Publicidade

Crise atinge também o Barcelona

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

O Barcelona, dono de uma carteira de pouco mais de 100 mil sócios, está vendendo terrenos para aliviar a crise financeira. Ainda não é um negócio estrondoso como foi o do Real Madrid que, atolado em dívidas, vendeu seu Centro de Treinamento por US$ 250 milhões há um ano e meio. Mas a situação do Barça é grave a ponto de o clube se desfazer de pedaços de terrenos a um lucro de apenas US$ 16 milhões. A venda foi anunciada na quinta-feira por Enric Reyna, novo presidente do clube catalão. Reyna assumiu o cargo interinamente por causa da renúncia de Joan Gaspart, apontado pelos sócios como um dos principais responsáveis pela situação do Barça. Gaspart caiu na semana passada. ?Saiu como todos, pela porta de trás?, disse Johan Cruyff, ex-treinador e tratado como reserva moral do Barcelona. Gaspart havia atolado junto com o treinador holandês Louis Van Gaal, no momento em que o time patinava nas últimas colocações do Campeonato Espanhol. Reyna assumiu e uma das primeiras medidas foi a venda de terrenos. O negócio faz parte de uma complicada engenharia para saldar uma dívida que supera a casa dos US$ 230 milhões. Reyna disse na cerimônia de posse na presidência que havia vendido, por US$ 16 milhões, 14.127 metros quadrados do terreno destinado à construção do Centro de Treinamento do Barcelona. O dinheiro dos terrenos seria usado para compensar parte do prejuízo de 26% do orçamento de US$ 154,2 milhões da temporada 2002/2003. Outra receita para aliviar as despesas foi a tradicional venda de jogadores. Por um total de US$ 25,6 milhões foram negociados Petit, Zenden, Simão e Arteta. Reyna admitiu que ainda pode vender mais terrenos do CT para equacionar a dívida do clube. Mas o problema será transferido ao novo presidente, que será eleito em junho. Fora dos gabinetes e dentro dos vestiários a crise é outra. O time estacionou no 11º lugar, com 27 pontos no Campeonato Espanhol. Na Copa dos Campeões da Europa, a situação é mais do que confortável: 100% de aproveitamento em 11 jogos, bem próximo de uma das vagas nas quartas-de-final. A corrida é pelo título europeu que, além de prestígio, deve render ao clube cerca de US$ 50 milhões. No Campeonato Espanhol, o objetivo é garantir pelo menos uma vaga na Copa da Uefa, torneio secundário na Europa mas que sempre proporciona um pequeno lucros aos clubes. Na Liga dos Campeões, o Barça enfrenta a Inter, quarta-feira, em Milão. No Espanhol, o desafio é contra o Betis, neste sábado, no Camp Nou (transmissão da ESPN Internacional, 17h30, ao vivo). ?A torcida deve entender que cada partida é diferente. Se há uma boa vontade dos atletas, os torcedores saberão valorizar. Cada jogador deve saber vestir esta camisa de uma forma digna?, disse Radomir Antic, técnico que assumiu o time depois da demissão de Louis Van Gaal há 15 dias. Antic pediu à torcida um pouco mais de tranqüilidade. Ressaltou que não se pode ir ao Camp Nou neste sábado com a mesma euforia que os torcedores mostraram depois da vitória por 3 a 0 contra a Inter de Milão, quarta-feira, pela Copa dos Campeões. E não admitiu vingança contra o Betis, que no primeiro turno goleou o Barça por 3 a 0. ?Não temos de entrar nos jogos com esse sentimento. Necessitamos de tranqüilidade e temas como vingança mudam o comportamento da torcida e dos jogadores. Isso é a última coisa que eu quero? disse Antic. O Betis, sexto colocado, não terá Marcos Assunção, machucado. ?Olhando as estatísticas do Betis se vê que Assunção é um jogador fundamental para o time. Decidiu várias partidas com seus gols, não só de falta. É um líder em campo?, comentou o treinador do Barça. Denílson está escalado. O time de Sevilha não vence o Barcelona no Camp Nou há cinco anos.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.