PUBLICIDADE

Marcelo Teixeira é eleito presidente do Santos e assume com missão de levar clube de volta à Série A

Candidato confirma favoritismo e anuncia ‘aposentadoria’ da camisa 10 na Série B; eleição é marcada por tensão e violência na Vila Belmiro

Foto do author Rodrigo Sampaio
Por Rodrigo Sampaio
Atualização:

Marcelo Teixeira confirmou o favoritismo e foi eleito o novo presidente do Santos. Em votação realizada neste sábado, 9, no Ginásio Athiê Jorge Cury e no salão de mármore da Vila Belmiro, o candidato recebeu 53% dos votos, superando outros quatro concorrentes, e vai comandar o clube de 2024 a 2026. A primeira missão de Marcelo Teixeira será levar o clube de volta à primeira divisão. O time ficou entre os quatro piores do Brasileirão e amargou o primeiro rebaixamento de sua história centenária.

Teixeira recebeu 4.762 mil votos, contra 1.378 de Maurício Maruca. Rodrigo Marino (1.073), Ricardo Agostinho (1.011) e Wladimir Mattos (562) aparecem logo atrás. Cerca de 17 mil sócios do Santos estavam aptos à votação. Esta será a terceira vez que Marcelo Teixeira assume a presidência do Santos. O advogado Fernando Gallotti Bonavides será o seu vice no próximo triênio.

Marcelo Teixeira é eleito presidente do Santos pela terceira vez.  Foto: Reprodução/ Instagram @marcelopteixeira

PUBLICIDADE

Após o pleito, Marcelo Teixeira demonstrou otimismo na retomada do clube à elite do futebol brasileiro e afirmou que vai propor ao conselho deliberativo que a histórica camisa 10 do Rei Pelé, morto em decorrência de um tumor no cólon, em dezembro do ano passado, seja “aposentada” durante a disputa da Série B.

“Enquanto (o Santos) não subir e estar no seu patamar digno, nós não atuaremos com a camisa 10. Em memória e em honra”, disse. “Nós vamos reconstruir o Santos e reconduzir o clube ao seu devido lugar, ao patamar de um clube vencedor, com uma marca forte em nível nacional e internacional”. Ao fim do pleito, ele foi celebrado por apoiadores do lado de fora da Vila Belmiro.

O presidente eleito assume no dia 1º de janeiro, mas já inicia na próxima semana a transição com atual mandatário Andres Rueda. Em entrevista ao Estadão, Marcelo Teixeira reconheceu que terá a obrigação de reduzir os gastos do clube, mas não pretende se desfazer dos jogadores por qualquer valor. O clube tem encaminhado um patrocínio com valores que podem bater os R$ 100 milhões, além da transformação da Vila Belmiro para uma moderna arena com 35 mil lugares, em parceria com a WTorre, e um acerto para mandar jogos no Pacaembu, que será reaberto em janeiro.

Marcelo Teixeira comandou o Santos pela primeira vez em 1992, ficando até o ano seguinte. Voltou a comandar o clube de 2000 a 2009, quando o clube conquistou o bicampeonato brasileiro (2002 e 2004) e do Paulistão (2006 e 2007). Em 2003, o time da Vila também foi vice-campeão da Libertadores, perdendo para o Boca Juniors na final.

VIOLÊNCIA

Após o rebaixamento do Santos para a segunda divisão, na quarta-feira, o pleito deste sábado foi marcado por tensão e violência. Membros de uma torcida organizada tentaram invadir o local de votação, o ginásio Athié Jorge Cury, na Vila Belmiro. Houve confusão, e a Tropa de Choque da Polícia Militar precisou intervir. Os integrantes da uniformizada queriam chegar até o atual presidente, Andres Rueda, e o presidente do Conselho Deliberativo, Celso Jatene. Momentos antes da confusão estourar, Jatene tentou conversar com alguns membros da torcida, mas foi alvo de ameaças e xingamentos.

Publicidade

O grupo foi retirado da área em que estava no ginásio, mas pouco tempo depois os torcedores retornaram, tentando abrir o portão do local à força. Uma equipe de seguranças conteve o avanço de quem tentava invadir. A PM conteve os torcedores na área externa. A votação chegou a ser interrompida, mas retornou 40 minutos depois. Segundo a Secretaria de Segurança Pública (SSP/SP), cerca de 20 torcedores estavam envolvidos. Um homem de 26 anos foi preso em flagrante por desacato e resistência. Ele foi detido e conduzido a Central de Polícia Judiciária (CPJ) de Santos, onde o caso foi registrado

O rebaixamento foi marcado por tumulto e confusão na Vila Belmiro, após a derrota por 2 a 1 para o Fortaleza. De acordo com a SSP, 11 policiais foram feridos e duas viaturas, danificadas. Seis ônibus e quatro automóveis foram incendiados pelos torcedores, que também avançaram contra os policiais, arremessando garrafas, pedras e fogos de artifício. Ninguém foi preso até o momento.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.