PUBLICIDADE

Publicidade

Di María sofre ameaça após anunciar desejo de voltar a jogar em sua cidade natal

Rosário, na Argentina, vive intensa onda de violência relacionada ao tráfico de drogas; Messi passou por situação parecida no ano passado

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A família do atacante Angel Di María foi ameaçada na cidade de Rosário, na Argentina, depois que o jogador, atualmente no Benfica, de Portugal, manifestou o desejo de encerrar a carreira no seu clube de infância, o Rosário Central, informou o portal argentino Infobae.

PUBLICIDADE

O município vive uma intensa onda de violência relacionada ao tráfico de drogas. De acordo com a mídia local, uma placa foi deixada em um carro estacionado em frente a um empreendimento privado onde o atleta costuma se hospedar com uma mensagem em tom de intimidação.

“Diga ao seu filho Ángel para não voltar para Rosário porque mataremos um membro da família”. A ameaça chegou a citar o governador da província, Maximiliano Pularo. “Nem mesmo Pullaro vai salvá-los. Não deixamos notas de papel. Deixamos balas e pessoas mortas para trás.”

Di María, hoje jogador do Benfica, recebeu ameaças em sua cidade natal, Rosário.  Foto: Armando Franca/AP

A polícia ainda não descobriu o que motivou a ameaça ao jogador e sua família, mas vem trabalhando com diversas linhas de investigação para conseguir chegar aos autores da intimidação.

Grupos apontados como “narcoterroristas” têm sido apontados como responsáveis pela onda de violência em Rosário. Luis Petri, ministro da defesa, já iniciou uma operação para o combate ao crime na região. “Existe um compromisso inabalável na luta contra o narcotráfico.”

No ano passado, Messi viveu a mesma situação. Um grupo de homens armados não identificados organizaram um ataque a um supermercado de propriedade da família de sua esposa, Antonela Roccuzzo.

O Rosário Central divulgou uma nota sobre o caso envolvendo Di María. “Sentimo-nos lesados e prejudicados porque este tipo de ações violentas atacam diretamente a economia e o sucesso desportivo dos clubes. Jogadores de futebol e/ou suas famílias que são os principais protagonistas dos eventos esportivos, não podem ser ameaçados ou sofrer qualquer ato de violência”, diz parte do trecho da nota.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.