PUBLICIDADE

‘Pronto, Falei’: História baseada em fatos aborda a ansiedade de quem mente para evitar conflitos

Elenco, composto por Nicolas Prattes, Romulo Arantes Neto, Kéfera Buchmann e Duda Santos conversou com o ‘Estadão’ sobre filme e entregou se já teve a mesma dificuldade que o protagonista

Foto do author Gabriela Piva
Por Gabriela Piva
Atualização:

A arte imita a vida. Pelo menos esta é a premissa da comédia Pronto, Falei, de Michel Tikhomiroff, com estreia marcada para o dia 8 de dezembro nos cinemas do Brasil. Baseada em fatos, o longa acompanha Renato (Nicolas Prattes), um editor assistente com dificuldade em se expressar.

PUBLICIDADE

Grande parte do cenário se passa na redação de um jornal. Segundo o diretor, o ambiente serve para agravar e evidenciar a condição psicológica do protagonista. “A redação é um lugar com um poder enorme para expor fatos, colocar assuntos em pauta e amplificar opiniões”, explica ao Estadão sobre a escolha do local.

Mesmo sem expressar seus pensamentos aos outros, Renato escreve desabafos nos rascunhos de seu e-mail corporativo. As cartas nunca enviadas contêm os mais diversos conteúdos: declarações de amor, de ódio e verdades quase absolutas sobre a namorada, Janaína (Kéfera Buchmann), os colegas de trabalho e seus chefes.

Ao contrário do protagonista, Prattes conta ao Estadão que nunca teve dificuldade em se comunicar. “Mas entendo que isso é uma questão para muita gente. Por isso, acho que muitos se identificarão com essa trava de dizer o que pensa e de filtrar ao mesmo tempo”, comentou.

Romulo Arantes Neto comenta como machismo afetou sua dificuldade de expressar sentimentos Foto: Mixer/Telecine

‘Demorei para falar que amava um amigo’

Os pensamentos de Renato eram segredos, até que um dia, todos os destinatários recebem as mensagens por acidente e descobrem as opiniões mais nuas e cruas do protagonista. Com medo de encarar os receptores dos e-mails, Renato troca de lugar com Edgar (Romulo Arantes Neto), colunista do jornal.

A permuta não sai de graça. O jornalista sugere mentir para as pessoas dizendo que, na verdade, ele era o autor dos e-mails. Em troca, Renato teria de escrever suas colunas como se fosse Edgar. O editor assistente resistiu, mas aceitou a proposta.

A reviravolta torna Edgar o vilão da história. Apesar de muitas vezes ser mais difícil viver personagens maléficos, o ator conta ao Estadão que escolhe seus trabalhos com cuidado. “Como sou ariano, com ascendente em Áries e lua em Leão, me sinto até mais à vontade quando interpreto personalidades fortes”, explicou ele.

Publicidade

Romulo Arantes Neto, inclusive, se identifica em certo grau com a história do protagonista. O ator já teve dificuldades em se expressar, mas melhorou a habilidade após iniciar a terapia com 15 anos - decisão inspirada pela morte repentina do pai, o ator Romulo Arantes, vítima de um acidente aéreo.

O machismo foi mais um fator que dificultou o desenvolvimento da autoexpressão. “Demorei muito tempo para falar ‘te amo’ para um amigo. (...) Hoje em dia, vejo o quanto é bom se libertar e não se preocupar, porque é a coisa mais linda do mundo você poder dizer ‘eu te amo’ para alguém e realmente amar a pessoa”, pontuou ele.

Duda Santos se inspirou em Maju Coutinho para viver repórter investigativa Foto: Mixer/Telecine


À la Maju Coutinho

Depois de assumir o lugar de Renato em Pronto, Falei, Romulo vive um romance com a repórter investigativa, Daniella (Duda Santos), por quem o protagonista é apaixonado. Na história, ela é uma mulher de 30 anos que luta para publicar a “melhor reportagem” do jornal.

Ao Estadão, a atriz de 21 anos destacou a importância de interpretar uma jornalista negra e retinta nos cinemas do Brasil, que costuma colocar mulheres como ela em papéis subalternos, como o de empregadas domésticas.

PUBLICIDADE

A artista se inspirou em Maju Coutinho, apresentadora de O Fantástico, da Rede Globo, para viver Daniella. “Assistia muito jornal durante a preparação para o filme e via muitos noticiários para entender como as jornalistas se portavam”, contou ela sobre a preparação para Pronto, Falei, cujas filmagens foram realizadas em um período de cerca de dois meses.

Antes de passar no teste para viver Daniella, Duda foi rejeitada em várias audições. A ajuda dos colegas de elenco e o clima pacífico nos bastidores de Pronto, Falei foram fatores essenciais para amparar e construir a autoestima profissional da jovem atriz.

“Como era meu primeiro trabalho no cinema, eu tinha um pouco de síndrome de impostora. O Romulo e o diretor também me ajudaram muito, eles passavam várias cenas comigo”, entregou sobre a falta de confiança em si no início do projeto.

Publicidade

Kéfera Buchmann vive Janaína, namorada de Renato, em 'Pronto, Falei' Foto: Mixer/Telecine


Efeito dominó

Outra vítima da situação que Renato cria é a sua namorada no longa, Janaína, que busca intensamente por amor e romance. Em um dos rascunhos enviados, estava um e-mail endereçado a ela sobre o desejo de terminar o relacionamento dos dois. A carta também revelava a nova paixão do protagonista: Daniella.

Ao ler a carta, Janaína segue para o apartamento de Renato e dá um tapa em seu rosto assim que ele abre a porta. Kéfera conta que treinou a cena várias vezes desde a primeira diária do ensaio. “Eu sou toda desesperada, com medo de machucar as pessoas. E aí, o Nicolas me mandava bater de verdade, bater com força. Ele dizia: ‘Pode bater, dá um tapa na cara’. Aí, a gente gravou isso algumas vezes porque a minha mão ia sempre meio mole (risos)”, contou.

Depois dessa cena no longa, Renato tenta apaziguar a situação e, para provar que o e-mail fora um engano, pede Janaína em casamento. A atriz, inclusive, passou por situações parecidas na vida pessoal, mas garantiu levar a experiência como aprendizado. “A gente não pode acreditar que todos os relacionamentos serão ruins”, concluiu.

Com uma comédia sobre um assunto comum em sessões de terapia, Pronto, Falei demonstra exatamente isso, que a solução para a maioria dos nossos problemas vem por meio da comunicação.

Aproveite e assista ao trailer de Pronto, Falei:

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.