Foto do(a) blog

Provas de rua de A a Z

Kelvin Kiptum quebra o recorde mundial da maratona em Chicago

Atleta do Quênia estabeleceu a marca de 2:00:35

PUBLICIDADE

Foto do author Silvia Herrera
Por Silvia Herrera
Atualização:

Na manhã deste domingo, 8 de outubro, o fundista queniano Kelvin Kiptum (Nike) quebrou o recorde mundial da maratona. Ele cruzou a linha de chegada da Bank of America Chicago Marathon (EUA) com o tempo de  2:00:35; trinta e quatro segundos mais rápido que a marca anterior, do também queniano, a lenda do atletismo, Eliud Kipchoge (2:01:09/Berlim/2022). No feminino, a holandesa Sifan Hassan (Nike/Team GSC) venceu com o tempo de 2:13:44, o que dá a ela o título de segunda mais rápida do mundo. Na Maratona de Berlim, a etíope Tigst Assefa (adidas) estabeleceu o novo recorde mundial da modalidade: 2:11:53. Tanto Chicago como Berlim fazem parte do circuito Majors Marathons, que tem a melhor premiação em dinheiro.

 

 Foto: Kelvin Kiptum/World Athletics/Getty Images

PUBLICIDADE

Kiptum venceu em Chicago com uma larga vantagem, mais de três minutos do segundo colocado Benson Kipruto (2:04:02). O terceiro foiBashir Abdi com o tempo de 2:04:32."Meu objetivo era quebrar o recorde do percurso, mas veio  o mundialestou muito feliz", disse Kiptum para a assessoria de imprensa da World Athletics. "Um recorde mundial não estava em minha mente, mas eu sabia que um dia poderia ser o recordista mundial."

Chicago foi a apenas terceira maratona de Kiptum e a segunda do ano. Geralmente os fundistas da elite optam por disputarem duas maratonas por ano, uma no primeiro semestre e uma no segundo. Em abril, ele correu a Maratona de Londres e foi o campeão com o tempo de 2:01:25. A primeira maratona dele foi em Valência (Espanha), em dezembro de 2022, que finalizou com o tempo de 2:01:53. A nova marca deve ser ratificada em breve pela World Athletics.

 

 Foto: Sifan Hassan/arquivo pessoal

Chicago foi a segunda maratona de Sifan, que escreveu em seu Instagram: "O primeiro pelotão decolou em um ritmo alucinante, mas eu queria me juntar a ele e sofri muito nos últimos cinco quilômetros. Mas, nossa, ganhei novamente na minha segunda maratona em um tempo fantástico, não poderia estar mais feliz."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.