PUBLICIDADE

Publicidade

Endrick: ‘Espero estar bem para que sempre me queiram de volta no Palmeiras’

Ao ‘Estadão’, atacante de 17 anos enaltece projeto do clube alviverde, se diz pronto para brigar por espaço no Real Madrid e sonha com título pela seleção brasileira antes de viagem à Espanha

PUBLICIDADE

Foto do author Rodrigo Sampaio

O dia que o torcedor palmeirense quis adiar ao máximo chegou. Nesta quinta-feira, 30, Endrick deixa ser atacante do Palmeiras para ser jogador do Real Madrid. A “última dança” do camisa 9 pela equipe alviverde será contra o San Lorenzo, às 19h (horário de Brasília), em confronto pela Copa Libertadores. Mais de 34 mil ingressos foram vendidos para a partida no Allianz Parque. Com o time de Abel Ferreira já classificado às oitavas do torneio continental, o jogo ganha contornos de celebração à grande promessa.

PUBLICIDADE

Na terça-feira, 28 de maio, completou-se sete anos da primeira vez que Endrick subiu aos gramados para representar o Palmeiras. O atacante estreou com a camisa alviverde na vitória por 6 a 1 sobre o Guarani, em jogo na Academia de Futebol II, em Guarulhos, pelo Campeonato Paulista sub-11. Naquele dia, o jovem, então com 10 anos, também fez seu primeiro gol com a camisa palmeirense.

Endrick continuou balançando as redes e empilhando títulos nos juniores até ganhar destaque como o craque do Palmeiras na conquista inédita da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2022. Ao todo, foram 86 gols em 121 partidas oficiais em quatro categorias diferentes da base, com 13 troféus. Ao Estadão, ele explica que o planejamento do clube foi essencial para adquirir a maturidade necessária para jogar entre os profissionais

“No Palmeiras existe um plano entre as comissões técnicas e outros departamentos para que um atleta, como eu, chegue na idade que cheguei na equipe principal e consiga ficar nela, ajudando o grupo. É um negócio de longo prazo, que já começa cedo. Envolve muito mais do que olhar pra quem está bem no sub-20. É algo grande e muito bem feito”, diz Endrick.

Endrick faz último jogo pelo Palmeiras contra o San Lorenzo. Foto: Cesar Greco/SE Palmeiras

Natural de Taguatinga, no Distrito Federal, Endrick deu os seus primeiros passos no futebol jogando pelo Brasília Fut Academy, equipe da capital federal que operava em parceria com o São Paulo. Por três anos, o jovem realizou avaliações em Cotia, onde fica a base tricolor. Quando finalmente veio o convite para o garoto se mudar para SP, o negócio não prosperou. Douglas Sousa, pai do jogador, pediu ao São Paulo um emprego no clube ou que a diretoria bancasse a moradia da família na capital paulista.

Foi aí que o Palmeiras entrou na jogada. Após se surpreender com vídeos de Endick publicados pelo pai nas redes, a diretoria convidou o menino para testes. Ele foi aprovado e o clube atendeu aos pedidos da família para ficar com a joia. Endrick nunca escondeu a gratidão que tem pelo clube e afirma que se tiver oportunidade, um dia retorna para continuar a escrever a história que iniciou em 2017.

“Espero estar sempre muito bem, pra que sempre me queiram de volta onde eu estive. Ainda mais no Palmeiras, onde fui campeão, e mais de uma vez!”

Publicidade

Missão Real Madrid

Endrick se apresenta à seleção brasileira na segunda-feira, 3, nos Estados Unidos, onde o Brasil disputa amistosos pela Data Fifa e permanece para a disputa da Copa América. Depois, já viaja à Espanha para integrar o elenco do Real Madrid. A expectativa é de que o técnico Carlo Ancelotti aproveite o jogador no time principal. Rodryo e Vini Jr, por exemplo, iniciaram no gigante europeu atuando pelo Castilla, time B do clube espanhol.

Desde quando Endrick assinou contrato com o Real Madrid, os fãs do time espanhol já começaram a imaginar um trio de ataque com Endrick, Rodryo e Vini Jr. Porém, o setor ofensivo da equipe madrilenha deve ganhar um reforço de peso a partir de julho. O astro francês Kylian Mbappé não renovou com o Paris Saint-Germain e vai se transferir de graça ao time de Madri. Endrick não se intimida com a concorrência e afirma estar pronto para brigar pelo seu espaço.

“Estou pronto para trabalhar, aprender mais, e contribuir com o grupo do Real Madrid. Buscar um lugar na equipe é minha obrigação. Entregar o máximo em cada treino é minha obrigação. Penso que cada minuto em campo, de treino ou jogo, é um minuto de oportunidade para mim, mas também de compromisso com a equipe, e por isso, aproveito cada um”, diz.

PUBLICIDADE

Aos 17 anos, Endrick já alcançou feitos que a maioria dos atletas com o dobro de sua idade nunca realizaram. O atacante é bicampeão do Campeonato Brasileiro (2022 e 2023), do Paulistão (2023 e 2024), e campeão da Supercopa do Brasil (2023). São 21 gols e duas assistências em 81 jogos, e uma série de prêmios individuais. No Real Madrid, ele terá a oportunidade de brigar por troféus com regularidade — meta já estabelecida por ele mesmo. Antes, porém, ele tem outro foco em mente.

“Minha meta é ser campeão com o Real Madrid. Realizei o sonho de me tornar atleta profissional, de um grande clube, mas mesmo após conquistar um título, ou receber um prêmio, eu penso no dia seguinte que isso já é passado, e que preciso de uma nova meta, e que eu possa alcançar logo. Por isso, a próxima, ainda não é uma meta para Madrid, mas a de conquistar a Copa América com o Brasil.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.