PUBLICIDADE

Publicidade

Superstição de título move confronto entre Cruzeiro e Palmeiras

Encontros entre os times pela Copa do Brasil sempre teve como classificado quem acabou como campeão do torneio

PUBLICIDADE

Cruzeiro e Palmeiras têm um incentivo nesta quarta-feira para brigar pela classificação à semifinal da Copa do Brasil de 2017. Nos três encontros anteriores dos clubes pela competição, sempre o vencedor do confronto terminou o torneio como campeão. O retrospecto histórico é favorável ao time paulista, que levou a melhor em duas ocasiões.

O primeiro encontro entre os clubes pela Copa do Brasil foi na final de 1996. O favorito Palmeiras conseguiu ficar no empate em 1 a 1 no Mineirão e saiu na frente na decisão, no Parque Antártica. O atacante Luizão abriu o placar logo aos cinco minutos de jogo, mas a virada e o título do Cruzeiro vieram de virada, gols de Roberto Gaúcho e Marcelo Ramos.

Palmeiras derrotou o Cruzeiro na final de 1998 Foto: JF Diorio/Estadão - 30/05/1998

PUBLICIDADE

O troco viria dois anos depois, exatamente na final. O Cruzeiro ganhou por 1 a 0 em Belo Horizonte, gol de Fábio Júnior, e viu a conquista ficar longe em São Paulo nos minutos finais. No Morumbi, o Palmeiras abriu o placar com Paulo Nunes e viu Oséas fazer 2 a 0 já no fim da partida para garantir a primeira taça do clube pela competição.

O último confronto foi em 2015. Nas oitavas de final daquele ano, o Palmeiras ganhou por 2 a 1 no Allianz Parque e por 3 a 2 no Mineirão, com dois gols de Gabriel Jesus. O time avançou à fase seguinte, quando enfrentou o Inter e encerraria a campanha daquele ano com título, conquistado sobre o Santos, nos pênaltis.

Nesta quarta-feira, as equipes definem um novo encontro equilibrado. O empate em 3 a 3 no Allianz Parque, há cerca de um mês, veio em uma partida bastante movimentada. Na partida de volta, no Mineirão, o Cruzeiro joga com a vantagem de poder empatar por menos de três gols que estará classificado à semifinal.

A decisão na capital mineira faz o técnico do Palmeiras, Cuca, relembrar o maior feito pessoal. Há exatos quatro anos, então no comando do Atlético-MG, ele conquistou a Copa Libertadores no Mineirão na final contra o Olímpia, do Paraguai.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.