PUBLICIDADE

Publicidade

Mais um dirigente da Fifa concorda com extradição para os EUA

Vice-presidente, Alfredo Hewit, aceitou transferência para Nova York

PUBLICIDADE

Por Jamil Chade e correspondente em Genebra

Mais um cartola preso na Suíça aceita sua extradição aos EUA. Nesta quarta-feira, o Departamento de Polícia em Berna comunicou que Alfredo Hewit, ex-presidente da Concacaf e vice-presidente da Fifa, acatou o pedido feita pela Justiça dos Estados Unidos para que seja transferido para Nova York.

PUBLICIDADE

Hewit é acusado de corrupção e, apesar de ter herdado a entidade de outro dirigente preso, Jeff Webb, foi acusado nos EUA por manter as mesmas práticas corruptas. Hondurenho, Hewit comandava a Concacaf com sede em Miami.

Preso no dia 3 de dezembro em Zurique ao lado do presidente da Conmebol, Juan Napout, Hewit se recusou inicialmente a ser extraditado aos EUA. Nesta quarta, em interrogatório, acabou aceitando a transferência para ser julgado.

Dos quase dez dirigentes presos na Suíça entre maio e dezembro de 2015, mais da metade deles já está nos EUA. José Maria Marin, ex-presidente da CBF, deve voltar a ser ouvido pela corte na semana que vem. Napout também aceitou sua extradição, pagando um total de US$ 20 milhões em fianças. Já Webb deu até o anel de noivado de sua mulher como garantia de que não fugiria. Estão na Suíça ainda apenas três dirigentes: Julio Rocha, Costas Takkas e Rafael Esquivel, da Venezuela. 

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.