PUBLICIDADE

Mão de Onça, goleiro do Juventus eternizado pelo gol mais bonito de Pelé, morre aos 92 anos

Jogador foi um dos maiores ídolos do clube da Mooca e ficou marcado por sofrer o gol considerado mais belos dos 1.282 do Rei do Futebol: também atuou pelo São Paulo e Atlético-MG

Por Leonardo Catto
Atualização:

Morreu, aos 92 anos, Durval de Moraes, o Mão de Onça, goleiro que teve a carreira marcada por sofrer o gol mais bonito da carreira de Pelé. Ele foi ídolo do Juventus da Mooca e defendeu também o extinto Clube Atlético Ituano, São Paulo e Atlético-MG. Durval vivia em Itu, no interior de São Paulo, onde nasceu. Foi na capital paulista, contudo, que o goleiro teve o melhor momento da carreira, quando defendeu o Juventus por dez anos. Ele fez parte de uma geração de ouro do clube da Mooca, junto dos zagueiros Clóvis e Milton Buzetto, o lateral Pando e o centroavante Buzone, que também morreu neste ano.

O Juventus publicou nota de sentimentos e solidariedade à família. O Ituano Futebol Clube, da cidade de Mão de Onça, também publicou uma nota de pesar, reverenciando a atuação do goleiro pelo extinto CA Ituano. Pelo clube, foi bicampeão do interior em 1953 e 1954. Durval será sepultado no Cemitério Municipal de Itu, nesta quinta-feira.

Também nesta semana, na quarta-feira, o Juventus perdeu Ary Sanches, cantor da Jovem Guarda e interpréte da versão oficial do hino do clube. Ele tinha 80 anos, lutava contra um câncer de pulmão e estava internado no Hospital da Prevent Senior, na Mooca.

O gol que colocou Mão de Onça na história

Em 2 de agosto de 1959, o Juventus enfrentou o Santos no Conde Rodolfo Crespi, o estádio lendário da Rua Javari, em São Paulo. Em um dos ataques do Santos, Pelé recebeu cruzamento vindo da direita. Ele dominou a bola já aplicando um chapéu no primeiro marcador. Na sequência foram mais dois chapéus contra outros dois zagueiros e um no goleiro Mão de Onça. Por fim, o Rei cabeceou para o fundo das redes. A partida terminou 4 a 2 para o Santos. O lance não foi registrado em vídeo, mas foi capturado por fotógrafos. No filme Pelé Eterno, de 2004, dirigido por Anibal Massaini Neto, foi feita uma reprodução digital do gol.

O tamanho do feito é ilustrado pelo fato de que o próprio Juventus homenageou o lance. Há um busto de Pelé na entrada do Estádio da Rua Javari, enaltecendo o gol do Rei contra o time. A estátua foi inaugurada em 2006. Pelé morreu no ano passado e sempre lembrou desse gol.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.