Publicidade

Fora da Copa do Mundo, Cristiane é embaixadora de projeto que visa encontrar novas Martas

Atacante da seleção brasileira quer passar o que sabe e dar oportunidades para a nova geração da modalidade

PUBLICIDADE

Foto do author Paulo Chacon
Por Paulo Chacon
Atualização:

Cristiane tem seu nome marcado na história do futebol feminino do Brasil. Maior artilheira da seleção em Jogos Olímpicos, a atacante de 38 anos está fora de uma Copa do Mundo pela primeira vez em 20 anos, mas não deixa de olhar para o futuro. A atacante do Santos é a embaixadora do projeto ‘Em Busca de uma Estrela’, que fica em São Paulo, e tenta dar oportunidade para jovens meninas a fim de encontrar novas Martas e Cristianes. Neste ano, a iniciativa colocou mais de 30 meninas nas categorias de base dos times de São Paulo e uma delas foi parar em uma universidade dos Estados Unidos.

PUBLICIDADE

Já nos anos finais de sua carreira dentro de campo, Cristiane optou pelo trabalho a fim de encontrar novos talentos e aumentar seu legado. Embaixadora do ‘Em Busca de uma Estrela’ desde o começo do projeto, há mais de uma ano, a experiente atacante não esconde sua alegria com os resultados obtidos.

”Estou muito feliz de fazer parte de um projeto como esse, vendo as atletas nas equipes. É um passo grande e importante na vida delas. Agora, elas terão esse dia a dia mais intenso, de treinamentos, competitividade, que farão diferença, são muito importantes. Estou num projeto que acredita no sonho das meninas, que mostra que é preciso trabalhar, que se preocupa com elas dentro e fora de campo, isso me deixa realizada”, vibrou Cristiane.

Jovens meninas ganham oportunidade em projeto com Cristiane como embaixadora Foto: MAURICIO RUMMENS

O ‘Em Busca de uma Estrela’ é fruto de uma conversa entre Cristiane e Formiga. Na oportunidade, a dupla que fez história na seleção brasileira de futebol feminino deixou claro que uma das lacunas da modalidade no País era a falta de estrutura na base. A partir disso, um empresário decidiu fazer algo e reuniu forças para começar. Depois de mais de um ano, o projeto ganhou forma e muda a vida de mais de 100 jovens em São Paulo.

“É um projeto que transforma a vida das meninas porque, talvez nunca tivesse uma oportunidade de mostrar o seu futebol. Fomos buscá-las em regiões de altíssima vulnerabilidade social, que não tem estrutura para menina jogar bola. Além disso, a gente cuida integralmente dessas meninas, falando de saúde mental e física, e buscamos o melhor caminho para cada uma delas. Buscamos parcerias com faculdades para quem não passar nos clubes e também clubes para conhecer, poder contratar e dar uma oportunidade de carreira no futebol”, explicou Camila Estefano, gerente geral do Em Busca de Uma Estrela.

Jovens meninas ganham oportunidade em projeto com Cristiane como embaixadora Foto: MAURICIO RUMMENS

‘Mudou a minha vida’

Recentemente, Cristiane esteve presente no primeiro draft das atletas do projeto. Após cerca de nove meses de treinos e acompanhamento fora de campo, as meninas do projeto passaram por uma série de avaliações e 31 atletas puderam ser escolhidas por equipes de São Paulo para começar os treinamentos nas categorias de base.

Além das oportunidades nos times paulistas, o projeto conseguiu derrubar fronteiras e sair Brasil. Isabela Urbanetto, jovem que estava treinando desde o início das atividades, foi selecionada para seguir para uma universidade dos Estados Unidos, para jogar e estudar.

Publicidade

“Eu diria que o Estrelas mudou minha vida em vários contextos, principalmente em relação ao extra-campo, mas também dentro dele. Eu nunca parei para refletir sobre como a hidratação, a alimentação regrada para alto rendimento e reuniões pedagógicas e com psicólogos pudessem afetar tanto minha perfomance. Hoje, junto aos treinos com bola, percebo o quanto posso melhorar meu desempenho e minha capacidade física e isso devo aos excelentes profissionais que estão presentes nesse projeto”, disse Isabela Urbanetto que foi para a Cowley University.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.