PUBLICIDADE

Após 16 anos, Kaká ainda é o último brasileiro eleito melhor do mundo; relembre prêmio e carreira

Meia revelado pelo São Paulo superou Messi e Cristiano Ronaldo para se consagrar o jogador do ano de 2007; desde então, Neymar foi o mais próximo de repetir o feito; ex-atleta faz curso de gestão para encarar nova carreira

Foto do author Róbson Martins
Por Róbson Martins
Atualização:

Há exatos 16 anos, Kaká era eleito o melhor jogador do mundo pela Fifa, e dava enorme alegria ao torcedor brasileiro. Ele seguia os passos de uma linhagem de atletas brasileiros que tinha Rivaldo, Romário, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho, por exemplo. Na disputa, o meia-atacante do Milan, com 25 anos, superou Lionel Messi e Cristiano Ronaldo, que viriam a se revezar pela honraria na década seguinte. Último brasileiro a alcançar esse feito, Kaká recebeu o prêmio das mãos do então presidente da entidade, Joseph Blatter, e do Rei Pelé.

O primeiro lugar no Fifa World Player Of The Year foi conquistado graças à temporada espetacular que Kaká fez com o clube italiano, sobretudo no título da Liga dos Campeões 2006/07. Por sinal, naquele ano, Kaká também levou para casa a Bola de Ouro, os troféus de melhor jogador da Uefa e do Mundial de Clubes, entre outros.

O ex-meia revelado pelo São Paulo faz parte da lista seleta de brasileiros que já foram eleitos o melhor do mundo pela Fifa. Ele está ao lado de Romário (1994), Ronaldo (1996, 1997 e 2002), Rivaldo (1999) e Ronaldinho Gaúcho (2005). Desde então, nenhum atleta do País conseguiu alcançar essa posição. Neymar foi quem chegou mais perto, em 2015 e 2017, quando ficou em terceiro lugar. Vinícius Júnior tem sido preterido das listas.

São Paulo x Milan, em comemoração aos 30 anos do bi mundial em 1993. Foto: Divulgação/Milan

Com a seleção brasileira, Kaká defendeu a amarelinha em três edições da Copa do Mundo, tendo conquistado a taça em 2002, no Japão e Coreia do Sul. Além disso, também foi campeão da Copa das Confederações em duas oportunidades: 2005 e 2009.

Retorno ao São Paulo e aposentadoria

PUBLICIDADE

Kaká trocou o Milan pelo Real Madrid em 2009, onde venceu o Campeonato Espanhol, a Copa do Rei e a Supercopa da Espanha. Sua chegada a Madri foi um acontecimento. Após uma breve volta ao time italiano, o jogador se juntou ao Orlando City, dos Estados Unidos, mas acabou sendo emprestado ao São Paulo, onde foi calorosamente recebido como ídolo, deixando uma marca significativa na história.

Após sua aposentadoria em 2017, o craque se dedicou em sua formação como treinador, concluindo o curso da CBF em maio deste ano. Ele também realizou um estágio no Soberano em 2021, participando dos treinos comandados por Rogério Ceni. Recentemente, Kaká reencontrou o clube que o revelou em jogo comemorativo pelos 30 anos do bicampeonato mundial. Na partida, que contou com a presença de ícones do São Paulo e do Milan, Kaká e Cafu atuaram por ambas as equipes, proporcionando um emocionante tributo ao passado glorioso do Tricolor Paulista.

O jogador teve começar a fazer um trabalho de treinador nesta temporada, não ainda como principal, mas ao lado de outros da função. Ele não deve começar no São Paulo, mas pode passar pelo clube ao lado de Dorival Júnior. O São Paulo sempre deixou as portas abertas para o craque.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.