PUBLICIDADE

‘Defesa frágil’ e ‘argumentos terríveis’: Daniel Alves deve ser condenado, diz imprensa europeia

Jornais da França foram os mais incisivos no momento de noticiar as alegações feitas pela advogada do jogador brasileiro, acusado de cometer estupro contra um mulher em Barcelona

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

As audiências do julgamento de Daniel Alves, acusado de estuprar uma mulher em boate de Barcelona, tiveram forte repercussão na imprensa europeia. O jornal francês Le Parisien, por exemplo, publicou uma matéria com o título “A frágil defesa de Daniel Alves”, após o último dia de depoimentos ao Tribunal de Barcelona, quarta-feira. O texto assinado por François David, correspondente do periódico na Espanha, classifica como “terríveis” os argumentos apresentados pela advogada do brasileiro, Inés Guardiola.

PUBLICIDADE

Já o diário esportivo L’Equipe, também da França, onde o jogador defendeu as cores do PSG, escreveu que “há poucas chances” de que o brasileiro seja absolvido, como pede a sua defesa. Como pena alternativa à absolvição, Guardiola propôs um ano de prisão, período já cumprido de forma preventiva, e multa de 50 mil euros.

Os atenuante indicados pela advogada são o consumo de álcool, reparação de danos e violação de direitos fundamentais por suposta parcialidade no processo judicial. A acusação privada contratada pela vítima pede a pena máxima de 12 anos de prisão e o Ministério Público, nove. De acordo com o jornal espanhol Marca, a juíza Isabel Delgado Pérez tem até 20 dias, contados a partir desta quinta-feira, para tomar uma decisão sobre o caso.

Daniel Alves no banco dos réus na Espanha em julgamento por agressão sexual. Foto: David Zorrakino/AFP

“Alves estava tão embriagado a ponto de não se lembrar mais dos detalhes de sua relação com a suposta vítima?”, questionou o L’Equipe em seu texto. A embriaguez do jogador foi citada diversas vezes pela defesa e por testemunhas como Bruno Brasil e Joana Sanz, amigo e mulher de Daniel, respectivamente. O atleta de 40 anos também disse ter “bebido demais”, além de ter afirmado que a relação com a jovem foi consensual.

A imprensa espanhola deu bastante destaque ao depoimento do brasileiro. “Em nenhum momento ela me disse que não queria nada”, foi a frase de Daniel Alves destacada pelo El País em sua matéria sobre a audiência. O La Vanguardia também reproduziu um argumento do jogador: “Estávamos aproveitando”. Na Inglaterra, o The Guardian destacou a noite de “angústia e terror” descrita pela advogada da denunciante durante a audiência.

Os dias de audiência

O julgamento é presidido por uma mulher, a juíza Isabel Delgado Pérez, acompanhada pelos magistrados Luís Belestá Segura e Pablo Diez Noval. As sessões aconteceram de forma aberta, com a presença da imprensa em sala à parte, mas captações de áudio e imagem foram vetadas.

A mulher que denunciou Daniel Alves teve a identidade preservada e realizou o depoimento na segunda-feira, protegida por um biombo para que não tivesse contato visual com o jogador. A imagem dela foi reproduzida em vídeo para os presentes, com a imagem e voz distorcidas. A medida visou proteger a identidade da denunciante. Sua versão durou cerca de 1h30 e ela reafirmou ter sido violentada pelo atleta.

Publicidade

Na segunda sessão, terça-feira, foram ouvidos três amigos do jogador que estavam na boate; três empregados da casa noturna; advogado convocado por uma amiga da denunciante; 11 policiais; e policial que gravou o relato da vítima da suposta agressão do brasileiro com uma câmera na farda.

Joana Sanz, mulher de Daniel Alves, também depôs. A versão dela, dos amigos e do gerente mencionam o estado de embriaguez do jogador no dia do caso. Além deles, um sócio da boate foi ouvido e chegou a dizer que a mulher confessou a ele que entrou no banheiro da boate de maneira voluntária, mas foi impedida de sair depois.

No terceiro e última dia foram ouvidos peritos forenses, policiais científicos e peritos da defesa, além do próprio acusado. Daniel Alves chorou durante a sua fala e afirmou que a relação foi consensual. O jogador afirmou que consumiu bebida alcoólica e disse, ainda, que não forçou a denunciante a entrar no banheiro onde a suposta agressão sexual teria ocorrido. A audiência da quarta-feira foi o último dia dos depoimentos. Agora, a Corte tem prazo de 20 dias para anunciar a sentença.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.