PUBLICIDADE

Publicidade

Samuel Eto’o é vítima de extorsão, diz Federação de Camarões

Documento assinado pelo secretário-geral FCF afirma que homem cobrou 25 mil euros, cerca de R$138 mil para não revelar conteúdos contra o presidente da entidade

Por Estadão Conteúdo

A Federação de Futebol de Camarões (FCF) revelou neste sábado que o seu presidente e ex-atacante Samuel Eto’o foi vítima de extorsão durante a Copa do Mundo. Segundo o documento, assinado pelo secretário-geral, Blaise Djounang, o mandatário foi chantageado por um homem identificado como Molina, que exigia o pagamento de 25 mil euros (cerca de R$ 138 mil) para não revelar conteúdos que manchariam a imagem do camaronês.

PUBLICIDADE

“No último dia 23 de novembro, o presidente da Federação Camaronesa, senhor Samuel Eto’o, foi contatado por escrito - via mensagem de Whatsapp - por um interlocutor se apresentando como Romain Molina. Ele alegou ter documentos contendo áudios e conversas de telefone prejudiciais à imagem do presidente e da Federação”, diz parte do comunicado.

No comunicado, a entidade avisa que Eto’o não caiu na chantagem. A federação também prometeu procurar a Justiça francesa para identificar as pessoas envolvidas na tentativa de extorsão ao ex-atacante.

A Federação de Futebol de Camarões (FCF) revelou que o seu presidente e ex-atacante Samuel Eto’o foi vítima de extorsão durante a Copa do Mundo. Foto: Abir Sultan/EFE

“O presidente da Federação de Camarões nunca foi adiante neste pedido, porque é um princípio não negociar com chantagistas. De qualquer forma, a federação cogita entrar com um processo na Justiça francesa sobre esta tentativa de extorsão. No decorrer deste procedimento, terá o direito de acessar o arquivo para entendê-lo mais claramente. Enquanto renova seu apoio à equipe técnica e administrativa de nossa seleção nacional masculina, a federação reitera seu compromisso para preservar a imagem dos Leões Indomáveis e estabelecer vigilância rigorosa em uma administração livre de todas as más práticas de um passado agora encerrado”, completa o comunicado.

A entidade revelou ainda mais detalhes da tentativa de extorsão. “Romain Molina acrescentou que estava disposto a desistir da publicação em troca de um pagamento de 25 mil euros. O montante deveria ser transferido para uma conta da qual ele forneceu um número. Ele também estava disposto a fornecer o nome daqueles que o patrocinaram, que já lhe haviam pago 7 mil euros adiantados e haviam se comprometido a pagar 13 mil euros após a publicação”, registrou.

A seleção de Camarões foi eliminada da Copa do Mundo ainda na fase de grupos. Ficou na terceira posição em uma chave com Brasil, Suíça e Sérvia, todos também já eliminados.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.