Ameaça de Trump à Otan reflete uma mudança mais ampla do lugar dos Estados Unidos no mundo

As alianças que antes eram vistas como o baluarte da Guerra Fria agora são vistas como um albatroz ultrapassado por um segmento significativo do público americano.

Por Peter Baker

THE NEW YORK TIMES - Quando o ex-presidente Donald Trump disse em um comício de campanha na Carolina do Sul, no último fim de semana, que incentivaria a Rússia a atacar os aliados da Otan que “não pagassem” sua parte de 2% do PIB na manutenção da aliança, houve suspiros de choque em Washington, Londres, Paris, Tóquio e em outras partes do mundo.

PUBLICIDADE

Mas não na Carolina do Sul. Pelo menos não naquele dia. A multidão de apoiadores de Trump, com camisetas e bonés de beisebol com a frase “Make America Great Again” (torne a América grandiosa de novo, em tradução livre), reagiu à ideia de se aliar a Moscou em detrimento de amigos de longa data dos Estados Unidos com aplausos e assobios barulhentos. Aliados “delinquentes”? Esqueça-os. Não é problema dos Estados Unidos.

A rejeição visceral da arquitetura de segurança liderada pelos EUA, construída nos anos após a 2ª Guerra Mundial, serve como um lembrete do quanto a noção de liderança dos EUA no mundo mudou nos últimos anos. As alianças que antes eram vistas como o baluarte da Guerra Fria agora são vistas como uma peça de museu por um segmento significativo do público americano ao qual Trump apela.

O presidente Donald Trump se reúne com o primeiro-ministro italiano Giuseppe Conte durante a cúpula da OTAN no The Grove, quarta-feira, 4 de dezembro de 2019, em Watford, Inglaterra.  Foto: Evan Vucci/AP

O antigo consenso que perdurou mesmo nos primeiros anos após o fim da Guerra Fria se desgastou sob o peso da globalização, das guerras no Iraque e no Afeganistão, da Grande Recessão de 2008-09 e do ataque implacável de Trump às instituições e aos acordos internacionais. Embora as pesquisas mostrem que a maioria dos americanos ainda apoia a Otan e outras alianças, as objeções cada vez mais expressivas em alguns setores remetem a um século atrás, quando grande parte dos Estados Unidos queria apenas ser deixada em paz.

“A estrutura de alianças foi criada para vencer a Guerra Fria e está meio que atrofiada”, disse Michael Beckley, estudioso da competição entre grandes potências da Universidade Tufts. “Trump foi obviamente muito chocante quando assumiu o cargo, mas isso faz parte de uma tendência de longo prazo.” De fato, acrescentou, “se você observar a história dos EUA, os últimos 80 anos são vistos como uma aberração. Durante a maior parte da história dos EUA, os americanos achavam que tinham uma situação muito boa aqui no continente e que eram, em grande parte, independentes economicamente de outros países, e isso ainda é verdade hoje”.

Essa tensão histórica entre o nacionalismo “fique sozinho” e o internacionalismo de coalizão ampla se manifestou de forma contundente na última semana. Poucos dias depois de seu discurso, Trump prometeu acabar com toda a ajuda externa “sem a esperança de um retorno” se ele ganhar seu antigo emprego de volta, oferecendo apenas empréstimos a serem reembolsados. E o presidente da Câmara Mike Johnson e os republicanos da Câmara se recusaram a considerar um pacote de ajuda de segurança de US$ 95 bilhões para aliados americanos na Ucrânia, Israel e Taiwan.

Até mesmo alguns dos falcões republicanos mais declarados do Senado votaram contra a ajuda, principalmente Lindsey Graham, da Carolina do Sul, que se opôs ao pacote depois de conversar com Trump. Graham, que há muito tempo promove a liderança musculosa dos Estados Unidos e se apresenta como um feroz apoiador da Ucrânia e de Israel, juntou-se a seus colegas republicanos para exigir ações mais duras para proteger a fronteira dos Estados Unidos com o México, mesmo que isso custe aos aliados.

Publicidade

O surto de neoisolacionismo em detrimento do internacionalismo certamente será o principal tópico de discussão na Conferência de Segurança de Munique, que começa na sexta-feira, enquanto a vice-presidente Kamala Harris, o secretário de Estado Antony Blinken e outras autoridades americanas tentam tranquilizar os aliados. Em um sinal de que muita coisa mudou, Graham se retirou abruptamente como líder de uma delegação do Congresso para a conferência, onde ele tem sido um fiel frequentador há anos.

“Nossos aliados estão observando isso de perto”, disse Jake Sullivan, assessor de Segurança Nacional do presidente Biden, aos repórteres na quarta-feira, ao pedir a aprovação da ajuda à segurança. “Nossos adversários estão observando isso de perto.”

“Há quem diga que a liderança dos EUA e nossas alianças e parcerias com países do mundo todo não importam ou devem ser desfeitas ou abandonadas”, acrescentou. “Sabemos pela história que, quando não enfrentamos os ditadores, eles continuam. E as consequências disso seriam graves para a segurança nacional dos EUA, para nossos aliados da Otan e para outros países do mundo.”

O presidente Donald Trump e o presidente Vladimir Putin durante uma coletiva de imprensa conjunta em Helsinque, em 16 de julho de 2018. Foto: Doug Mills/The New York Times

Trump nunca viu as coisas dessa forma. Embora ele tenha sido ideologicamente flexível em muitas questões ao longo dos anos, uma constante desde a década de 1980 tem sido sua convicção de que os Estados Unidos têm sido prejudicados pelos aliados em termos de comércio, imigração e segurança. Os tempos finalmente alcançaram seus pontos de vista, e ele transformou as brasas do desencanto em uma chama completa.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Ele conseguiu afastar o debate do engajamento internacional em várias frentes. Se antes ambos os partidos favoreciam os acordos de livre comércio e passaram décadas expandindo-os em todo o mundo, agora nenhum deles o faz. Enquanto os democratas e pelo menos alguns republicanos, não faz muito tempo, estavam abertos à imigração dentro de limites, as negociações atuais em Washington tratam apenas de proteger a fronteira, sem medidas para legalizar as pessoas que estão aqui ilegalmente.

Trump e seus assessores rejeitam o rótulo de isolacionistas em favor de nacionalistas, dizendo que, dadas as mudanças no mundo desde a queda do comunismo, é hora de repensar as prioridades americanas para uma nova era. A Otan e outras alianças, segundo eles, não representam mais os interesses dos EUA.

“A antiga ideia de defesa coletiva da Otan precisa ser reavaliada”, disse Russell Vought, ex-diretor de orçamento de Trump, que agora é presidente do Center for Renewing America, ao Financial Times. “Temos uma visão mais restrita de nossos interesses do que a Estônia gostaria que tivéssemos”.

Publicidade

Todos os presidentes desde o fim da Guerra Fria chegaram ao cargo prometendo um foco maior em casa depois do que eles retrataram como muita atenção no exterior, embora a maioria tenha achado difícil cumprir essa promessa.

Bill Clinton derrotou o construtor de coalizões internacionais George H.W. Bush prometendo se concentrar “como um raio laser na economia”, mas acabou dando início à expansão da Otan no território anteriormente dominado pela União Soviética. George W. Bush sucedeu Clinton prometendo reduzir a construção de nações no exterior, mas acabou se transformando em um presidente de guerra após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Barack Obama levou sua oposição à guerra do Iraque para o cargo e trouxe de volta para casa a maioria das tropas estacionadas lá e no Afeganistão, mas acabou entrando em guerra na Líbia para impedir o massacre de civis e, mais tarde, novamente contra o Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Até mesmo Biden, um internacionalista convicto, chegou à Casa Branca determinado a acabar com a guerra no Afeganistão e abandonou décadas de filosofia bipartidária de livre comércio. Mas ele reuniu aliados para combater a invasão da Ucrânia pela Rússia, reunificou a aliança da Otan e construiu uma rede mais ampla de alianças na região do Indo-Pacífico para combater uma China agressiva.

Nenhum desses presidentes recentes, entretanto, foi tão hostil às alianças e aos acordos internacionais quanto Trump, que não apenas ameaçou sair da Otan, mas também tentou retirar unilateralmente as tropas da Alemanha e da Coreia do Sul. Trump retirou os Estados Unidos do acordo climático de Paris, do acordo nuclear com o Irã, do pacto de livre comércio da Parceria Transpacífico e de outras instituições internacionais.

O assessor de segurança nacional da Casa Branca, Jake Sullivan, fala em uma coletiva de imprensa na Casa Branca em Washington, segunda-feira, 24 de abril de 2023.  Foto: Andrew Harnik/AP

Todos os outros presidentes recentes reclamaram do fato de os aliados europeus não cumprirem sua parte justa do ônus da defesa - Obama os ridicularizou como “caronas” - mas nunca tão alto ou tão ameaçadoramente quanto Trump, que há muito tempo sugere que considera isso uma condição para que os Estados Unidos possam ajudá-los, independentemente do compromisso de defesa mútua do Artigo 5 do tratado da Otan. Até mesmo muitos dos críticos de Trump concordam que os aliados da Otan precisam fazer mais, embora discordem de sua abordagem.

Sob o comando de Trump, o número de membros da Otan que atingiram a meta de gastar 2% de seu produto interno bruto em suas próprias Forças Armadas aumentou de seis para nove. Sob o comando de Biden, o número dobrou para 18, anunciou Jens Stoltenberg, secretário-geral da Otan, na quarta-feira, embora isso provavelmente reflita o medo da Rússia desde a invasão da Ucrânia, um Estado que não pertence à Otan, mais do que a pressão de Washington.

Nos Estados Unidos, o descontentamento com as alianças pode ser encontrado tanto na esquerda quanto na direita, com os liberais desencantados com as guerras do Iraque e do Afeganistão e mais dispostos a culpar a expansão da Otan pela agressão russa, e os conservadores mais desconfiados em relação aos estrangeiros e determinados a afirmar o que consideram interesses americanos.

Publicidade

O slogan “America First” (América em primeiro lugar) de Trump reflete o slogan usado pelos isolacionistas antes da 2ª Guerra Mundial, um grupo mais tarde desacreditado por ser muito simpático ou ingênuo em relação aos nazistas de Adolf Hitler. Mesmo quando lhe contaram a história do slogan, Trump ignorou a mácula e o adotou como uma expressão concisa de sua visão de mundo.

“Minha intuição é que ele está apenas levando a antiga parcela isolacionista de um terço do público dos EUA para uma nova direção”, disse Ivo H. Daalder, ex-embaixador da Otan durante o governo Obama. “Ele está mobilizando um eleitorado que sempre foi contra isso. Alguns deles podem estar cansados da guerra do Iraque ou sofreram com a globalização. É provável que haja uma sobreposição entre esses grupos. Mas as pessoas que você associaria ao antiguerra e à antiglobalização antes de Trump estariam na esquerda. Este é o da direita”.

O Chicago Council on Global Affairs, do qual Daalder é diretor executivo, descobriu em pesquisas que a maioria dos americanos ainda apoia as alianças, mas que a diferença partidária aumentou muito na era Trump.

Enquanto 80% dos democratas acreditam que os Estados Unidos se beneficiam das alianças com a Europa, apenas 50% dos republicanos acreditam, de acordo com pesquisas divulgadas em outubro, com números semelhantes para alianças no Leste Asiático. 68% dos democratas apoiariam a ajuda aos aliados da Otan, como Lituânia, Estônia ou Letônia, em caso de invasão da Rússia, enquanto apenas 48% dos republicanos o fariam.

O próprio Partido Republicano está cada vez mais dividido entre a facção Trump e a facção não-Trump, segundo as pesquisas do Instituto. Apenas 40% dos republicanos de Trump apoiam a ajuda militar para a Ucrânia, enquanto 59% dos que se identificam como não republicanos de Trump são a favor, quase o mesmo nível de 63% entre o público em geral.

“A história mais ampla é o fim do bipartidarismo em um conjunto de questões”, disse Daalder. “Se observarmos os independentes e os democratas - muito pró-Ucrânia, pró-ajuda, pró-alianças, acreditando que uma função de liderança compartilhada é mais importante do que uma função unilateral, disposição para defender os aliados - tudo isso está presente. Onde ele começa a cair é entre os republicanos e, na verdade, entre os republicanos que têm uma visão muito favorável de Donald Trump.”

Heather A. Conley, presidente do German Marshall Fund of the United States, um grupo que promove o relacionamento transatlântico, e ex-funcionária do Departamento de Estado, disse que o problema é que o público americano passou a ver apenas as compensações das alianças, e não o valor que elas trazem.

Publicidade

“Nos últimos 20 anos, os líderes de segurança nacional pararam de falar sobre os benefícios e só falaram sobre os custos”, disse ela. “E ainda assim a Otan seguiu a agenda de segurança nacional americana.” Os aliados da Otan apoiaram os Estados Unidos na luta contra o terrorismo, apoiando a guerra no Afeganistão e se unindo contra a assertividade chinesa.

Conley observou que as forças antiamericanas estavam cada vez mais forjando seu próprio alinhamento, apontando para a convergência de interesses da Rússia, China, Irã e até mesmo da Coreia do Norte. “É exatamente nesse momento que precisamos de uma arquitetura de aliança global”, disse ela. “Essa é a nossa vantagem comparativa. É a nossa força. É a única maneira de sairmos vitoriosos. Mas é preciso explicar isso com muita clareza e os americanos precisam entender os benefícios”.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.