PUBLICIDADE

Publicidade

CBDA fecha parceria com o Pacaembu para uso da piscina olímpica

Entidade assina com a concessionária do estádio para, no futuro, usar o espaço para competições estaduais e nacionais

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) assinou nesta terça-feira, 11, um acordo com a Allegra, concessionária responsável pela administração do Pacaembu, para o uso da piscina olímpica do complexo. A expectativa é de que, após as obras, a estrutura receba competições estaduais e nacionais de natação, nado artístico e polo aquático.

PUBLICIDADE

Há ainda a previsão de parceria para recuperação de atletas da seleção brasileira no centro de medicina esportiva que existirá dentro do edifício multifuncional em fase de construção. “Seguimos buscando parcerias com confederações dos mais diversos esportes para que o Pacaembu seja cada vez mais plural. Estamos honrados em firmar mais um acordo visando o incentivo ao esporte”, explica Eduardo Barella, CEO da Allegra Pacaembu.

A CBDA também pretende utilizar a piscina do Pacaembu para realizar projetos sociais via Lei de Incentivo ao Esporte, a exemplo do que já fazem em outros estados brasileiros. Em março desse ano, a CBDA e a Federação Aquática Capixaba (FAC) lançaram, em parceria, o projeto social Todos Pela Natação: Só Para Elas. A iniciativa é gratuita, focada na prevenção ao afogamento e destinada a meninas a partir dos seis anos. A ideia é que, com a estrutura do Pacaembu disponível, a entidade possa replicar esse modelo de ação no Estado de São Paulo.

CBDA usará a piscina olímpica do Pacaembu para competições no futuro Foto: Felipe Rau / ESTADÃO CONTEÚDO

“O termo de parceria é muito bom para a CBDA e, consequentemente, para os atletas e praticantes das modalidades aquáticas no Brasil. Será mais uma piscina que poderemos usar para competições, eventos e projetos, no coração da maior cidade da América Latina”, disse Renato Cordani, vice-presidente da CBDA.

É a segunda parceria do tipo acertada pela Allegra Pacaembu. Na semana passada, a Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) assinou um termo de intenções que prevê o uso da pista de atletismo, que será novamente instalada no complexo, por atletas desde o nível estudantil, passando por categorias de base, até o profissional. Além disso, há a previsão de parceria para recuperação de atletas no centro de medicina esportiva do Hospital Albert Einstein, que ficará no edifício multifuncional dentro do Pacaembu.

A concessionária Allegra assinou o contrato com a Prefeitura de São Paulo para administrar o Pacaembu por 35 anos em setembro de 2019 e começou a operar o complexo em janeiro do ano seguinte. As obras de reforma, modernização e restauro começaram na metade de 2021. A previsão é de que o tradicional estádio paulistano seja reinaugurado no fim de janeiro do ano que vem.

O novo Pacaembu não terá alambrado, a grama será sintética e o espaço não será mais restrito a partidas de futebol e a apresentações musicais. Está nos planos dos administradores da arena que ela seja uma das sedes da Copa do Mundo de futebol feminino de 2027, caso o Brasil seja escolhido o país-sede do Mundial, como revelou o Estadão recentemente.

Publicidade

A ideia da empresa é tornar o Pacaembu um espaço multiuso, ampliando áreas monetizáveis para gerar retorno financeiro com o negócio à Allegra. Segundo Barella, em 2024, o estádio vai receber 450 eventos, considerando todas os sete espaços reservados para eventos que o conjunto vai abrigar, desde o salão nobre, passando pelo centro de convenções, até o campo, com capacidade para 40 mil pessoas em apresentações musicais. Estão previstos 80 shows e ao menos 20 partidas de futebol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.