PUBLICIDADE

Publicidade

Eurico rouba a cena em audiência que condenou Romário

Presidente interino do Vasco fica inconformado com punição de 120 dias imposta pelo STJD

PUBLICIDADE

A audiência que terminou com a punição ao atacante Romário de 120 dias pelo uso da substância finasterida, nesta terça-feira, teve um outro personagem: o presidente do Vasco, Eurico Miranda. Como o jogador, que também é treinador da equipe, não compareceu ao plenário, quem recebeu os holofotes foi Eurico. Assim que saiu o resultado, ele ‘convocou’ os cinco auditores para uma reunião a portas fechadas.   Veja também:  STJD condena Romário a 120 dias de suspensão  Vasco da Gama apresenta parceira com Habib's "As pessoas dão opinião sobre o que não sabem! Tem gente no esporte que não tem nada a ver com esporte!", reclamou o dirigente, que falava em voz alta. Dois dos que votaram pela condenação de Romário deixaram logo a sala e não quiseram presenciar a reprimenda de Eurico. "Ele está brabo. Disse que nós maculamos a carreira de Romário", contou Wladimir Cassani. "Ora, tenho que me ater ao que diz a legislação. Eu absolvo o homem Romário, mas não posso deixar de condenar o jogador pelo uso de uma substância proibida." O presidente da sessão, Otávio Toledo, pediu apenas dois minutos de intervalo e teve de ouvir Eurico por 13 minutos. Ao justificar seu voto, ele disse que estava sendo "coerente com todos os seus votos (anteriores)". "Ele (Romário) tem de receber na Justiça esportiva o mesmo tratamento dos demais." Sobre a reação de Eurico, Toledo adotou discurso diplomático. "Ele quis conversar e eu sou adepto do diálogo." Romário, por enquanto, está impedido de atuar em competições oficiais. A princípio, poderá atuar em amistosos. Com relação à extensão da punição ao técnico Romário, Otávio Toledo disse que essa decisão caberá ao Pleno do STJD, que só se reunirá agora em 19 de janeiro. Para os advogados do veterano atleta, há, porém, uma possibilidade real de absolvição do cliente no próximo julgamento: é que a partir de 2008, o Controle de Dopagem da CBF vai reconsiderar a finasterida como dopante. "Eu critiquei a decisão esportiva, não à baseada na justiça", disse Eurico, tentando desfazer o mal-estar por ter interrompido a sessão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.