PUBLICIDADE

Publicidade

De esqueleto de rei a escândalo sexual: as histórias do Leicester

Modesto time quer se manter na ponta para conquistar título inédito

PUBLICIDADE

Por Ciro Campos
Atualização:

A cinco jogos do fim do Campeonato Inglês o Leicester enfrenta a própria ansiedade para ser campeão pela primeira vez. O time recebe neste domingo o West Ham no King Power Stadium para tentar manter a diferença de sete pontos para o Tottenham e continuar no rumo para ser o primeiro campeão inédito do país nos últimos 38 anos.

O feito é digno de conto de fadas para um elenco apontado como candidato ao rebaixamento. Na última temporada o clube por pouco não caiu, passou por reformulações e pouco contratou. O clube pequeno desafia os grandes da liga mais cara do mundo, nação onde nos últimos 23 anos, quatro times concentraram 22 títulos.

Torcida faz contagem regressiva para título inédito na Inglaterra Foto: Darren Staples|Reuters

PUBLICIDADE

O clube de 132 anos de histórica tem como melhor campanha no Campeonato Inglês um vice-campeonato em 1929 e constrói os resultados atuais com base em uma equipe que joga como time pequeno. O Leicester tem se mostrado eficiente e rápido nos contra-ataques.

A surpresa, que deixou para trás os grandes favoritos, já está classificada para a inédita Liga dos Campeões. Mesmo que cometa deslizes em sequência e perca a corrida para o Tottenham, deixará como legado histórias curiosas na campanha.

Uma delas está nas tradicionais casas de apostas inglesas. O Leicester era o menos cotado entre os 20 participantes e, por isso, o que mais oferecia ganho. A cada libra depositada no título do time, o apostador receberia o retorno de 50 libras.

A valorização fez a Ladbrokes, uma das principais casas da Inglaterra, rever a premiação. A empresa entrou em acordo com o único a ter arriscado a fé no Leicester. O torcedor, que depositou 50 libras (cerca de R$ 250), recebeu de forma antecipada um prêmio de aproximadamente de R$ 360 mil.

A caminhada do Leicester motivou até um fã na Austrália. Tony Skeffington, de 51 anos, estava com um câncer em estado terminal no fim da última temporada. Para surpresa dos médicos, ele ainda continua vivo. “Ver o Leicester retornar da luta contra o rebaixamento e ver como eles estão indo bem nesta temporada está me ajudando a lutar”, disse em entrevista ao jornal Leicester Mercury.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.