PUBLICIDADE

Câmara dos EUA aposta em separar Israel de Ucrânia para votar ajuda após semanas de impasse

Pacote de US$ 95 bilhões aprovado no Senado está travado há dois meses por pressão da ala mais radical do Partido Republicano, que resiste em mandar dinheiro para Kiev

Foto do author Redação
Por Redação

WASHINGTON - O presidente da Câmara dos EUA, Mike Johnson (republicano), aposta em separar a ajuda a Israel, Ucrânia e Taiwan na tentativa de avançar ainda esta semana com o pacote de segurança, que está travado há semanas por pressão do próprio partido, que resiste em mandar mais dinheiro para Kiev. O plano foi detalhado nesta segunda-feira, 15.

PUBLICIDADE

Pressionado pelo ataque do Irã, que retaliou a morte de comandantes no consulado da Síria lançando mísseis e drones contra Israel, Johnson deu o primeiro indício concreto de que pretende avançar, de alguma forma, com os US$ 95 bilhões, em assistência a aliados, aprovados pelo Senado há dois meses.

A ideia, contudo, é fatiar essa ajuda. Na sexta-feira, é esperado que os deputados votem separadamente sobre os recursos para Israel, Ucrânia e Taiwan. Além disso, deve ser levado ao plenário um projeto pensado para atender exigências dos republicanos em política externa, como a apreensão de bens russos.

Presidente da Câmara Mike Johnson discursa no Congresso, 11 de abril de 2024. Foto: Saul Loeb/AFP

“Vamos analisar projetos de lei separados nesta semana para financiar nosso aliado Israel, apoiar a Ucrânia em sua guerra contra a agressão russa, fortalecer nossos aliados no Indo-Pacífico e aprovar medidas adicionais para contrariar nossos adversários”, afirmou Johnson no X, antigo Twitter.

Os parlamentares terão direito a propor mudanças, o que poderia prolongar as discussões.

A ajuda dos Estados Unidos ficou estagnada em um Congresso dividido, depois que Johnson, aliado do candidato republicano à presidência Donald Trump, bloqueou o pacote de segurança que foi pedido pelo presidente Joe Biden e aprovado pelo Senado.

“Não votaremos o pacote do Senado em sua forma atual”, disse Johnson nesta segunda-feira. “Mas votaremos cada uma dessas medidas separadamente em quatro partes diferentes”, explicou.

Publicidade

Mais cedo, a Casa Branca descartou qualquer projeto de lei que tivesse assistência apenas para Israel. “Um projeto independente não ajudaria Israel nem a Ucrânia”, afirmou a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre.

O governo Biden vinha pressionando a Câmara para aprovar os US$ 60 bilhões para Kiev, que enfrenta dificuldades na linha de frente da guerra e se mostra cada vez mais frustrada com os aliados no Ocidente.

Israel, por sua vez, foi atacado pelo Irã com mais de 300 drones e mísseis, o que elevou os temores de guerra aberta no Oriente Médio. Foi depois disso, que Mike Johnson sinalizou a votação.

“Uma série de acontecimentos ocorreram ao redor do mundo e os estamos analisando com muita atenção. Sabemos que o mundo nos observa e quer ver como reagiremos”, disse o presidente da Câmara.

PUBLICIDADE

Ainda não está claro, no entanto, se a aposta de Johnson será bem sucedida. Enquanto os republicanos linha-dura são resistentes a liberar dinheiro para Ucrânia, os democratas mais progressistas têm criticado o apoio dos Estados Unidos a Israel, ou seja, a aprovação dependeria de um complexa mistura bipartidária.

O Partido Republicano tem uma estreita vantagem de dois deputados na Câmara e a liderança de Mike Johnson tem sido desafiada por republicanos radicais, que ameaçam destituí-lo do cargo, como fizeram com o seu antecessor Kevin McCarthy. A deputada Marjorie Taylor Greene, uma de suas críticas mais vocais dentro do partido, chamou o plano de “fraude”, mas não disse se vai tentar removê-lo do cargo./AFP, EF, AP, NY Times e W. Post

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.