PUBLICIDADE

Fabiana Justus explica por que optou por não falar sobre transplante antes: ‘Ficava agoniada’

Influenciadora escolheu se recolher durante o processo de transplante de medula, mas agora que procedimento já foi feito ela começa a compartilhar sua experiência

Por Larissa Godoy

Fabiana Justus revelou que optou por comunicar o transplante de medula apenas após sua realização bem-sucedida. Ela explicou seus motivos em um vídeo postado em seus stories, no Instagram, nesta quinta-feira, 28.

Fabiana Justus nos seus stories, nesta quinta-feira, 28 Foto: @fabianajustus via Instagram

PUBLICIDADE

A influenciadora, diagnosticada com leucemia, recebeu uma doação anônima que viabilizou o procedimento. Ela explicou que preferiu manter a informação restrita a um círculo muito pequeno, incluindo apenas seus pais, Sacha Chryzman e Roberto Justus, além do marido, Bruno Levi D’Ancora, até que o transplante fosse concluído.

“Como tinha muita coisa para dar certo, até rolar o transplante, ninguém sabia o que eu ia fazer. Eu não gosto de contar as coisas antes de elas acontecerem. Então meus pais sabiam, o Bruno, e é isso. Depois que aconteceu, agora dá vontade de gritar para o mundo, assim, sabe?”, disse Fabiana em sua rede social.

Ela também compartilhou detalhes sobre o processo de transplante, destacando o período de quimioterapia pré-transplante e a coordenação necessária para o recebimento da doação de medula.

“Meus médicos já estão super acostumados, porque fazem isso com muita frequência. Eles falavam: ‘Fica tranquila, confia no processo, vai dar tudo certo’. O pessoal do banco de sangue também, mas eu ficava com aflição, porque eles começam as químios pré-transplante antes de o doador doar a a medula, então me dava um pouco de aflição esse casamento de acontecimentos, mas eles falaram que é sempre assim que funciona. Eu que ficava agoniada com esse processo”, relatou, sorrindo.

Ela revelou, ainda, que registrou esse momento e que está editando os vídeos para também compartilhar com seus seguidores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.