PUBLICIDADE

Publicidade

Como a China fez Ding Liren seu primeiro campeão mundial de xadrez após achar o jogo decadente

Atleta superou Ian Nepomniachtchi, da Rússia, na série de desempate e comprovou a ascensão do país asiático no tabuleiro; antes, era proibido praticar o esporte no país

PUBLICIDADE

Por Dylan Loeb McClain, New York Times

O xadrez é considerado o jogo final do cálculo frio e lógico, mas também é um jogo de paixão e, no nível mais alto, de nervosismo. Isso ficou claro no fim de semana, quando a partida do campeonato mundial em Astana, no Cazaquistão, terminou com Ding Liren, o novo campeão, sentado a uma mesa sozinho em um teatro escuro, com a cabeça entre as mãos, chorando de alegria.

PUBLICIDADE

A vitória de Ding veio em um final de jogo rápido, tenso e emocionante contra Ian Nepomniachtchi, da Rússia, e somente após três semanas de disputa em ritmo mais lento que não conseguiram produzir um vencedor. O resultado fez de Ding o primeiro homem da China, uma potência em ascensão no xadrez, a conquistar o campeonato mundial, impedindo simultaneamente a Rússia, que domina o jogo há um século, de recuperá-lo.

A partida de Ding contra Nepomniachtchi foi decidida em uma série de quatro duelos de desempate necessários depois que a parte regulamentar da partida, 14 jogos clássicos cansativos, terminou empatada. Cada jogador venceu três jogos na parte regulamentar; os outros oito terminaram empatados.

Ding Liren se tornou o primeiro de seu país a conquistar o mundial de xadrez e impediu que a Rússia volta a ser campeã neste fim de semana Foto: EFE/EPA/RADMIR FAHRUTDINOV

Os desempates, todos disputados no domingo, foram jogos mais rápidos em que cada jogador tinha 25 minutos no início, com 10 segundos adicionais a cada jogada. Os três primeiros confrontos foram empates, mas cada um foi muito tenso e muito disputado. No Jogo 4, Nepomniachtchi, movimentando as peças brancas, repetiu a abertura que havia tentado na segunda partida do desempate. No movimento 13, ele tentou uma nova ideia, mas Ding - capitalizando seus defeitos - logo assumiu a vantagem.

Ainda assim, o jogo parecia caminhar para o empate quando o russo Nepomniachtchi, com mais tempo restante no relógio, decidiu complicar o jogo para ver se conseguia forçar Ding a cometer um erro. Em vez disso, foi Nepomniachtchi quem quebrou, cometendo erros críticos que permitiram que Ding assumisse o controle. Nepomniachtchi renunciou no movimento 68.

Foi a primeira e única vez que Ding liderou a disputa do campeonato. Ele ganhou US$ 1,1 milhão por sua vitória, enquanto Nepomniachtchi embolsou US$ 900 mil como vice-campeão.

A vitória de Ding gerou ondas nas mídias sociais chinesas, com uma hashtag relacionada ao novo campeão acumulando rapidamente mais de 10 milhões de visualizações no Weibo, uma plataforma semelhante ao Twitter. Os usuários chineses, cheios de orgulho e alívio após três semanas cheias de ansiedade, comemoraram o campeonato, embora alguns admitissem sua ignorância sobre como jogar xadrez. Quase todos concordaram, porém, com o peso do momento. “Nós, chineses, subimos ao estágio mais alto do xadrez”, escreveu um comentarista. “Ding Liren é o orgulho da China.”

Publicidade

Magnus Carlsen

A partida foi ofuscada desde o início pela ausência de Magnus Carlsen, o grande mestre norueguês que detinha o título mundial desde 2013. Carlsen optou voluntariamente por abrir mão da coroa em julho passado porque estava cansado e entediado de se preparar para as partidas, um processo que leva meses.

Há muito tempo Carlsen critica a duração dos jogos para o que é conhecido como campeonato mundial clássico. Cada partida pode levar horas. Nos últimos anos, quando os jogadores puderam se preparar antecipadamente com computadores, muitas vezes os jogos terminam sem um resultado decisivo. Por exemplo, o jogo 14 no sábado, um dia antes do desempate, durou quase sete horas e terminou empatado.

Ding Liren evitou a retomada do título mundial pela Rússia e entrou para a história da China com a conquista Foto: AP Photo/Stanislav Filippov

Para os fãs e patrocinadores em potencial, isso pode tornar o maior evento do xadrez menos emocionante. A partida em Astana não teve esse problema — quase metade dos jogos terminou em vitórias —, mas isso não mudou a opinião de Carlsen. Em um podcast em 28 de abril na NRK, a maior empresa de mídia da Noruega, Carlsen disse: “Fala-se muito agora que este campeonato mundial prova que o xadrez clássico está indo bem e tudo mais. Tenho de admitir que não compro nada disso”, disse.

Ele explicou que Nepomniachtchi e Ding se arriscaram muito nas fases iniciais dos jogos do campeonato, mas isso foi atípico. Em suas lutas, disse Carlsen, isso não acontecia porque seus oponentes tinham medo dele e tentavam limitar o risco. O resultado, ele argumentou, foi que os jogos não eram interessantes.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Hikaru Nakamura, cinco vezes campeão dos Estados Unidos, sugeriu em uma transmissão ao vivo recente que não importava quem venceu o confronto Ding-Nepomniachtchi. “O campeão mundial não será tratado como um campeão mundial”, disse ele. “Não me importo se Nepomniachtchi vencer. Não me importo se Ding vencer. Ambos serão muito merecedores de vencer a partida. Mas isso não os tornará campeões mundiais no livro de ninguém.”

Plano do Grande Dragão

O triunfo de Ding foi significativo tanto para a China quanto para a Rússia. Os russos dominaram o xadrez durante a maior parte do século passado, em parte um legado da União Soviética, que promoveu a supremacia no jogo como prova de sua superioridade sobre o Ocidente. A China, em vez de abraçar o jogo por motivos semelhantes, rejeitou-o porque era popular no que considerava o Ocidente “decadente”. Durante oito anos, durante a Revolução Cultural da década de 1960, o jogo foi proibido.

A percepção do xadrez na China começou a mudar depois que Xie Jun venceu o Campeonato Mundial Feminino em 1991, tornando-se a primeira mulher não russa e não georgiana a deter o título. Isso desencadeou um frenesi de atividades patrocinadas pelo Estado destinadas a cultivar jogadores de elite, um projeto conhecido coletivamente por um título grandioso, “Plano do Grande Dragão”.

Publicidade

As escolas chinesas criaram clubes de xadrez e as instituições de treinamento e torneios proliferaram. No ano passado, o governo chinês revelou um novo plano de dez anos para desenvolver a próxima geração de prodígios do país. O compromisso da China já deu resultados. Uma sucessão de mulheres depois que Xie venceu o Mundial, permitindo que a China mantivesse o título na maior parte dos últimos 32 anos. A atual titular é Ju Wenjun, que se sagrou campeã em 2018. Ela enfrentará a compatriota Lei Tingjie, em partida em julho, garantindo que o título feminino fique nas mãos dos chineses.

A China também produziu alguns jogadores masculinos muito bons nos últimos anos, com meia dúzia chegando ao top 20 no ranking mundial em um momento ou outro. Mas Ding tem sido de longe o melhor deles. Nascido em Wenzhou um ano após a vitória de Xie, ele foi ensinado a jogar xadrez por seu pai, um aficionado por xadrez, quando tinha quatro anos. Ele começou a competir em torneios logo depois e conquistou seu primeiro título nacional aos cinco anos. Ganhou destaque internacional em 2009, aos 16 anos, quando se tornou o campeão nacional da China. Ele ganhou o título novamente em 2011 e 2012.

Ele foi classificado como o número 2 do mundo e é o único jogador chinês a alcançar uma classificação, o sistema de pontos usado para classificar os jogadores, de mais de 2.800.

Ding Liren entrou para a história da China e ganhou mais de um milhão de dólares com a conquista Foto: REUTERS/Vladislav Vodnev

O caminho de Ding até o título foi repleto de obstáculos. A pandemia e o isolamento da China o obrigaram a parar de competir, mas para disputar o torneio de candidatos no ano passado - requisito para selecionar um desafiante para a disputa do campeonato -, ele precisava ter disputado um número mínimo de competições. A Federação Chinesa de Xadrez interveio para organizar três torneios no início do ano passado para permitir que ele satisfizesse o requisito.

No torneio de candidatos, realizado em junho e julho em Madri, Ding terminou em segundo, atrás de Nepomniachtchi. Normalmente, isso teria apenas qualificado Nepomniachtchi para jogar pelo título contra Carlsen. Mas depois que Carlsen se recusou a jogar, Ding se tornou o outro desafiante.

A derrota foi esmagadora para Nepomniachtchi. Nascido no mesmo ano que Carlsen, e muitas vezes chamado de resposta da Rússia ao grande mestre norueguês, ele foi ofuscado por seu rival por anos. Nepomniachtchi jogou contra Carlsen pelo título mundial em 2021 em Dubai, mas depois de começar bem ao empatar as cinco primeiras partidas, desmaiou e perdeu em um dos resultados mais desiguais da história do evento. A partida deste ano, com Carlsen afastado, foi uma oportunidade de ouro para ele.

Na coletiva de imprensa depois, com membros da família de Ding e Xie, a primeira campeã chinesa, Ding foi questionado se a partida foi um dos momentos culminantes de sua vida. Ele lutou para explicar seus sentimentos. “A partida”, ele finalmente respondeu, “refletiu o mais profundo da minha alma”.

Publicidade

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.