PUBLICIDADE

Assassinato de John F. Kennedy: relembre o crime e o seu impacto nos EUA

Naquela época, Kennedy e os seus conselheiros políticos preparavam-se para a próxima campanha presidencial. Embora não tivesse anunciado formalmente a sua candidatura, era evidente que Kennedy iria concorrer e estava confiante nas suas possibilidades de reeleição

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Era uma ensolarada sexta-feira, 22 de novembro de 1963, com uma multidão espalhada pelas ruas para ver a carreata do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy ,seguir do aeroporto Love Field, em Dallas, por uma rota de dezesseis quilômetros que serpenteava pelo centro de Dallas a caminho do Trade Mart, onde o presidente deveria discursar durante um almoço.

PUBLICIDADE

No conversível aberto já estavam o motorista e o segurança, o governador do Texas, John Connally e sua esposa, Nellie. Os Kennedy entraram e sentaram-se atrás deles, depois de cumprimentar a multidão.

Naquela época, Kennedy e os seus conselheiros políticos preparavam-se para a próxima campanha presidencial. Embora não tivesse anunciado formalmente a sua candidatura, era evidente que Kennedy iria concorrer e estava confiante nas suas possibilidades de reeleição.

Kennedy for morto em Dallas, em novembro de 1963  Foto: : Victor Hugo King/Library of Congress/Reuters

No final de setembro, o presidente viajou para o oeste, discursando em nove Estados diferentes em menos de uma semana. Kennedy usava a viagem para sondar temas como a educação, a segurança nacional e a paz mundial na sua candidatura em 1964.

Kennedy e seus conselheiros acreditavam que vencer na Flórida e no Texas seria essencial para ganhar a futura eleição. A viagem fazia parte de uma turnê de dois dias por cinco cidades do Texas, onde o presidente americano enfrentava disputas com outras lideranças democratas no Estado, então considerado um bastião anti-Kennedy.

A viagem era a primeira aparição pública de Jackie Kennedy, que não queria ir. Ela ainda se recuperava da perda do terceiro filho, Patrick, que nasceu prematuro e morreu dois dias depois.

Lee Harvey Oswald foi apontado como o único responsável pelo crime Foto: Victor Hugo King/Library of Congress/Reuters

O carro aberto saiu da Main Street em Dealey Plaza por volta das 12h30. Ao passar pelo Texas School Book Depository, tiros reverberaram repentinamente na praça. As balas atingiram o pescoço e a cabeça do presidente e ele caiu sobre Jackie Kennedy. O governador levou um tiro nas costas.

Publicidade

O carro partiu para o Parkland Memorial Hospital, a poucos minutos de distância. Mas pouco poderia ser feito pelo presidente. Um padre católico foi convocado para administrar a extrema-unção, e às 13h00, John F. Kennedy foi declarado morto. Embora gravemente ferido, o governador Connally se recuperaria.

O corpo do presidente foi levado para Love Field e colocado no Força Aérea Um. Antes de o avião decolar, Lyndon B. Johnson, de rosto sombrio, ficou no compartimento apertado e lotado e prestou juramento, administrado pela juíza do Tribunal Distrital dos EUA, Sarah Hughes, se tornando o novo presidente. A breve cerimônia aconteceu às 14h38.

Menos de uma hora antes, a polícia havia prendido Lee Harvey Oswald, um funcionário recentemente contratado no Texas School Book Depository. Ele estava detido pelo assassinato do presidente Kennedy e pelo tiroteio fatal, pouco depois, do patrulheiro J. D. Tippit em uma rua de Dallas.

PUBLICIDADE

Na manhã de domingo, 24 de novembro, Oswald estava programado para ser transferido da sede da polícia para a prisão do condado. Os telespectadores de toda o país que assistiam à cobertura televisiva ao vivo de repente viram um homem apontar uma pistola e disparar à queima-roupa. O agressor foi identificado como Jack Ruby, dono de uma boate local. Oswald morreu duas horas depois no Hospital Parkland.

Em dezembro de 2021, Joe Biden liberou uma série de arquivos secretos do governo relacionados ao assassinato de Kennedy. Um lote de arquivos com 1.491 documentos, 958 dos quais são da CIA, foram publicados pelos Arquivos Nacionais e Administração de Documentos (Nara, na sua sigla em inglês) - o que corresponde a menos de 10% dos 15.834 documentos que permaneceram parcial ou totalmente sigilosos até agora, e não esclarece em definitivo todas as dúvidas sobre o caso.

O vice-presidente Lyndon Johnson assumiu o cargo logo após a morte de John F. Kennedy , Foto: Victor Hugo King/Library of Congress/Reuters

Quem foi John F. Kennedy

Nascido em uma família católica de proeminentes políticos vinculados ao Partido Democrata, realizou os primeiros estudos em diversas instituições, como a Edward Devotion School e a Dexter School.

Em 1927, mudou-se com a família para o Bronx, em Nova York. Matriculou-se em Harvard em 1936, tendo se formado em relações internacionais em 1940. Sua tese, intitulada “Porque a o Reino Unido dormiu”, analisava a falha da Inglaterra em não tomar atitudes para evitar a eclosão da Segunda Guerra Mundial.

Publicidade

Quando os Estados Unidos declararam guerra ao eixo, ingressou na marinha. Em 1943, o torpedeiro em que estava sofreu um ataque do exército japonês, e Kennedy, ferido, ajudou a resgatar a tripulação, tendo sido condecorado por seu serviço. Findada a guerra, concorreu ao cargo de deputado em 1946.

Em imagem de arquivo, o então presidente americano John F. Kennedy e a primeira-dama, Jacqueline Kennedy, desembarcam do Air Force One em Dallas, no dia em que ele foi morto Foto: JFK Library/The White House/Cecil Stoughton/File Photo via Reuters

Em 1952, foi eleito senador pelo estado de Massachusetts. No ano seguinte, casou-se com a jornalista Jacqueline Lee Bouvier, com quem teve dois filhos, Caroline, nascida em 1957, e John Junior, nascido em 1960. Na mesma época, realizou uma cirurgia nas costas e começou a escrever o livro “Profiles in Courage”, que lhe renderia o prêmio Pulitzer em história de 1955. A obra traçava a trajetória heroicizada de oito senadores americanos que haviam contestado orientações partidárias e pressões empresariais para seguir suas convicções políticas.

Em 1960, foi escolhido para ser candidato democrata à presidência. Concorreu contra o candidato republicano Richard Nixon, um forte opositor e com grandes chances de vitória. As campanhas foram marcadas pelos primeiros debates presidenciais televisivos, nos quais Kennedy se saiu surpreendentemente bem.

Em sua campanha, o democrata condenou a debilidade da administração Eisenhower-Nixon frente à ameaça soviética e clamou por renovação política. No mesmo ano, foi eleito presidente dos Estados Unidos por uma pequena margem de votos, tornando-se o primeiro católico a governar o país e o mais jovem presidente norte-americano.

Presidente John F. Kennedy e a primeira-dama Jacqueline em Washington, em 1961 Foto: The White House/John F. Kennedy Presidential Library via The New York Times

Polêmicas do governo Kennedy

O governo Kennedy passou por diversas crises e é lembrado por uma série de episódios essenciais na história do século XX. Em 1961, o presidente aprovou a malfadada tentativa de invasão da Baía dos Porcos, em Cuba, organizada por cubanos exilados contrários ao regime castrista.

Em 1962, a União Soviética instalou mísseis atômicos em Cuba, o que gerou uma grave crise política que quase desembocou em um terceiro conflito mundial.

O presidente americano e seu ministro da defesa, Robert McNamara, foram responsáveis por articulações essenciais visando a retirada dos mísseis que ameaçavam o país. Em 1963, o presidente assinou um tratado com o Reino Unido e a União Soviética, no qual os países se comprometiam a proscrever seus testes nucleares.

Publicidade

Em 1961, o presidente lançou a Aliança para o Progresso, um programa voltado para a cooperação financeira e técnica com os países da América Latina tendo por objetivo o desenvolvimento econômico destas nações.

O governo americano temia o surgimento de condições favoráveis à eclosão de uma rebelião aos moldes da revolução cubana, que havia culminado com a adoção do comunismo.

Na mesma época, o presidente defendeu políticas anti-discriminatórias e antirracistas, o que lhe rendeu considerável apoio por parte do movimento negro. Foi auxiliado nesse empreendimento por seu irmão, Robert Francis Kennedy, secretário de justiça e ativista por direitos civis. Sua administração também se preocupou com a corrida espacial, tendo o presidente declarado em 1961 a sua intenção americana de enviar homens à lua.

No dia 22 de novembro de 1963, em uma visita à cidade de Dallas (Texas), com a qual o presidente buscava mediar disputas dentro do Partido Democrata, foi assassinado com tiro na cabeça. O autor do crime teria sido um fanático, Lee Harvey Oswald, que, contudo, foi assassinado dois dias depois de sua prisão. As condições misteriosas da morte de Kennedy, a inconclusividade das investigações e as negativas de Lee Harvey Oswald, simples funcionário do Texas School Book Depository, tornaram o assassinato de Kennedy um tema de debate.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.