PUBLICIDADE

Publicidade

WTA defende tenista checa retida na Austrália: 'Ela seguiu todas as regras'

Assim como Djokovic, Renata Voracova não tomou a vacina contra a covid-19 e pediu uma "permissão médica especial" para entrar no país

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação

Quase uma semana depois da retenção da tenista Renata Voracova no mesmo hotel onde estava Novak Djokovic, a Associação do Tênis Feminino ( WTA, na sigla em inglês) veio a público nesta terça-feira para defender a atleta da República Checa. A entidade afirmou que Voracova seguiu todas as regras e procedimentos exigidos pelas autoridades australianas.

Assim como Djokovic, Voracova não tomou a vacina contra a covid-19 e pediu uma "permissão médica especial" para poder entrar na Austrália e disputar o primeiro Grand Slam da temporada. Ela obteve a autorização, entrou no país sem restrições, por Melbourne, e até competiu num torneio preparatório para o Aberto da Austrália.

WTA defende Renata Voracova, que está detida na Austrália. Foto: Loren Elliott/Reuters

PUBLICIDADE

Somente depois disso a checa foi questionada pelas autoridades australianas, enviada pelo hotel onde estão refugiados, como aconteceu com Djokovic, e teve seu visto cancelado. Ao contrário do sérvio, ela não recorreu na Justiça local e decidiu deixar o país da Oceania. Além dos dois, um oficial passou pela mesma situação e também deixou voluntariamente a Austrália, na semana passada.

"Renata Voracova seguiu todas as regras e procedimentos, foi liberada assim que desembarcou, competiu num torneio e, subitamente, teve seu visto cancelado quando ela não havia feito nada de errado", questionou a WTA, em seu comunicado. "Vamos continuar a trabalhar com todas as autoridades para tratar deste assunto de uma maneira mais adequada."

Mais cedo, a própria tenista, especialista em duplas, veio a público para cobrar uma indenização da Tennis Australia, a federação australiana de tênis, responsável por organizar o Grand Slam.

"Somente de passagem de avião eu gastei 60 mil coroas checas (cerca de 2.460 euros ou R$ 15.700) e o meu treinador viajou comigo", disse a atleta de 38 anos, 82ª do mundo no ranking de duplas. "E também todo esse tempo que passei no país, os hotéis pagos, os treinas para o Aberto da Austrália e a potencial premiação (nos torneios)", apontou.

Voracova disse que entrará em contato diretamente com a federação australiana na tentativa de evitar qualquer ação legal neste caso. "Eu ainda não digeri tudo o que aconteceu. Estou assustada e esgotada. Não havia imaginado uma situação destas nem nos meus piores pesadelos. Foi demais."

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.