PUBLICIDADE

Apoio a Israel pode fazer Biden perder Michigan - e toda a eleição

Moradores de Estado com grande população árabe-americana organizam voto de protesto contra presidente americano

Por Michelle Goldberg
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - Por mais indignada que esteja com o firme apoio do presidente Joe Biden a Israel, Layla Elabed não descarta votar nele nas eleições de novembro deste ano.

PUBLICIDADE

Progressista, palestino-americana e voluntária em organizações comunitárias em Dearborn, cidade de Michigan majoritariamente árabe-americana, ela não quer ver Donald Trump de volta ao cargo. “Trump nunca foi um amigo de nossa comunidade”, disse-me ela enquanto estávamos em uma moderna cafeteria iemenita.

Mas, para reconquistá-la, disse que “o mínimo” que Biden precisa fazer é reformular completamente a relação dos Estados Unidos com Israel, exigir um fim permanente dos ataques e encerrar a ajuda militar, pelo menos enquanto sua guerra na Faixa de Gaza continuar.

Imagem mostra presidente dos EUA, Joe Biden, em encontro com movimento sindicalista americano em Michigan, em 1º de fevereiro. População árabe-americana do Estado pode ser decisiva para eleição de Biden por causa do apoio americano à Israel Foto: Evan Vucci / AP

Dado o forte apoio a Israel tanto em gestões democratas quanto republicanas, estou confiante de que um corte na ajuda não vai acontecer tão cedo. Mas, ao falar com Elabed, irmã mais nova da deputada Rashida Tlaib, senti um abismo entre minhas suposições resignadas sobre como a política dos EUA funciona e suas convicções sobre o que é necessário para evitar ainda mais mortes em Gaza.

“Vivemos tempos sem precedentes em que testemunhamos um genocídio se desenrolar diante de nossos olhos”, disse Elabed. O apoio de Biden a Israel pode ser previsível, mas para ela e outros como ela, tornou-se intolerável. Por isso, Elabed lidera a campanha “Listen to Michigan”, que está se organizando para fazer as pessoas protestarem contra a maneira como Biden está lidando com a guerra. O plano é votar “indeciso” nas primárias democratas desta terça, 27.

Biden provavelmente nunca vai satisfazer aqueles mais horrorizados por suas políticas no Oriente Médio, mas, se ele não fizer mais para tentar, corre o risco de perder Michigan em novembro, o que quase certamente custaria a eleição.

O estado tem a maior porcentagem de eleitores árabe-americanos do país, e dentro dessa comunidade há um profundo sentimento de traição em relação a Biden por apoiar o premiê Binyamin Netanyahu.

Publicidade

Esses eleitores ouviram Biden criticar o bombardeio “indiscriminado” e “exagerado” de civis e infraestrutura palestinos por Israel, mas não veem sua administração tomando medidas significativas para contê-lo.

Dada a intensidade do sentimento pró-Israel em alguns setores do Partido Democrata, romper com Israel há muito tempo é visto como politicamente arriscado. A margem de “indecisos” em Michigan será um indicador imperfeito, mas útil, do grau em que manter-se fiel a Israel também se tornou arriscado.

Elabed disse que a “Listen to Michigan”, que começou oficialmente há apenas algumas semanas, tem como objetivo obter de 10 mil a 15 mil votos, o suficiente para “enviar a mensagem a Biden, sua administração e o Partido Democrata de que somos uma força política”.

A margem de Trump em Michigan em 2016 foi de cerca de 10 mil votos, embora Biden tenha vencido por muito mais do que isso em 2020.

Funcionários eleitorais preparam ficha de votação em Michigan para primárias democratas e republicanas, em imagem desta terça-feira, 27 Foto: Rebecca Cook/Reuters

PUBLICIDADE

A campanha gastou seis dígitos em panfletos e publicidade digital. Líderes árabe-americanos de destaque, incluindo Tlaib; Abdullah Hammoud, prefeito de Dearborn; e Abraham Aiyash, líder da maioria democrata da Câmara de Michigan, estão todos a bordo, assim como a Our Revolution, o grupo fundado por Bernie Sanders em 2016, embora Sanders tenha renegado a campanha pelo “indeciso”.

A equipe de Biden parece entender que está em apuros em Michigan. No início deste mês, enviaram assessores a Dearborn para se reunir com líderes árabe-americanos, incluindo um da “Listen to Michigan”.

Na semana seguinte, Biden emitiu uma ordem protegendo milhares de palestinos nos EUA de deportação pelos próximos 18 meses. Em um passo importante contra o extremismo israelense, ele impôs sanções aos colonos na Cisjordânia.

Publicidade

Mas, enquanto seus esforços não abordarem diretamente o sofrimento em Gaza, não vão aplacar os ativistas. E, embora pareça óbvio que Trump seria pior nas questões que os ativistas pró-palestinos se importam, a desesperança deles em exercer pressão sobre Biden parece, por enquanto, superar o medo do retorno de Trump.

Portanto, é um imperativo político e moral para Biden fazer mais do que simplesmente lamentar as vítimas civis palestinas, especialmente enquanto Israel ameaça invadir a cidade de Rafah, no sul de Gaza, onde mais de 1 milhão de pessoas deslocadas estão se abrigando.

Epidemiologistas proeminentes estimaram que, se a guerra se intensificar, mais 85 mil pessoas em Gaza poderiam morrer nos próximos seis meses. A necessidade urgente de evitar o maior número possível dessas mortes transcende a política dos EUA, e deveria ser motivo suficiente para a administração parar de proteger Israel na ONU, onde na última semana vetou outra resolução de cessar-fogo.

Mas, dadas as apostas da eleição de 2024, as implicações políticas da guerra em curso não podem ser ignoradas. “Eu não vejo Biden ganhando Michigan a menos que mude de rumo em relação a Gaza”, disse-me o ex-deputado democrata Andy Levin.

De todas as pessoas que se juntaram ao movimento de votar “indeciso” na terça-feira, Levin foi o que mais me surpreendeu, porque no mês passado ele rejeitou contatos de progressistas que queriam que ele desafiasse Biden para a nomeação.

Levin, cujo pai e tio serviram no Congresso por mais de três décadas, é judeu e ex-presidente de uma sinagoga —cargo agora ocupado por seu filho— que, em 2022, foi alvo do Comitê de Assuntos Públicos de Israel Americano por sua crítica incansável à ocupação de Israel na Cisjordânia e na Faixa de Gaza. O grupo gastou mais de US$ 4 milhões para derrotá-lo em uma primária democrata.

Para alguns à esquerda, a combinação de raízes profundas em Michigan de Levin e a defesa dos direitos palestinos o tornaram um veículo promissor e único para mensagens anti-guerra.

Publicidade

Na revista de esquerda In These Times, o historiador da Universidade de Chicago Gabriel Winantfalou sobre ideia de convocar Levin para concorrer contra Biden: “A relação entre o militarismo israelense e o autoritarismo político aqui em casa é algo que ele entende intimamente”.

No entanto, Levin não estava interessado. “Estou apoiando Joe Biden. Estou muito orgulhoso de ter servido com ele”, disse ao Politico, comparando este momento na política dos EUA ao clima político na Alemanha em 1932, quando o país estava à beira do nazismo.

Levin não mudou de ideia sobre a importância da reeleição de Biden: ao apoiar o movimento “indeciso”, ele disse que está tentando salvar o presidente, não destruí-lo.

Levin apresenta o “Listen to Michigan” como uma forma para os democratas expressarem sua indignação enquanto deixam a porta aberta para retornar ao grupo em novembro, e assim uma alternativa pragmática às chamadas de um grupo separado de ativistas para “abandonar Biden”.

Muitos dos que trabalham no “Listen to Michigan”, disse, são “pessoas que sentem que é uma crise urgente que temos que mudar de rumo em Gaza por razões substantivas” e que fazê-lo é a melhor maneira para Biden vencer Trump. “É muito bonito quando objetivos políticos práticos se alinham com a coisa certa a se fazer.”

Há muitos democratas, em Michigan e em outros lugares, que não veem esse alinhamento. A governadora do estado, Gretchen Whitmer, que emergiu como uma das principais porta-vozes de Joe Biden, argumenta que votos de protesto na primária de Michigan só enfraquecerão Biden antes de novembro. “Cada voto que não apoia Joe Biden torna mais provável termos uma presidência de Trump”, disse.

Mas uma recusa em levar a sério o desencanto com Biden também pode tornar mais provável uma presidência de Trump.

Publicidade

Uma pesquisa recente da empresa de pesquisa com sede em Michigan EPIC-MRA descobriu que 53% dos eleitores do estado e 74% dos democratas apoiam um cessar-fogo em Gaza.

Essa mesma pesquisa mostrou Trump à frente em Michigan por quatro pontos, embora isso seja igual à margem de erro da pesquisa. “Isso aponta para uma possível vitória de Trump a menos que as coisas mudem drasticamente”, disse Bernie Porn, um pesquisador da EPIC-MRA, ao The Detroit Free Press.

Dado o quão catastrófico seria outro mandato de Trump — inclusive em Israel, onde a ultradireita fantasia sobre seu retorno —, acho irritante as pessoas que ameaçam não votar em Biden. Mas, se os democratas querem que eles mudem de ideia, ouvi-los será mais eficaz do que dar palestras a eles.