Publicidade

Palmeiras joga mal, é displicente e perde para o Santos na retomada após fracasso na Libertadores

Time de Abel Ferreira tem em Endrick e Kevin seus melhores jogadores na Arena Barueri, mas se desmancha com as trocas do treinador e vê rival fazer um bom segundo tempo: equipe da Vila emplaca terceira vitória seguida e deixa Z-4 do Brasileirão

PUBLICIDADE

Foto do author Robson Morelli
Por Robson Morelli
Atualização:

O Palmeiras perdeu para o Santos na Arena Barueri em sua retomada do Campeonato Brasileiro após ser eliminado para o Boca Juniors na Libertadores. O time começou bem, mas caiu de produção nas trocas do treinador Abel Ferreira. Longe de suas características, o Palmeiras acabou o jogo desorganizado. O Santos fez um primeiro tempo inferior, nos arremates e na posse de bola, mas melhorou muito na etapa final. A vitória por 2 a 1 foi a terceira seguida da equipe da Vila (antes havia passado por Bahia e Vasco) e, consequentemente, seu afastamento da Z-4.

Não havia inicialmente nenhum resquício da eliminação do Palmeiras no meio da semana diante do Boca, a não ser a escolha do técnico Abel de começar com dois meninos que subiram da base e deram o que falar no duelo com os argentinos: Kevin e Endrick. Eles começaram o duelo com o Santos cercados de alguns companheiros mais experientes, como Zé Rafael e Raphael Veiga, bem diferente daquela formação unicamente de reservas na derrota para o Bragantino. Os meninos precisam ter ao lago atletas mais experientes. Desse modo, a escolha se provou acertada. Kevin e Endrick foram muito bem no primeiro tempo na Arena Barueri.

PUBLICIDADE

Kevin abriu caminho pela esquerda, com dribles e velocidade. Endrick fez o mesmo pelo lado direito, com mais penetração pelo meio, característico de um camisa 9. Rony foi o atacante centralizado. Ajudou e atrapalhou, na média, foi apenas razoável. Tanto Kevin quanto Endrick tiveram chances de marcar, em chutes de longe, fortes, que obrigaram o goleiro santista João Paulo a fazer boas defesas. Endrick ainda acertou um ‘tirambaço’ no travessão. O Palmeiras foi melhor e teve 70% de posse de bola. Errou alguns passes, mas esteve o tempo todo na área rival.

A supremacia do Palmeiras no primeiro tempo não significou um Santos frágil e desorganizado, como talvez os números de dez arremates antes mesmo dos 20 minutos e maior posse de bola pudessem indicar. O time de Marcelo Fernandes optou por três zagueiros e uma saída de bola em velocidade, tendo Marcos Leonardo na frente brigando entre os zagueiros. Era um Santos consciente.

Santos x Palmeiras -Brasileirão Foto: Raul Barretta/Santos

Antes dos gols, um de cada lado nos 45 minutos iniciais, o goleiro João Paulo já se destacava. Os gols saíram depois dos 40. O primeiro foi do Palmeiras, único a ter torcida em Barueri. Zé Rafael triscou a cabeça em bola levantada na área por Gabriel Menino. Não demorou para o visitante empatar, também de cabeça, com Rincón na segunda trave, numa das poucas tentativas do Santos.

Marcelo bom de conversa

No intervalo, o técnico Marcelo Fernandes conversou melhor com seu time do que Abel Ferreira com os jogadores do Palmeiras. Sem nenhum troca para o segundo tempo, o time da Vila voltou melhor, mais arisco e ofensivo. O Palmeiras começou meio sonolento, com Weverton fazendo algumas boas defesas e trabalhando mais. Tanto foi assim que o Santos teve as duas primeiras chances de gols. Com 10 minutos, Abel deve ter percebido a lentidão e desatenção do seu meio de campo e fez três mudanças, mantendo os meninos Kevin e Endrick, mas tirando Menino, Veiga e Zé Rafael.

Era visível um Santos melhor no segundo tempo. Isso se comprovou aos 24 minutos, com a virada, em gols de Marcos Leonardo. Foi de uma bola lançada pelo goleiro. Marcos Leonardo deslocou Murilo e fez o passe de cabeça para Maxi Silvera, que devolveu para a conclusão do atacante. Os jogadores palmeirenses reclamaram falta no zagueiro, que não houve. Teve falta de malandragem do beque. Foi mais um vacilo do setor defensivo do time de Abel.

Publicidade

O Palmeiras não se comportou com a mesma vontade de outras partidas no Brasileirão. Talvez estivesse cansado pelo jogo de quarta-feira. Mais uma vez, após o bom começo, o time dava a impressão de que poderia ganhar a qualquer momento. Não se deu conta de que nas últimas sete partidas havia passado em branco em quatro. Aos 42, escapou de sofrer outro gol com duas tentativas de Furch e duas boas defesas também de Weverton.

O Palmeiras acabou bagunçado em Barueri e amargou mais uma derrota como mandante. Já tinha perdido cinco vezes no estádio. Agora são seis derrotas. O Santos emplacou sua terceira vitória seguida, Bahia, Vasco e Palmeiras, e vê a Z-4 mais longe.

PALMEIRAS 1 X 2 SANTOS

  • PALMEIRAS: Weverton, Maike, Murillo (Luís Guilherme), Gustavo Gomez e Piquerez; Gabriel Menino (Jhon Jhon), Zé Rafael (Ríos) e Raphael Veiga (Fabinho); Endrick, Rony e Kevin (Flaco Lopez). Técnico: Abel Ferreira
  • SANTOS: João Paulo, Joaquim, Messias e João Basso; Lucas Braga, Rincón (Camacho), Jean Lucas, Nonato (Dodi) e Kevyson (João Lucas); Morelos (Maxi Silvera) e Marcos Leonardo (Julio Furch). Técnico: Marcelo Fernandes
  • GOLS: Zé Rafael, aos 42, e Rincón, aos 46 minutos do 1º T; Marcos Leonardo, aos 24 minutos do 2º T
  • CARTÕES AMARELOS: Zé Rafael, Rincón, Morellos e Camacho.
  • ÁRBITROS: Flavio Rodrigues de Souza (SP)
  • PÚBLICO: 17.049 pagantes
  • RENDA: R$ 801.845,00
  • LOCAL: Arena Barueri, em São Paulo
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.