Publicidade

Palmeiras luta contra trauma de 2002

Por Agencia Estado
Atualização:

O Palmeiras disputa neste sábado o primeiro "mata-mata" de 2003 com um pensamento, o de entrar em campo sem lembrar os fracassos do ano passado. De acordo com os jogadores e a comissão técnica, o fantasma do rebaixamento no Brasileiro ainda atormenta os atletas - apesar de o elenco ter sofrido mudanças - e vem prejudicando o desempenho do time. Para o técnico Jair Picerni, a equipe só teve uma boa atuação no ano, contra o Guarani, em Campinas. E, se não mostrar mais agressividade na marcação e na criação de jogadas, diante do Rio Branco, às 18 horas, em Americana, sofrerá o primeiro revés da temporada: a eliminação no Paulista. Um empate basta para que o Palmeiras avance às quartas-de-final da competição, mas o clima de desconfiança ronda o clube. O time poderia ter garantido a vaga na quarta-feira, se vencesse uma desmotivada Ponte Preta, mas não conseguiu. Agora, enfrentará um adversário entusiasmado, que, se ganhar, assumirá a segunda colocação do grupo 1 e prosseguirá no torneio. Em caso de derrota, o Palmeiras terá ainda chances matemáticas, mas precisará torcer por improvável combinação de resultados. Um tropeço iniciará nova fase de turbulência, pois, na visão dos torcedores e dos conselheiros, seria inadmissível uma desclassificação precoce no Paulista numa chave considerada fraca. "Não podemos cair fora do Paulista, mas também não podíamos ser rebaixados no ano passado...", lembrou o goleiro Marcos, que disse ter vivido um dia atípico. Dezenas de crianças foram ao treinamento, incentivaram o time e gritaram o nome dos jogadores. "Nós até estávamos desacostumados a ver tanta gente para nos incentivar", reconheceu ele. Nos últimos meses, os torcedores só apareceram no local para protestar. Marcos acredita que, pela fase que atravessa, o Palmeiras não pode ser considerado favorito, ao contrário do que ocorria há anos. E, por isso, precisa jogar como "time pequeno". "Antigamente, seriam 3 pontos garantidos, mas como podemos falar que estamos classificados, se, outro dia, tomamos de 4 do Barbarense?", questionou o goleiro. A equipe voltará a jogar no 4-4-2, com Muñoz ao lado de Anselmo no ataque, pois o volante Claudecir está suspenso. Índio e Leonardo formarão a dupla de zaga, já que Gustavo e Dênis se contundiram. Com o problema dos titulares, Picerni disse que o ideal seria a contratação de mais um defensor, mas já abriu mão da possibilidade, pois as inscrições para o Paulista terminam na semana que vem. O volante Cocito, que também estava na mira do clube, não foi liberado pelo Atlético-PR.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.