texas. Elas também apresentam um podcast, chamado Luke, Who Is Your Father, sobre a história da família.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.