Publicidade

Brasileiro que luta sábado no Madison Square Garden, em NY, pode ser campeão do UFC: ‘Quero porrada’

Embate vale o cinturão do meio-pesado e pode voltar para as mãos do Alex Poatan depois de nove meses

PUBLICIDADE

Foto do author Murillo César Alves
Por Murillo César Alves
Atualização:

A rivalidade do brasileiro Alex Poatan com Israel Adesanya vem desde o período dos lutadores no kickboxing e o faz mais forte. Remonta os tempos do Ultimate Fighting Championship (UFC). A derrota, no segundo round do encontro que tiveram em abril, no entanto, fez com que Poatan perdesse o cinturão para o nigeriano e acelerasse sua decisão de deixar os médios para subir uma categoria, o meio-pesado. Ele já pensava nisso por causa da dificuldade de bater o peso na balança. Sete meses depois, e com apenas uma luta nessa nova fase, ele disputará o cinturão vago contra o checo Jiri Prochazka em Nova York, no UFC 295, neste sábado, dia 11. A luta está marcada para o Madison Square Garden. Poatan pode se tornar o primeiro brasileiro a conquistar o título na categoria desde Glover Teixeira.

PUBLICIDADE

Ao Estadão, por telefone, direto dos EUA, Poatan não deixa de lado sua rivalidade com Adesanya. Eles não são amigos, mas mantêm uma relação respeitosa fora do octógono. No UFC, no entanto, é uma outra questão: além de apimentar uma rivalidade, Adesanya já afirmou que não “fazia questão” de criar uma relação de amizade com o brasileiro. Quando anunciou que irá parar sua carreira no MMA em 2027, para se recuperar física e mentalmente, gerou dúvidas sobre os fãs – inclusive em Poatan.

“Não acho que seja verdade (que Adesanya irá parar até 2027). Talvez tenha alguma estratégia ali. Acho estranho, mas acho que ele volta antes”, afirma. Apesar da longa rivalidade – já se enfrentaram quatro vezes, duas destas no UFC –, Poatan não conversou com o nigeriano depois de ele ter revelado sua decisão. “Fizemos só uma mídia uma vez no aeroporto, mas foi algo bem profissional.” O Brasil tem 21 campeões no UFC. Veja a lista.

Israel Adesanya e Poatan se enfrentaram quatro vezes ao longo de suas carreiras. Foto: Jessica Alcheh/USA TODAY Sports

Sem Adesanya, Poatan terá sua segunda disputa de cinturão neste ano e a primeira sem ter o nigeriano como rival (venceu em 2022, mas foi derrotado em abril desta temporada). O brasileiro chega para duelar com Prochazka por causa de uma lesão de Jamahal Hill no tendão de Aquiles em julho. O lutador passou por cirurgia e abriu mão do título da categoria. Será seu terceiro combate no ano e o segundo pelos meio-pesados – derrotou o polonês Jan Blachowicz em sua estreia na categoria.

“Foi a melhor decisão que fiz (subir para o meio-pesado). Acho que fui bem na luta de estreia, mas tinham muitas coisas ali acontecendo durante a preparação. Eu me lesionei e isso me atrapalhou um pouco, principalmente a parte psicológica”, diz o lutador do Brasil. “Gostei do resultado que tive, com todas as coisas que aconteceram. Fiz um bom trabalho e tenho certeza de que consigo ser melhor do que o último combate.” Foi no palco deste sábado, em Nova York, que Poatan conquistou o cinturão dos médios diante do Adesanya há cerca de um ano.

Vingar Glover Teixeira?

Desde que entrou para o UFC, Poatan recebe atenção dos fãs do MMA pelos seus feitos antes da organização – foi indicado ao Hall da Fama do GLORY Kickboxing nesta semana. Aos 36 anos, e apesar da idade mais avançada para um estreante, era colocado por grandes nomes brasileiros, como Charles do Bronxs e Glover Teixeira, como um futuro campeão. Agora no meio-pesado, tenta novamente entrar nesse panteão.

Atualmente, apenas Alexandre Pantoja, no peso-mosca, detém o cinturão. Poatan tenta ‘vingar’ Glover Teixeira, que se aposentou neste ano e também lutava no meio-pesado. Ele foi derrotado por Hill em combate no Rio, em janeiro. “É algo que o pessoal fala. Não sinto que seja uma vingança.” Os lutadores brasileiros treinam juntos e são próximos, antes mesmo de Poatan ter entrado para o UFC.

Publicidade

“Fazer as coisas na emoção é um pouco complicado. Vou entrar no octógono para fazer o meu trabalho. Como se o Glover não tivesse enfrentado ele”, diz Poatan. Prochazka derrotou Glover em junho de 2022. “Quero porrada, quero ganhar essa luta, mas sem pensar em vingá-lo. Falar as coisas na emoção, se não tem o resultado esperado, não é muito bom.” Prochazka e Poatan fazem o duelo principal da noite de Nova York neste sábado. O cachê dos lutadores não foi revelado. O card principal tem previsão de início a partir da meia-noite.

Confira o card completo do UFC 295, com transmissão do UFC Fight Pass

  • Disputa de cinturão meio-pesado: Jiri Prochazka vs. Alex Poatan
  • Disputa de cinturão interino peso pesado: Sergei Pavlovich vs. Tom Aspinall
  • Peso palha: Jéssica Bate-Estaca vs. Mackenzie Dern
  • Peso leve: Matt Frevola vs. Benoit Saint-Denis
  • Peso pena: Pat Sabatini vs. Diego Lopes
  • Peso mosca: Steve Erceg vs. Alessandro Costa
  • Peso palha: Tabatha Ricci vs. Lupita Godinez
  • Peso leve: Mateusz Rebecki vs. Roosevelt Roberts
  • Peso leve: Nazim Sadykhov vs. Viacheslav Borshchev
  • Peso leve: Jared Gordon vs. Mark Madsen
  • Peso galo: Kyung Ho Kang vs. John Castañeda
  • Peso mosca: Joshua Van vs. Kevin Borjas
  • Peso pena: Dennis Buzukja vs. Jamall Emmers
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.