PUBLICIDADE

Corinthians em crise: veja 10 caminhos para o time sair da má fase e tentar evitar queda no Paulista

Equipe do Parque São Jorge vive momento ruim dentro e fora de campo, com risco de não se classificar às quartas do Paulistão e equívocos de gestão da diretoria

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O Corinthians iniciou 2024 vivendo momento ruim dentro e fora de campo. O time do Parque São Jorge perdeu cinco das seis primeiras rodadas do Campeonato Paulista, algo que não acontecia desde 1932. O time está em último em sua chave no Estadual, correndo risco de não se classificar às quartas de final e perder até mesmo uma vaga na Copa do Brasil. Está também e penúltimo na classificação geral, na zona de rebaixamento.

A nova diretoria, liderada pelo presidente Augusto Melo, foi eleita prometendo um choque de gestão e um comando diferente do grupo de Andrés Sanchez, que comandou o Corinthians por 16 anos. Porém, os novos dirigentes já estão sendo criticados pelos corintianos com apenas um mês à frente do clube por causa de decisões duvidosas, que passam pela escolha do novo treinador e ruídos na comunicação com a torcida. Veja abaixo dez caminhos para o clube sair da má fase e afastar a crise.

1 - Rescisão de Mano Menezes

O Corinthians decidiu encerrar a terceira passagem de Mano Menezes na segunda-feira, dia 5. A Federação Paulista de Futebol (FPF) determina que para um clube inscrever um novo treinador no Paulistão, este deverá “comprovar a quitação ou formalização do acordo de rescisão trabalhista do profissional dispensado”. O problema é que o clube diverge de Mano quanto ao valor da multa rescisória. O contrato com a equipe alvinegra, firmado na gestão de Duílio Monteiro Alves, ia até o fim de 2025. Os representantes de Mano entendem que ele deve receber a quantia integral referente aos salários até o fim do vínculo, somando aproximadamente R$ 20 milhões.

Mano Menezes ao lado de dirigentes do Corinthians. Treinador foi demitido ainda no primeiro mês de 2024.  Foto: Rodrigo Coca/Agência Corinthians

2 - Chegada de António Oliveira

O clube trabalha para agilizar a chegada de António Oliveira, técnico do Cuiabá. O português está no Brasil há quatro temporadas e acumula trabalhos no Coritiba e Athletico Paranaense, além de ter sido auxiliar técnico na breve passagem do compatriota Jesualdo Ferreira no Santos. O treinador já afirmou que se sente feliz no comando do time mato-grossense e só sairia se a oferta for boa tanto para ele quanto para o clube. A multa rescisória está estipulada em R$ 1,1 milhão.

3 - Ajustar o setor defensivo

PUBLICIDADE

Em seis jogos na temporada, o Corinthians já levou oito gols — média de 1,3 gol por partida. Na pior derrota até o momento, o time foi batido por 3 a 1 pelo Novorizontino, em casa, em jogo que definiu a demissão de Mano. O clube tinha a intenção de continuar com Lucas Veríssimo, mas não pagou o valor de R$ 43 milhões acordado com o Benfica e o jogador foi vendido pelo clube português ao Al-Duhail, do Catar.

Assim, o time precisou acelerar a estreia de Félix Torres, da seleção equatoriana, que busca entrosamento com os novos companheiros. O defensor já teve a companhia de Caetano e Raul Gustavo, mas a diretoria procura mais um atleta para reforçar a zaga — recém-contratado, Gustavo Henrique ainda não estreou. Nas laterais, Hugo vem sendo elogiado na esquerda, enquanto Fagner, na direita, não está sendo poupado de críticas pela torcida. O Corinthians está próximo de anunciar Matheuzinho, do Flamengo, e espera resolver o problema na posição.

4 - A questão Yuri Alberto

Comprado por 16 milhões de euros junto ao Zenit no ano passado, Yuri Alberto chegou ao Corinthians como a esperança de repetir a fase artilheira que o consagrou no Internacional. Porém, o atacante não se firmou com nenhum treinador na última temporada e passou a ser questionado pelos torcedores. O camisa 9 tem 27 gols em 98 partidas pelo time do Parque São Jorge. Apesar de começar 2024 como titular, a diretoria entendeu que precisava ir atrás de um outro centroavante e acertou a contratação de Pedro Raul, ex-Botafogo, Goiás e Vasco, por R$ 25 milhões.

Publicidade

O Corinthians chegou a receber oferta de 15 milhões de euros (R$ 80,5 milhões) do West Ham, da Inglaterra, por Yuri Alberto, mas recusou por considerar o valor baixo. Com a nova comissão técnica, o jogador poderia ser aproveitado jogando até mesmo lado de Pedro Raul, como um segundo atacante, aproveitando sua velocidade para se movimentar e puxar a marcação, abrindo espaço para o companheiro.

5 - Classificação no Paulistão

Apesar do início ruim no Paulistão, o Corinthians ainda tem mais seis rodadas para buscar a classificação para as quartas de final. O grupo conta com o líder isolado Red Bull Bragantino, com 10 pontos, Mirassol, com 6, e Inter de Limeira, com 4. Como as equipes de um mesmo grupo não se enfrentam nesta fase, o Corinthians, com 3 pontos, terá de fazer a sua parte e ficar na torcida para os concorrentes tropeçarem.

O time pode voltar à zona de classificação já na próxima rodada. Basta uma vitória sobre a Portuguesa, em casa, um tropeço da Inter de Limeira diante do Botafogo de Ribeirão Preto e uma derrota do Mirassol, em casa, para o Santos — a vaga na Copa do Brasil de 2025 está condicionada a uma ida às quartas. Para sair da zona de rebaixamento na classificação geral, um resultado positivo no confronto direto com a Lusa já é suficiente.

6 - Aposta em destaques da Copinha

O 11º título do Corinthians na Copa São Paulo de Futebol Júnior mostrou que alguns dos destaques da vitoriosa campanha têm condições de qualificar o elenco e esquentar a briga entre os titulares. É o caso do meia Breno Bidon, o ponta-esquerda Kayke e o centroavante Arhur Sousa. Este último foi o artilheiro da equipe na Copinha e fez seu primeiro gol como profissional no clássico com o São Paulo.

7 - Aproveitamento melhor na Neo Química Arena

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

O Corinthians se acostumou a ter a Neo Química Arena como trunfo, mas o fator casa não tem sido determinante neste início de temporada. Das cinco derrotas sofridas neste Paulistão, duas ocorreram na casa corintiana, incluindo o revés por 2 a 1 para o São Paulo, o primeiro diante do rival tricolor desde a construção da arena, inaugurada há dez anos. A única vitória do time alvinegro em 2024 aconteceu em Itaquera, contra o Guarani, por 1 a 0. O próximo duelo em casa será no domingo, dia 11, contra a Portuguesa. O adversário vem mal no Estadual e pode ser uma boa chance de a equipe recuperar a confiança.

8 - O ‘camisa 10′

A derrota no clássico com o Santos, por 1 a 0, marcou a estreia do meia-atacante argentino Rodrigo Garro, destaque do Talleres no país vizinho em 2023. A expectativa pelo jogador era grande, uma vez que o Corinthians carecia de criatividade no setor intermediário e demonstrou pouco repertório nas primeiras partidas. Apesar de início tímido, o jogador não se escondeu, foi aguerrido e mostrou que pode ser uma ilha de luz na escuridão de ideias no meio-campo alvinegro.

A diretoria espera que a nova comissão técnica recupere o futebol de Matías Rojas. O paraguaio de 28 anos foi contratado junto ao Racing em 2023 e recebeu a camisa 10 neste ano. Apesar da boa qualidade técnica, ele vem sendo criticado pelos torcedores pela falta de intensidade e pouca participação nos jogos. O Corinthians busca mais um meia ofensivo e monitora a situação de Igor Coronado, brasileiro que está de saída do Al-Ittihad, da Arábia Saudita.

Publicidade

9 - Cássio

Maior goleiro da história do Corinthians, Cássio é outro que vem sendo questionado pelos torcedores. O desempenho diante do Novorizontino irritou alguns corintianos, que acreditam que o goleiro de 36 anos deva encerrar o seu ciclo no clube. O arqueiro tem a sombra de Carlos Miguel, que está sendo trabalhado para assumir a posição e deu conta do recado quando foi acionado. O Paulistão pode ser uma chance para testar o atleta, que está pedindo passagem.

10 - Boca fechada

O auxiliar Thiago Kosloski, técnico interino do Corinthians, disse após a derrota para o Santos que “a realidade é tirar o Corinthians da zona do rebaixamento” do Estadual. A afirmação vai de encontro ao pensamento do presidente Augusto Melo. Em conversa vazada, o mandatário disse que “se o time passar de fase (no Paulistão), ninguém segura”. A declaração, em um momento de crise, é desnecessária e ajuda a inflamar ainda mais a torcida. No início da temporada, Rubens Gomes já havia dito que 2024 seria o “fim da farra de Flamengo e Palmeiras”, enquanto Augusto Melo cravou o fico de Lucas Veríssimo e informou que a atual patrocinadora, a Vai de Bet, pagaria a rescisão do clube com a Pixbet. Nada disso aconteceu.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.