PUBLICIDADE

Publicidade

Lateral prevê jogo 'pegado' contra Uruguai no Mundial Sub-20

'Eles vão catimbar o jogo todo', diz João Pedro, do Palmeiras

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Depois de três vitórias e de encerrar a fase de grupos com 100% de aproveitamento, a seleção brasileira sub-20 vai iniciar o mata-mata do Mundial da categoria, na quinta-feira, diante de um dos seus mais tradicionais rivais. O Uruguai entrou no caminho do Brasil pelo sorteio, porque empatou em segundo lugar do seu grupo, e agora quer surpreender o time do técnico Rogério Micale."Conseguimos o objetivo de passar na primeira fase, que era o que treinador nos pedia. Contra o Uruguai, vai ser como foi no Sul-Americano, para pior. Como é mata-mata vai ser difícil, pegado. Eles vão catimbar o jogo todo. A gente tem que entrar com a cabeça tranquila para fazer um grande jogo", opina o lateral-direito João Pedro, do Palmeiras. Em vídeo publicado no site da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o jogador diz conhecer alguns jogadores da seleção uruguaia, mas avisa que "cada jogo é um jogo". Não adianta passar (informações) e chegar lá e ser totalmente diferente. Eles vão manter esse padrão de jogo, usam muito a força, a trombada. A gente tem que entrar muito ligado no jogo."

Brasil está 100% no Mundial Sub-20 na Nova Zelândia Foto: Divulgação

PREPARAÇÃONesta terça-feira, o Brasil voltou aos treinamentos na Nova Zelândia. O técnico Rogério Micale treinou em campo reduzido aspectos táticos para a partida diante do Uruguai. O treinador corrigia a todo momento a movimentação dos atletas, pedindo maior continuidade às jogadas e pressão na saída de bola adversária. Ao final da atividade, cada jogador treinou entre cinco e seis cobranças de pênalti, já que a decisão pode ir para as penalidades caso o empate persista por 120 minutos. A partida válida pelas oitavas de final do Mundial Sub-20 será às 4h30 de quinta-feira, 11, em New Plymouth. O classificado terá ou Portugal ou Nova Zelândia pela frente. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.