PUBLICIDADE

Publicidade

Análise|Corinthians leva gol cedo, perde em casa para a Ponte Preta e vive situação dramática no Paulistão

Time de António Oliveira é amplamente superior, mas peca na falta de criatividade para furar o bloqueio adversário, perde por 1 a 0 e vê classificação às quartas de final distante

Foto do author Rodrigo Sampaio
Atualização:

O Corinthians até tentou, mas acabou sendo derrotado pelo Ponte Preta neste domingo, por 1 a 0, na Neo Química Arena, pela décima rodada do Paulistão. O time comandado por António Oliveira levou um gol no início da partida, em falha de Carlos Miguel, e não teve criatividade suficiente para conseguir furar a boa marcação adversária, apesar de ter sido superior durante toda a partida e levar perigo em alguns lances. O gol da vitória campineira foi marcado por Iago Dias, aos cinco minutos do primeiro tempo.

PUBLICIDADE

A derrota freia a reação do Corinthians, que tem somente mais duas rodadas para brigar pela classificação. No Grupo C do Estadual, o time do Parque São Jorge parou nos 10 pontos, quatro a menos do que a Inter de Limeira, em segundo na chave, com 14, e com um jogo a menos. O Bragantino lidera, com 18. Por sua vez, a Ponte chega aos 16 pontos, ultrapassa o Água Santa no Grupo B e vai avançando às quartas de final. Na próxima rodada, o Corinthians recebe o Santo André, enquanto o time campineiro enfrenta o Novorizontino.

A partida marcou o retorno de Yuri Alberto após a ausência do atacante contra o Cianorte, na quarta-feira, pela Copa do Brasil. Ele fraturou a costela diante do Palmeiras. O goleiro Carlos Miguel teve a missão de substituir Cássio, expulso no clássico, e acabou protagonizando o primeiro grande lance do jogo. O arqueiro, promissor e trabalhado para ser o sucessor do ídolo da meta corintiana, rebateu para frente chute forte de Elvis e foi encoberto no rebote, em cabeçada de Iago Dias, que abriu o placar para a Ponte, aos 5 do primeiro tempo. Precisando vencer a qualquer custo, o Corinthians se lançou ao ataque e acabou ficando a mercê de chegadas perigosas do adversário.

Corinthians é derrotado pela Ponte Preta na Neo Química Arena. Foto: Renato Pizzutto/Ag. Paulistão

Conforme o relógio foi passando, o Corinthians foi acuando a Ponte Preta, chegando a ter mais de 75% da posse de bola. O lateral Fagner virou meia, e Ángel Romero saiu da ponta para jogar ao lado de Yuri Alberto tentando aumentar a presença do time na área. Para furar o bloqueio do rival de Campinas, o habilidoso atacante Wesley foi bastante acionado na esquerda e deu trabalho para a marcação, que por vezes se embananou e precisou se desdobrar para evitar o empate. Apesar da superioridade, a equipe de António Oliveira encontrou dificuldades para acertar o alvo, levando realmente perigo ao gol adversário poucas vezes.

O Corinthians iniciou o segundo tempo da mesma forma que terminou a etapa inicial: pressionando bastante e com a mesma dificuldade de converter a superioridade em gol. Buscando melhorar a criação da equipe, António tirou o zagueiro Gustavo Henrique para colocar em campo o meia Matías Rojas — o português também tirou o xodó Romero para colocar Pedro Henrique, gerando insatisfação da torcida. A Ponte abdicou do ataque, limitando-se a dar chutões para o centroavante Jeferson Jeh, único ponte-pretano na frente, e que foi facilmente marcado por Raniele.

O time corintiano aumentou sua presença no ataque após as alterações, mas faltou inspiração de jogadores criativos, como Rodrigo Garro e Rojas, para fazer tabelas e furar a linha defensiva da Ponte. A tônica ‘ataque contra defesa’ se manteve até os últimos minutos, com Yuri Alberto e Félix Torres finalizando com perigo de cabeça, mas a Ponte continuou bem na marcação até o fim e garantiu os três pontos em Itaquera. Após o apito final, a torcida corintiana reconheceu o esforço e aplaudiu o time.

FICHA TÉCNICA

Publicidade

CORINTHIANS 0 X 1 PONTE PRETA

CORINTHIANS - Carlos Miguel; Fagner (Matheuzinho), Félix Torres, Gustavo Henrique (Matías Rojas) e Hugo (Gustavo Mosquito); Raniele, Maycon e Rodrigo Garro; Ángel Romero (Pedro Henrique), Yuri Alberto e Wesley (Guilherme Biro). Técnico: António Oliveira.

PONTE PRETA - Pedro Rocha; Igor Inocêncio, Mateus Silva (Edson), Castro, Nilson Júnior e Gabriel Risso; Léo Naldi, Ramon Carvalho e Elvis (Luiz Felipe); Iago Dias (Renato) e Jeferson Jeh Técnico: João Brigatti.

ÁRBITRO - Matheus Delgado Candançan

GOLS - Iago Dias, aos 5 do primeiro tempo

CARTÕES AMARELOS - Maycon, Gustavo Henrique e António Oliveira (Corinthians); Jeferson Jeh, Luiz Felipe, Igor Inocêncio e Léo Naldi (Ponte Preta)

PÚBLICO - 41.118

Publicidade

RENDA - R$ 2.339.123,50

LOCAL - Neo Química Arena, em São Paulo (SP)

Análise por Rodrigo Sampaio

Repórter de Esportes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.