PUBLICIDADE

Com guerra entre Rússia e Ucrânia estagnada, Kiev intensifica sabotagens e mira trens

Enquanto as forças convencionais lutam para romper as linhas defensivas, ambos os lados estão se voltando cada vez mais para as táticas de guerrilha

Por Marc Santora

The New York Times - Os sabotadores conseguiram colocar quatro explosivos em um trem de carga russo que transportava diesel e combustível de aviação, a cerca de 5.000 km da fronteira com a Ucrânia. Porém, mais importante do que a destruição do trem, segundo autoridades da inteligência ucraniana, foi o momento da explosão.

PUBLICIDADE

Eles precisavam que a explosão ocorresse no momento em que os 50 vagões estivessem viajando pelo túnel de nove milhas de comprimento através das montanhas Severomuiski, o mais longo túnel de trem da Rússia.

Os ucranianos esperavam comprometer um canal vital para o envio de armas da Coreia do Norte para a Rússia, em um momento em que as forças ucranianas na frente de batalha estão lutando para evitar os implacáveis ataques russos. Os trens podem ser substituídos e os trilhos rapidamente reparados. Mas danos graves a esse túnel, que levou décadas para ser construído, podem não ser tão fáceis de consertar.

A Rússia e a Ucrânia continuam lutando em grande escala, tanto no solo quanto com ataques aéreos. Autoridades russas acusaram a Ucrânia de atacar uma cidade russa, Belgorod, no sábado, matando pelo menos 20 pessoas e ferindo mais de 100 outras, em aparente resposta a uma enorme barragem de mísseis russos em várias cidades ucranianas no dia anterior. Os russos revidaram no domingo, atacando Kharkiv e Kiev.

Nesta foto retirada de um vídeo divulgado pelo Comitê Investigativo da Rússia, funcionários da Russian Railways Company trabalham ao lado de vagões de trem descarrilados que transportavam carga na região de Ryazan, e teriam sido sabotados pela Ucrânia  Foto: Comitê Investigativo da Rússia / via AP

No entanto, as táticas de guerrilha - incluindo sabotagem, ataques de comandos, assassinatos direcionados e tentativas de explodir depósitos de munição, oleodutos e ferrovias - adquiriram maior importância à medida que a frente ucraniano-russa, com 960 km de extensão, está em um congelamento literal, e os dois lados não conseguem fazer avanços substanciais.

Assim, às 17h20 de 29 de novembro, um incêndio atingiu o túnel, informou a Russian Railways. A mídia russa transmitiu imagens de chamas ao redor da entrada do túnel, e as autoridades disseram que a explosão foi causada pela “detonação de um dispositivo explosivo não identificado”.

A extensão dos danos não está clara. Cada lado fez avaliações divergentes do impacto da explosão. Mas uma segunda explosão em uma rota alternativa de trem nas proximidades ocorreu 48 horas depois. Combinadas com outros atos de sabotagem na Rússia e atrás das linhas russas na Ucrânia ocupada, as explosões sinalizaram a crescente dependência de Kiev de táticas irregulares para ajudar as forças convencionais a se defenderem desesperadamente contra a intensificação dos ataques russos.

Publicidade

“A guerra na Ucrânia está mudando neste momento, à medida que a Ucrânia aumenta o número de operações de guerrilha contra as forças russas e diminui as operações convencionais”, disse Seth G. Jones, analista do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, que anteriormente atuou como consultor do comandante geral das Forças de Operações Especiais dos EUA no Afeganistão. “O objetivo é provocar a morte com mil cortes”.

A Rússia, com uma população três vezes maior do que a da Ucrânia e um complexo industrial militar muito maior, atualmente tem a vantagem na guerra convencional, especialmente com a dúvida sobre a assistência militar ocidental sustentada para a Ucrânia. Mas os analistas militares destacam que uma potência ocupante é historicamente mais vulnerável a ataques de sabotadores que trabalham para o país sob invasão ou que simpatizam com ele. E a campanha de terra arrasada do Kremlin na Ucrânia continua a alimentar a resistência nos territórios ocupados.

Com a continuidade dos ataques a oficiais da ocupação russa, o Centro Nacional de Resistência Ucraniana, criado pelos militares ucranianos para treinar e coordenar as redes partidárias nos territórios ocupados, disse este mês que a Rússia está dedicando um número cada vez maior de forças de elite para erradicar os grupos clandestinos.

Apesar da maior vigilância, os guerrilheiros ucranianos disseram que conseguiram explodir um trem de carga em 15 de dezembro, quando ele transportava munição e combustível da Crimeia ocupada pela Rússia para Melitopol, no sul da Ucrânia.

O vilarejo destruído de Kamianka, na Ucrânia, em 21 de outubro de 2023. A campanha de terra arrasada do Kremlin continua a alimentar a resistência nos territórios ocupados Foto: Nicole Tung / The New York Times

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Os ataques anteriores às linhas ferroviárias além dos Montes Urais - uma barreira natural que há muito tempo mantém grande parte da infraestrutura militar vital do país a salvo de ataques inimigos - oferecem uma janela para o mundo sombrio das táticas de guerrilha e como elas podem ter efeitos enormes.

Embora as autoridades ucranianas geralmente falem pouco sobre as operações dentro da Rússia, dessa vez elas queriam que o Kremlin tivesse poucas dúvidas sobre quem estava por trás dos ataques.

“Os serviços especiais russos devem se acostumar com o fato de que nosso pessoal está em toda parte”, disse um alto funcionário do serviço de inteligência ucraniano, conhecido como SBU, após o segundo ataque ferroviário, oferecendo detalhes da operação sob condição de anonimato por motivos de segurança. Os detalhes dos ataques foram confirmados pelo funcionário e por dois outros altos funcionários ucranianos familiarizados com a operação, e corresponderam aos detalhes divulgados pelas autoridades russas, vídeos das cenas e reportagens dos meios de comunicação russos.

Publicidade

Os serviços de segurança russos, conhecidos como FSB, disseram logo depois que haviam detido duas pessoas suspeitas de organizar vários ataques incendiários em nome de Kiev, incluindo um homem que, segundo eles, instalou minas magnéticas no trem que explodiu no túnel.

Tropas da Ucrânia lançam artilharia antiaérea em Zaporizhzhia, 18 de dezembro de 2023.  Foto: EFE/EPA/YAKIV LIASHENKO

A Russian Railways afirmou que 120 trabalhadores limparam o túnel em questão de dias e disse que o tráfego de trens foi retomado. As autoridades de inteligência ucranianas disseram que poderia levar meses para restaurar adequadamente a passagem da montanha e colocá-la em pleno funcionamento. É impossível verificar qualquer um dos relatos.

A Ucrânia não está sozinha no uso de táticas de guerrilha. A Rússia também está empregando espiões, sabotadores e colaboradores, e também tem como alvo os trens. As autoridades polonesas condenaram 14 pessoas em 19 de dezembro sob a acusação de realizar atividades de sabotagem e propaganda sob a direção da inteligência russa, informou o Ministério do Interior da Polônia em um comunicado. Seus principais alvos, segundo o ministério, eram “trens que transportavam ajuda militar e humanitária para a Ucrânia e preparavam descarrilamentos de trens”.

Os trens são vitais para ambos os lados, pois foram projetados para ser a espinha dorsal do sistema de abastecimento soviético. Mas o ousado ataque ao túnel no Extremo Oriente da Rússia provavelmente será uma preocupação especial para o Kremlin, disse Emily Ferris, pesquisadora especializada em Rússia no Royal United Services Institute, na Grã-Bretanha.

Soldados da Ucrânia em treinamento com tanques de guerra, 06 de dezembro de 2023. Foto: AP / Efrem Lukatsky

“Isso é algo que tem incomodado a Rússia há mais de um século - como proteger essas linhas ferroviárias realmente longas e vulneráveis”, disse ela.

Há apenas duas linhas ferroviárias que cobrem a vasta extensão da Rússia: a transiberiana, que se estende por 8.000 km de Vladivostok a Moscou, e a mais nova Baikal-Amur Mainline, ou BAM, que vai de perto do Oceano Pacífico por cerca de 3.000 km antes de se conectar à linha transiberiana.

Essas são as únicas linhas que ligam a Rússia à China e, em meio a um aumento no comércio com Pequim, as linhas são mais vitais do que nunca, econômica e militarmente, para o Kremlin. Mas é um desafio protegê-las porque atravessam as planícies siberianas, florestas densas e estepes abertas.

Publicidade

Os sistemas ferroviários interligados da Rússia e da Bielorrússia facilitaram a rápida movimentação de tropas e equipamentos entre os dois países, permitindo que a Bielorrússia atuasse como plataforma de lançamento para o ataque de Moscou a Kiev pelo norte em fevereiro de 2022.

Os ataques a essa rede ferroviária aumentaram as dificuldades logísticas dos russos nos primeiros dias da guerra e contribuíram para o fracasso do Kremlin em tomar Kiev, disse Ferris.

Presidente Vladimir Putin em coletiva anual para imprensa russa, Moscou, 14 de dezembro de 2023.  Foto: Gavriil Grigorov/ Sputnik/ Kremlin Pool/ via AP

Desde então, os ataques dentro da Rússia continuaram, por agentes que trabalham para a Ucrânia, mas também incluindo grupos vagamente afiliados de grupos anarquistas russos autodenominados, disse ela.

Em novembro, a agência de inteligência militar britânica informou: “Dezessete meses após os primeiros incidentes terem sido relatados, a sabotagem das ferrovias russas por ativistas antiguerra continua a representar um desafio significativo para as autoridades russas”.

Uma pesquisa realizada pelo meio de comunicação independente russo Mediazona constatou que, até outubro, 76 casos de provável sabotagem de ferrovias haviam sido registrados nos tribunais da Rússia desde a invasão. Pelo menos 137 pessoas, a grande maioria delas com menos de 24 anos, foram processadas, informou a agência.

A agência de inteligência militar da Ucrânia disse no final de novembro que seus agentes estavam atacando a infraestrutura ferroviária em toda a Rússia, reivindicando a responsabilidade por uma série de incêndios que destruíram estruturas usadas para abrigar equipamentos sensíveis que realizam uma ampla gama de operações, incluindo controle de plataforma, monitoramento de trens e sinalização.

Os esforços de sabotagem ucranianos vão além dos trens. Autoridades da inteligência ucraniana disseram que partidários mataram o vice-chefe nomeado pela Rússia da região ocupada de Luhansk, Oleg Popov, em um atentado com carro-bomba; outros agentes que operam em Moscou atiraram e mataram um ex-legislador ucraniano que desertou para a Rússia, Illya Kyva.

Publicidade

Ao mesmo tempo, a Rússia, que há muito tempo usa táticas irregulares para atingir objetivos políticos, continua a enviar grupos de sabotagem e reconhecimento para se infiltrar na Ucrânia.

Foto divulgada pela Rússia no mês passado que mostra o local do descarrilamento de um trem na região de Ryazan. As autoridades russas disseram que o descarrilamento foi causado por um dispositivo explosivo improvisado Foto: Comitê Investigativo da Rússia / via AP

As autoridades ucranianas disseram acreditar que a Rússia está por trás do envenenamento da esposa do chefe da inteligência militar da Ucrânia no mês passado, parte de uma campanha que tem como alvo a liderança sênior da Ucrânia. (Questionado sobre o envenenamento, o porta-voz do Kremlin disse que “a Ucrânia culpa a Rússia por tudo” e chamou isso de “acusação habitual”).

A Sra. Ferris disse que era impossível avaliar o efeito duradouro do ataque da Ucrânia à linha BAM, mas “os russos não fariam bem em ignorá-lo”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.