PUBLICIDADE

Publicidade

Urbanistas elogiam 'onda verde' que toma a Zona Oeste

Para especialistas, ocupação de espaços públicos é o principal benefício na mudança de comportamento no bairro

PUBLICIDADE

Urbanistas elogiam a maneira como o espaço público vem sendo ocupado pela torcida alviverde na Pompeia, nos arredores do Allianz Parque. "A concentração de pessoas na rua é um ganho. Estamos vendo a população usando o espaço que lhe pertence. Foi um gol de placa fazer uma arena em um local privilegiado", comenta o (corintiano) arquiteto e urbanista Lucio Gomes Machado, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. 

Ele acredita que outros pontos do bairro poderiam aproveitar a fase. “Era a hora de lugares um tanto ociosos também se transformarem em coisas mais bem definidas. São oportunidades que não podem ser desperdiçadas”, explicou.

Nova arena atrai turistas mesmo em dia sem jogos Foto: Amanda Perobelli/Estadão

PUBLICIDADE

"A arena está no 'filé' da cidade. É a melhor de todas e tem sentido hoje de equipamento urbano para a enorme maioria das pessoas", comenta. “Só acho que a Prefeitura deveria ter exigido contrapartidas melhores quanto a acesso e estacionamento. Resolveria melhor a relação com o entorno.”

Palmeirense, o arquiteto e urbanista Valter Caldana – professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Presbiteriana Mackenzie, onde coordena o Laboratório de Políticas Públicas – diz que a valorização do espaço público "deveria ser a meta de todo grande equipamento urbano". E isso, o Allianz conseguiu. "Muitas vezes, você tem o contrário: o grande equipamento como um entrave, um atrapalho para a cidade. O que estamos começando a perceber é que na medida que os equipamentos são mais ágeis e mais inteligentes, eles proporcionam que o cidadão ocupe melhor a cidade", disse.

O fenômeno verde da Pompeia pode ser comparado, nesse sentido, a festas como o carnaval de rua. "Em suma, a ocupação dos espaços públicos da cidade pelo cidadão é um movimento inexorável. E isso está transformando até a maneira como se projetam novos equipamentos: a cidadania e o uso da cidade são pontos que devem ser incorporados aos próprios projetos."

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.