PUBLICIDADE

Como a Nova Guerra Fria fez a China pedir a devolução de ursos-panda de zoológicos do Ocidente

Analistas sugerem ser uma possível mudança de rumo na abordagem da China a chamada “diplomacia do panda”, em meio as tensões crescentes nas relações dos países ocidentais com Pequim

Por Leo Sands

A China espera o retorno dos seus pandas, que fazem parte das principais atrações em zoológicos nos Estados Unidos e no Reino Unido e deverão retornar ao seu país de origem até o final do próximo ano, no que os analistas sugerem ser uma possível mudança de rumo na abordagem da China a chamada “diplomacia do panda”.

PUBLICIDADE

Em Washington, os três pandas do Zoológico Nacional estão programados para retornarem a Pequim até o dia 7 de dezembro, quando o contrato de empréstimo dos pandas irá expirar, fazendo com que os EUA fiquem com apenas quatro pandas, no Zoológico de Atlanta. Apesar disso, estes pandas também podem partir no ano que vem, a menos que um novo acordo seja alcançado.

Já o Reino Unido perderá os seus dois últimos pandas em dezembro, assim como a Austrália no próximo ano, se um acordo existente não for prorrogado. Atualmente não há acordos para substituir qualquer um deles. Sem uma prorrogação, os Estados Unidos enfrentam a perspectiva de não ter pandas gigantes pela primeira vez desde 1972.

A China espera o retorno dos seus pandas, que fazem parte das principais atrações em zoológicos nos Estados Unidos e no Reino Unido  Foto: Anna Moneymaker/AFP

“Possivelmente, essa é a maneira de Pequim sinalizar ao Ocidente que eles podem não estar muito felizes com a atual relação”, afirma Chee Meng Tan, professor associado da Universidade de Nottingham, na Malásia, que estuda “diplomacia do panda”, o termo usado. para descrever a estratégia de décadas da China de presentear ou emprestar os ursos na esperança de construir relações com outros países.

Pequim está cada vez mais frustrada com a forma como as relações entre a China e o Ocidente se deterioraram nos últimos anos, avalia Tan. “Esta pode ser uma maneira de dizer isso às pessoas. ‘Vocês não estão nos tratando muito bem, então talvez retiremos nossos pandas’”, acrescentou ele em entrevista por telefone nesta quinta-feira, 28.

Os pandas do Zoológico de Memphis partiram em abril, e do Zoológico de San Diego em 2019. Após a saída do zoológico em Washington, marcada para dezembro, os fãs de pandas precisarão viajar até Atlanta para admirar o par de ursos pretos e brancos no zoológico da cidade.

O panda Xiao Qi Ji come um bolo de iogurte gelado no zoológico de Washington, Estados Unidos  Foto: Anna Moneymaker/AFP

Símbolo

Os pandas têm sido simbólicos nas relações EUA-China desde 1972 – quando o presidente americano Richard Nixon fez a sua visita histórica à China e o primeiro-ministro chinês Zhou Enlai ofereceu à primeira-dama Pat Nixon dois pandas – que acabaram no jardim zoológico de Washington. “Foi um sinal de melhoria dos laços entre Pequim e o resto do mundo”, aponta Tan.

Publicidade

A China também reconheceu o papel dos pandas na sua diplomacia no passado: há dez anos, o embaixador da China nos Estados Unidos, Cui Tiankai, afirmou em um artigo de opinião para o The Washington Post: “Na verdade, existem dois embaixadores chineses em Washington: eu e o filhote de panda no zoológico.”

E os pandas significam muito até para quem não se interessa por política. Os pandas gigantes do zoológico em Washington, Mei Xiang e Tian Tian, encantam os visitantes há anos, e um grande número de visitantes tem aparecido nos últimos dias para homenagear os pandas e seu filhote de 3 anos, Xiao Qi Ji, antes de sua partida para a China. . Na Holanda e no Japão, que este ano também devolveram filhotes de panda à China sob os termos dos acordos existentes, multidões também se reuniram para se despedir – na verdade, cerca de 60 mil pessoas solicitaram ingressos para ver Xiang Xiang, o panda de 5 anos. no Zoológico de Ueno, em Tóquio, em seu último dia, com alguns chorando enquanto a observavam, informou a Reuters.

O panda Tian Tian, do zoológico de Washington, voltará para a China  Foto: Marvin Joseph/The Washington Post

Além de causar um impacto emocional nos visitantes, as partidas dos pandas podem prejudicar financeiramente os zoológicos. Vários estudos mostraram que os pandas são uma atração para os visitantes em todo o mundo, segundo o South China Morning Post.

Depois de viverem na Escócia desde 2011, os dois únicos pandas gigantes do Reino Unido irão voltar para Pequim, vindos do Jardim Zoológico de Edimburgo, no início de dezembro, anunciou a Sociedade Zoológica Real da Escócia no início deste mês. A Austrália também deverá perder seus únicos pandas no próximo ano, se o Zoológico de Adelaide não prorrogar um acordo que, segundo o zoológico, expirará em 2024.

Tensões

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

As saídas dos pandas estão normalmente vinculadas a acordos de empréstimo que não são prorrogados, e as autoridades não vincularam explicitamente o seu regresso à política. No entanto, os analistas observam que as saídas coincidem com tensões crescentes nas relações dos países ocidentais com Pequim.

“A China exige agora que os países que receberam o privilégio de acolher pandas sejam amigos da China e, se não o fizerem suficientemente, os pandas serão retirados”, disse Steve Tsang, diretor do Instituto da China na Escola de Estudos Orientais. e Estudos Africanos em Londres, disse por e-mail na quinta-feira. Ele disse que os recalls podem ser vistos como parte da abordagem mais ampla e cada vez mais assertiva do presidente chinês, Xi Jinping, à política externa.

Há também sinais de que a política de emprestar pandas às nações ocidentais pode estar com os dias contados. No início deste ano, o Global Times, um jornal chinês nacionalista e afiliado ao Estado, publicou uma notícia intitulada: “É hora de acabar com a ‘diplomacia do panda’?”.

Publicidade

O presidente da China, Xi Jinping, com a então chanceler da Alemanha, Angela Merkel, em julho de 2017, durante a cerimonia de boas vindas ao panda Meng Meng em um zoológico em Berlim, Alemanha  Foto: Axel Schmidt / Reuters

Pode existir outras razões pelas quais a China esteja menos interessada em enviar os seus pandas para o exterior. Tan destacou que o nível de ameaça dos pandas foi rebaixado de “em perigo” para “vulnerável” pela União Internacional para a Conservação da Natureza em 2016 – à medida que a população global de pandas subia para níveis mais sustentáveis. Essa ameaça também foi parte da razão pela qual Pequim colaborou com zoológicos estrangeiros para hospedar pandas – para promover a sua conservação, disse ele.

Outros países devolveram os seus pandas por outras razões que não as condições do empréstimo. Em 2020, o Canadá se despediu dos seus dois únicos pandas gigantes, três anos antes do esperado – depois de as autoridades do zoológico terem dificuldades para obter o bambu de que necessitavam para os alimentar. “Eles são exigentes”, disse na época o presidente do Zoológico de Calgary, Clement Lanthier, segundo a Associated Press. “Há uma razão pela qual eles estão em perigo. Eles precisam do bambu. Isso é tudo que eles fazem. Eles comem bambu e dormem.”

Notavelmente, é provável que um país tenha pandas num futuro próximo. Em 2019, o presidente chinês presenteou o presidente russo, Vladimir Putin, com dois pandas gigantes no Zoológico de Moscou. Os pandas foram emprestados por 15 anos como parte de um programa de pesquisa conjunto, informou a Reuters.

“Quando falamos de pandas, acabamos sempre com um sorriso no rosto”, disse Putin, agradecendo ao seu homólogo chinês. “Aceitamos este presente com grande respeito e gratidão.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.