PUBLICIDADE

Biden diz que Israel está perdendo apoio após Netanyahu rejeitar plano americano para Gaza

Comentários de Biden representaram a ruptura mais acentuada até o momento na linguagem que os Estados Unidos têm usado em relação a Israel desde o início da guerra

Foto do author Redação
Por Redação

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, deu nesta terça-feira, 12, o sinal mais claro de divergência com o primeiro-ministro de Israel, Binyamin Netanyahu, depois de o líder israelense ter rejeitado publicamente a visão americana para o futuro da Faixa de Gaza, que incluiria a Autoridade Palestina substituindo o Hamas no comando do enclave.

PUBLICIDADE

Mais cedo, Netanyahu reconheceu desacordos com a Casa Branca e deixou claro em um comunicado publicado nas redes sociais que é contra ceder o comando de Gaza à Autoridade Palestina.

“Eu gostaria de ser claro: Israel não repetirá os erros dos Acordos de Oslo”, disse Netanyahu em uma declaração em vídeo postada nas redes sociais Após o grande sacrifício de nossos civis e soldados, não permitirei a entrada em Gaza daqueles que educam para o terrorismo, apoiam o terrorismo e financiam o terrorismo Gaza não será nem ‘Hamastão’ nem o ‘Fatahstão’.”

O Fatah é a facção política que controla a Autoridade Palestina desde os acordos de Oslo, em 1993. Rival do Hamas, foi expulsa de Gaza em 2007, mas ainda administra partes da Cisjordânia ocupada por Israel.

Um manifestante segura um cartaz com a imagem do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu durante uma manifestação pelos Direitos Humanos à Paz, em Madri, em 10 de dezembro de 2023. Foto: OSCAR DEL POZO / AFP

As declarações de Biden vieram logo em seguida, recheadas de críticas à coalizão de governo de Netanyahu, a mais à direita da história de Israel. “Eles estão começando a perder esse apoio”, disse Biden, argumentando que Netanyahu precisava fazer mudanças em seu governo.

O presidente americano ainda disse em um discurso em Washington que a comunidade internacional estava se voltando contra o governo israelense. Até agora, mais de 15 mil palestinos morreram na resposta israelense aos atentados de 7 de outubro, segundo o ministério de Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas. Do lado israelense, 1,2 mil pessoas morreram nos ataques.

Até agora, os Estados Unidos apoiaram Israel tanto em ações quanto em retórica - apoiando o ataque a Gaza, rejeitando pedidos de cessar-fogo na ONU e autorizando a venda de milhares de projéteis de tanque para os israelenses. NYT

Publicidade

O presidente dos EUA, Joe Biden, à esquerda, reúne-se com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, à direita, para discutir a guerra entre Israel e o Hamas, em Tel Aviv, Israel, em 18 de outubro de 2023.  Foto: Miriam Alster / AP

Israel lançou seu ataque a Gaza depois que militantes liderados pelo Hamas realizaram ataques terroristas devastadores em Israel a partir da enclave em 7 de outubro, matando aproximadamente 1.200 pessoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.