PUBLICIDADE

Publicidade

Arce troca o Palmeiras pelo Japão

Após cinco anos, o paraguaio está deixando o Palmeiras, para jogar no Gamba Osaka. "Recebi uma proposta irrecusável, no aspecto profissional e familiar??, alegou.

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

A torcida do Palmeiras terá de acostumar-se com Neném na lateral-direita. Arce, dono da posição nos últimos cinco anos, anunciou hoje que jogará no Japão. Assinou contrato de 11 meses com o Gamba Osaka. Mustafá Contursi não criou nenhum problema para liberar o jogador paraguaio que tinha contrato com o clube até o final de dezembro. "Havia a chance de ficar no Palmeiras mas pela primeira vez, nesses últimos cinco anos, agi mais com a razão do que a emoção", disse Arce, hoje, na despedida do clube paulista. Contratado em 1998, a pedido do técnico Luiz Felipe Scolari, o lateral foi fundamental nas conquistas da Copa do Brasil (1998), Copa Mercosul (98), Libertadores (99), Torneio Rio-São Paulo (2000) e a Copa dos Campeões (2000). A história da transferência ao Gamba Osaka começou em meados de dezembro do ano passado quando recebeu uma oferta de US$ 2 milhões para assinar contrato de 11 meses. "Foi a primeira proposta que recebi que preenchia os requisitos familiar e financeiro. Já houve outras chances de sair mas não como essa de agora. Vou poder ficar próximo dos meus filhos, dar uma educação melhor e tranqüilidade à minha mulher". Arce disse que o fato de o Palmeiras ter sido rebaixado à Segunda Divisão do Campeonato Brasileiro não interferiu na sua saída do Parque Antártica. "Essa situação da transferência para o Japão se apresentou depois de o time ser rebaixado. Para mim, não seria um desconforto disputar a Segunda Divisão. Queria muito ajudar o Palmeiras a voltar à Primeira Divisão". O lateral paraguaio deve embarcar na quinta-feira para o Japão ao lado de Galeano, seu ex-companheiro de Palmeiras que também foi contratado pelo Gamba Osaka. Na despedida, hoje, agradeceu aos amigos que conquistou nos últimos oito anos, desde que trocou o Paraguai para jogar no Brasil. "Na minha passagem pelo futebol brasileiro ficaram marcados os títulos que ajudei a conquistar (Grêmio e Palmeiras) e a participação no elenco que foi rebaixado à Segunda Divisão (Palmeiras)". Mustafá Contursi já dava como certa a saída de Arce desde o final do ano passado. O presidente do clube avisou o técnico Jair Picerni que procurasse um novo lateral-direito. Picerni indicou Mancini, do Atlético Mineiro, com quem havia trabalhado no primeiro semestre de 2002 no São Caetano. "Houve uma negociação com o Mancini, jogador que nos intressava, mas parece que não foi possível um acerto financeiro. O Mancini, parece, pediu acima do que o clube estava oferecendo", revelou Picerni, domingo, em um program de televisão. O treinador conta na lateral-direita com Neném, de 28 anos, que estava emprestado ao Goiás e o jovem Pedro, 20 anos, promovido das categorias de base do Parque Antártica. "Com a saída do Arce, vou ter mais chance. A responsabilidade aumenta também", disse Neném, autor de sete gols, a maioria de faltas, com a camisa do Goiás no último Campeonato Brasileiro. Reforços - Em busca de um zagueiro - Picerni não deve esperar pela contratação de um lateral-direito. A prioridade é um zagueiro, um meio-campista e mais um atacante. "Até o final da semana, espero, teremos novidades. Aguardo os reforços", comentou o treinador. Contursi prometeu a Picerni novos jogadores mas deve contratar apenas um zagueiro. O presidente tem de resolver o caso de Tiago Mathias, que estava emprestado ao Ituano. O zagueiro se desentendeu com a comissão técnica do time de Itu e seria devolvido ao Palmeiras. Ele não é o beque dos sonhos de Jair Picerni. O técnico quer um jogador experiente para jogar ao lado de Índio. Na estréia no Campeonato Paulista, domingo, contra o Mogi Mirim no Parque Antártica, a dupla de zaga será formada por Leonardo e Índio.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.