PUBLICIDADE

Publicidade

Magic Paula deixa cargo de vice-presidente da Confederação Brasileira de Basquete

A ex-atleta alegou que a renúncia se deu devido a razões particulares; a direção do basquete feminino ficará com Guy Peixoto Jr, presidente da CBB

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Maria Paula Gonçalves, mais conhecida pelo apelido Magic Paula, optou por deixar o cargo de vice-presidente de Confederação Brasileira de Basketball nesta semana, conforme anúncio oficial feito nesta sexta-feira, 16. A ex-atleta informou que a renúncia se dá por razões particulares que a impediriam de exercer a função em tempo integral.

PUBLICIDADE

“Quero agradecer a Magic Paula por todo o seu empenho e dedicação integral nesse período em que esteve conosco na CBB. Paula é a responsável direta por avanços no feminino, nas categorias de base, em projetos de formação de novos profissionais para trabalhar com o basquete feminino, como o Adelante. Além dos resultados em quadra. Plantou sementes que, tenho certeza, darão frutos para o basquete brasileiro. É uma amiga que ganhei na vida. Meu muito obrigado por tudo que fez dentro e fora das quadras pelo basquete brasileiro”, afirmou, em nota, Guy Peixoto Jr, presidente da CBB.

Peixoto Jr assumirá todas as funções da presidência da confederação, assim como a direção do basquete feminino, até que um novo nome seja indicado ao cargo deixado por Magic Paula.

Magic Paula optou por deixar a vice-presidência da CBB, alegando falta de tempo para exercer a função integralmente Foto: Luciana Prezia/ Divulgação

Durante sua permanência na vice-presidência da CBB, desde 2021, Magic Paula trabalhou para o início do Projeto Adelante, projeto que busca ampliar a participação da mulher no basquete, e a seleção feminina conquistou medalha de bronze da Copa América em 2021. Porém, o time não conseguiu se classificar para o Mundial e ficou de fora dos Jogos Olímpicos de Tóquio. Já as seleções de base subiram ao pódio nos torneios Sul-Americanos sub-15, sub-17 e sub-18.

Cinco anos antes de ocupar o cargo na confederação, Magic Paula era crítica do órgão e chegou a dizer que só se candidataria à CBB “se fosse louca”. Em sua carreira, Magic Paula acumula conquistas importantes para o basquete brasileiro. A ex-armadora foi medalhista olímpica, mundial e pan-americana.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.