Como funciona a instalação no aeroporto JFK, que recebe animais que chegam aos Estados Unidos

A ARK é frequentemente o primeiro destino para animais de todos os tipos que chegam aos Estados Unidos

PUBLICIDADE

Por Claire Fahy (The New York Times)

Quando o avião de carga tocou o solo na pista do Aeroporto Internacional de Kennedy, em Nova York (EUA), na tarde de sexta-feira, 15, um latido cacofônico pôde ser ouvido vindo do compartimento de carga. Maad Abu-Ghazalah ficou na pista abaixo, esperando ansiosamente. Haviam exatamente 69 cães a bordo, todos do seu abrigo na Cisjordânia. O compartimento se abriu e um par de olhos o pegou através de uma porta de grade: era o Lucas. Depois vieram Jimmy, Carlos, Farouk, Zoe, todos os quais Abu-Ghazalah havia cuidado no Daily Hugz, a instalação de resgate que ele montou em Asira ash-Shamaliya, fora de sua cidade natal, Nablus.

Os cães eram principalmente abandonados, muitos eram ferais e alguns deles haviam perdido as pernas após serem atropelados por carros. O abrigo havia sido “como o paraíso”, disse Abu-Ghazalah. Mas em dezembro, conforme as condições na Cisjordânia pioraram em meio à guerra entre Israel e o grupo terrorista Hamas, ele decidiu que não podia mais mantê-lo funcionando.

Trabalhadores da ARK, a instalação de cuidados com animais no Aeroporto Internacional de Kennedy, processam um grupo de cães que chegam do santuário de resgate Daily Hugz na Cisjordânia, em Nova York, em 15 de março de 2024. Sessenta e nove cães chegaram à ARK em 15 de março de 2024, vindos do santuário de resgate Daily Hugz na Cisjordânia  Foto: Maansi Srivastava, The New York Times

PUBLICIDADE

Então ele ligou para a Sociedade para a Prevenção da Crueldade contra Animais Internacional. E a SPCA ligou para a ARK. A ARK (que pode ser traduzida como “arca”) no aeroporto JFK é algo que nem mesmo Noé poderia ter imaginado: uma operação privada, 24 horas por dia, no maior aeroporto de Nova York construído para acomodar uma variedade de hóspedes com uma variedade de necessidades, desde cavalos de raça pura até animais exóticos de zoológico.

A instalação, que abrange 5.666 hectares e 16.544 metros quadrados, prepara animais para voar ao redor do mundo, garantindo que estejam calmos, viajando em temperaturas confortáveis e equipados com comida e água suficientes. Também recebe animais quando chegam a Nova York, os colocando em quarentena se necessário e preparando-os para os próximos passos de sua jornada. Lori Kalef, diretora de programas da SPCA International, disse que nos sete anos em que a ARK operou em Kennedy, 90% dos 1.300 cães e gatos que ela resgatou do exterior passaram pela instalação.

“Oásis de animais”

Na manhã de sexta-feira, um grupo de trabalhadores e voluntários de sua organização se reuniu em torno de uma mesa de conferência nos escritórios da ARK para discutir caixas e arreios. Eles enfrentaram muitos desafios logísticos ao trabalhar para mover os cães da Cisjordânia, e o voo havia sido adiado várias vezes. Mas então uma ligação chegou informando que os cães estavam prestes a chegar, e o grupo caminhou ansiosamente em direção ao “oásis de animais” da ARK, um canil de serviço completo para gatos, cães e o ocasionalmente bodes.

Kalef tocou “The Final Countdown” em alto volume no seu telefone. Assim que os cães pousaram, eles foram levados diretamente para o oásis, onde todos os 69 deles descansariam durante a noite antes de seguir para seus novos lares.

Abu-Ghazalah, que mora em Wilmington, Carolina do Norte, disse que não se sentiria relaxado até que todos os cães estivessem instalados em seus novos lares pelo país, mas estava grato que sua primeira parada foi na ARK.

Publicidade

Equipe da ARK, instalação de cuidados com animais no Aeroporto Internacional de Kennedy, recebe um grupo de cães que chegam do santuário de resgate Daily Hugz na Cisjordânia, em Nova York, em 15 de março de 2024. A ARK, uma instalação de 14 acres no Aeroporto Internacional de Kennedy, é frequentemente o primeiro destino para animais de todos os tipos que chegam aos Estados Unidos  Foto: Maansi Srivastava/The New York Times

Construída para lidar com qualquer coisa

John J. Cuticelli Jr., fundador da ARK, e Elizabeth A. Schuette, sua CEO, consultaram de perto o renomado programa veterinário da Universidade Cornell e Temple Grandin, a conhecida cientista animal, ao projetar e construir a operação. Há dezenas de canis, três estábulos de cavalos e uma clínica veterinária. Existem quartos que poderiam ser reservados para quarentenas aviárias e áreas que se parecem com chuveiros vazios, projetados para serem preenchidos com água e congelados no caso de um pinguim ficar hospedado. Em resumo, esta ARK foi construída para lidar com qualquer coisa.

Existem dois componentes principais nos negócios da ARK: importação e exportação equina — cerca de 5 mil cavalos são enviados por ano — e cuidados com animais pequenos. Todos os cavalos que pousam em Kennedy devem passar pela instalação, mas como muitos animais de estimação viajam com seus donos, as operações de resgate compõem uma parte significativa da atividade de animais pequenos.

A ARK trabalha com o Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA, o Departamento de Agricultura e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças para transportar os animais com segurança. As agências têm protocolos e expectativas de segurança diferentes, então às vezes os trabalhadores precisam tomar decisões difíceis.

Por exemplo, a ARK recebeu uma vez um grupo de répteis venenosos, armazenados em caixas, que voaram de outro país. O agente de envio esperava que eles fossem carregados em um avião de passageiros — uma ideia com a qual Schuette não concordava. A regulamentação que regia a transferência era estreita, disse ela, e focada na saúde dos animais, não nas pessoas com as quais poderiam entrar em contato. Ninguém estava recuando e analisando toda a situação, o que poderia terminar mal se, bem, as cobras escapassem no avião.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Assim que a companhia aérea descobriu, cancelou o envio. Agora, a ARK tinha um monte de répteis venenosos — metade destinados ao Texas, a outra metade à Flórida — sem ter para onde ir; a ARK finalmente ajudou o corretor a descobrir um transporte terrestre alternativo.

Os especialistas da ARK também são chamados para lidar com várias crises que surgem no aeroporto. Há alguns anos, uma ligação frenética veio de um voo de passageiros que estava sendo descarregado. Uma grande caixa de abelhas havia se soltado e abelhas estavam escapando, mas todas as instruções de envio estavam em espanhol e ninguém sabia o que fazer.

Os manipuladores da ARK dirigiram pela pista e usaram redes para segurar as abelhas. Os episódios destacam a variedade de problemas que os trabalhadores da instalação podem ter que resolver em um determinado dia. “Acho que isso dá um nível de conforto aos nossos clientes e também a outros corretores e agências que nos enviam animais”, disse Schuette.

Publicidade

Como tudo começou

A ARK começou como um empreendimento inesperado para Cuticelli, depois de uma carreira construindo um negócio imobiliário familiar, criando um fundo de private equity e se especializando na compra de empresas falidas. Ele começou a negociar com a Autoridade Portuária, que opera JFK, para assumir seu terminal de animais em 2011. Levaria três anos, quase US$ 2 milhões em taxas legais e o trabalho de 11 escritórios de advocacia para assinar o contrato, e mais três anos e um investimento de US$ 65 milhões para a ARK abrir. Cuticelli e Schuette, sua esposa e sócia, não tinham experiência em transporte de animais e inicialmente não planejavam operar a instalação eles mesmos.

Mas depois de anos de planejamento e pesquisa, eles mudaram de ideia. “Estávamos determinados”, disse Schuette. “Loucura”, chamou Cuticelli. Após um começo turbulento envolvendo um processo judicial de US$ 426 milhões no Supremo Tribunal do Estado por direitos de exclusividade, a ARK começou a trabalhar para garantir acordos para lidar com os animais transportados por todas as companhias aéreas que operam em Kennedy.

Embora agora tenha acordos com muitas das companhias aéreas, o objetivo de Schuette para este ano é finalizar contratos com os remanescentes. Cuticelli disse que estimava que a ARK atualmente detém cerca de 60% do mercado de importação de equinos nos Estados Unidos, número que espera aumentar para 70% até o final do ano.

Um trabalhador cuida de um pônei islandês na ARK, a instalação de cuidados com animais no Aeroporto Internacional de Kennedy em Nova York, em 27 de fevereiro de 2024. A ARK recentemente processou um envio de 12 pôneis islandeses da Islândia  Foto: Maansi Srivastava, The New York Times

Cavalos puro-sangue

Em uma manhã nebulosa recente, um avião de carga da Icelandair pousou na Pista 4 em Kennedy e foi diretamente para a porta dos fundos da ARK. Entre a carga descarregada estavam 12 cavalos islandeses — puro-sangue, de primeira linha, valorizados por sua versatilidade e docilidade.

Depois de um banho de pés, um enxágue e uma quarentena de dois dias, seis seguiriam para Vermont, quatro para Kentucky e dois fariam uma viagem de carro para a Califórnia. Cada cavalo tinha um número de rastreamento, um histórico médico e, crucialmente, um passaporte.

Christian Rakshys, o corretor responsável pelo envio, monitorou de perto a importação e confirmou os detalhes de cada cavalo. Rakshys, sócio-gerente da Global Horse Transport, tinha um interesse especial pelo cavalo islandês. Ele e seu filho, que tem necessidades especiais, planejam uma viagem à Islândia neste verão para escolher um pônei, porque a raça é especialmente valorizada para equitação terapêutica.

Do outro lado da ARK, no mesmo dia, Stella, uma filhote de São Bernardo, esperava pacientemente no oásis de animais. Uma greve da Lufthansa deixou Stella presa depois que seu dono voou, mas ela estava a caminho de uma reunião na Alemanha e embarcaria em um voo noturno mais tarde naquela noite. Até então, Stella dividia o alojamento com os outros residentes do oásis, principalmente um grupo brincalhão de beagles empregados por agências governamentais para segurança do aeroporto.

Publicidade

Os beagles são alguns dos únicos hóspedes permanentes da instalação. O resto — um grupo que ao longo dos anos incluiu leões, papagaios, águias, texugos, preguiças, uma capivara, um binturong (conhecido como urso-gato-asiático) e um tamanduá — geralmente estão apenas de passagem. “Você pode enviar praticamente qualquer coisa”, disse Schuette.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.