PUBLICIDADE

Como os eleitores jovens estão aderindo à extrema direita na Europa

Em um continente mais conhecido pelo ativismo juvenil de esquerda, pesquisas mostram que os jovens europeus estão impulsionando o crescimento da extrema direita

PUBLICIDADE

Por Anthony Faiola (The Washington Post ) e Catarina Fernandes Martins (The Washington Post )
Atualização:

SETÚBAL, Portugal — Os eleitores surpreendentes impulsionando o aumento da extrema direita na Europa se apressaram para tirar selfies dentro de um auditório suburbano. Rita Matias, 25 anos, ultraconservadora e influenciadora das redes sociais, acabara de pedir cotas para migrantes e restrições ao aborto em um debate político. Agora, seus oponentes mais progressistas, em blazers e suéteres sóbrios, observavam como espectadores enquanto jovens de 18 anos, impressionados, disputavam fotos com a jovem de cardigã bege fotogênico.

PUBLICIDADE

“Você é membro do partido?” ela perguntou a um fã, que balançou timidamente a cabeça. “Não? Não se preocupe. Vamos te inscrever.”

Em um continente mais conhecido pelo ativismo juvenil de esquerda à la Greta Thunberg, pesquisas mostram que os jovens europeus estão impulsionando o crescimento da extrema direita da França à Suécia e aos Países Baixos. E em um ano em que o ex-presidente Donald Trump está tentando recuperar a Casa Branca, vários governos europeus podem estar se encaminhando para uma guinada à direita, impulsionados por eleitores entre seus últimos anos de adolescência, 20 e poucos anos.

Rita Matias, uma deputada de extrema direita e influenciadora das redes sociais, posa com estudantes na Escola Secundária Sebastião da Gama em Setúbal, Portugal, em 21 de fevereiro.  Foto: Gonçalo Fonseca / The Washington Post

O primeiro grande teste está em Portugal, em uma eleição no domingo.

Os socialistas de centro-esquerda estão no poder em Portugal desde 2015. Políticos de esquerda em toda a Europa têm olhado para o país ao longo dos anos como um modelo de sucesso. Parte da explicação, disseram analistas, é que as memórias sombrias de uma ditadura de direita que caiu em 1974 mantiveram os populistas afastados.

No entanto, pesquisas sugerem que os jovens cidadãos portugueses, sem memória viva dessa era, podem ajudar os populistas a obter grandes ganhos. O partido de extrema direita Chega pode se tornar o principal partido para eleitores entre 18 e 34 anos, potencialmente triplicando sua parcela de eleitores mais jovens, para 22,5%, em apenas dois anos. Embora nas pesquisas em terceiro lugar no geral, o Chega pode servir como fiel da balança para uma coalizão conservadora — ou frustrar os esforços para formar um governo por parte de partidos que se recusam a se associar a ele.

Alguns aspectos dessa mudança de cenário são específicos de Portugal. O primeiro-ministro António Costa renunciou e seu partido Socialista perdeu apoio como resultado de uma investigação em curso sobre tráfico de influência.

Publicidade

Mas o surgimento do Chega está sendo visto como um sinal de que a extrema direita pode surgir em qualquer lugar da Europa, e que jovens desencantados podem ser convencidos de que o ultraconservadorismo é legal.

Os eleitores mais jovens em Portugal e em toda a Europa estão respondendo como nunca antes ao canto da sereia da extrema direita, com suas imaginações capturadas por um novo grupo de líderes jovens, campanhas astutas nas redes sociais e promessas de que não haverá mais política como de costume.

Matias e outros candidatos do partido Chega aguardam a chegada de seu líder, André Ventura, em um evento de campanha em Almada, Portugal. Foto: Gonçalo Fonseca / The Washington Post

Matias, uma deputada do Chega em Portugal, está entre as mais populares de um grupo crescente de influenciadores ultraconservadores que estão mesclando políticas identitárias e entretenimento cheio de pirotecnias, deixando os partidos tradicionais lutando para responder. Um de seus vídeos no Instagram — no qual ela usa óculos de aviador ao lado de seu líder de 41 anos — ultrapassou 3,6 milhões de visualizações em um país de 10 milhões de habitantes.

“Os partidos [tradicionais] não estão falando a linguagem dos jovens, mas esses partidos mais radicais sim”, disse Peter Kreko, diretor do Political Capital, um think tank com sede em Budapeste. “Eles estão canalizando o desencanto dos jovens eleitores com a política.”

Uma revolução jovem pela Europa

PUBLICIDADE

Na Holanda em novembro, o anti-imigrante Geert Wilders obteve um surpreendente primeiro lugar em uma eleição que viu seu partido conquistar a maior parcela de eleitores entre 18 e 34 anos.

O Partido da Liberdade da Áustria está contando com os jovens eleitores para impulsionar uma vitória nas eleições nacionais deste ano, depois de conquistar a maior parcela do voto jovem nas eleições regionais em Salzburgo no ano passado.

Da mesma forma, na Alemanha, o partido Alternativa para a Alemanha (AfD) ficou em terceiro lugar geral nas eleições estaduais do ano passado na Baviera, mas obteve seus maiores ganhos com eleitores com menos de 25 anos. Neste outono, espera-se que tenha um grande impulso dos eleitores mais jovens nas eleições nos estados orientais de Brandemburgo, Saxônia e Turíngia — três redutos da AfD.

Publicidade

Na França, a nomeação do centrista presidente Emmanuel Macron do primeiro-ministro Gabriel Attal, de 34 anos, pode refletir uma percepção de que a extrema direita tem buscado ativamente o voto jovem. Jordan Bardella, o presidente de 28 anos do partido de extrema direita Reunião Nacional de Marine Le Pen, está buscando apoio em clubes noturnos e foi recentemente listado entre os 50 maiores celebridades da França pelo Le Journal du Dimanche.

Um homem grava um vídeo de André Ventura, que nas redes sociais apresenta suas posições duras juntamente com brincadeiras bobas.  Foto: Gonçalo Fonseca / The Washington Post

Cultivar os jovens pode render grandes resultados nas eleições para o Parlamento Europeu em junho. A extrema direita na França e em toda a Europa deve postar seus melhores números desde a fundação da União Europeia.

As mensagens variam de país para país — com o Partido da Liberdade da Áustria especialmente traficando em simbologia nazista antiga e empregando propaganda alegando que os imigrantes estão “substituindo” os europeus brancos. Mas muitos outros partidos de extrema direita estão insistindo nas dificuldades econômicas dos jovens europeus, que permanecem ressentidos com o relativamente alto desemprego juvenil, baixos salários, inflação dolorosa e altos preços imobiliários que afligem a Europa.

“Se você olhar para todos esses partidos agora, eles mantiveram sua postura anti-imigração, mas se concentraram muito mais em apelos socioeconômicos”, disse Catherine Fieschi, analista política e pesquisadora do Centro Robert Schuman do Instituto Universitário Europeu em Florença, Itália. “Mas a outra maneira importante como eles alcançaram os jovens é que foram realmente inteligentes sobre as redes sociais.”

O precedente de Portugal

Em território inimigo em um subúrbio liberal de Lisboa, Matias devorou Chicken McNuggets em uma tarde recente antes de correr para encontrar seu mentor, o fundador do Chega, André Ventura, para bater nas portas dos eleitores.

Enquanto a dupla fazia campanha, vários espectadores gritavam “fascistas!” das calçadas ou das janelas dos carros. No entanto, as crianças do bairro se surpreenderam. “Meu sonho se tornou realidade!”, disse uma criança de 12 anos após tirar uma selfie com Ventura.

Publicidade

“Somos o melhor partido que se comunica com os jovens”, disse Ventura em uma entrevista. “É por causa do trabalho dela.”

A líder do partido de extrema-direita francês, Reunião Nacional, Marine Le Pen, faz um discurso em um encontro em Marselha, sul da França, domingo, 3 de março de 2024. Foto: Daniel Cole / AP

Ela começou como coordenadora de mídia social dele após o lançamento do partido em 2019. Pouco depois, Ventura decidiu que ela deveria ser uma face do partido nas redes sociais também. Ela foi uma das deputadas do Chega eleitas para o parlamento em 2022, quando o partido aumentou sua contagem de assentos de um para 12.

A máquina política pós-moderna do Chega — informada pelas campanhas de mídia social de Trump e do ex-presidente de extrema direita do Brasil, Jair Bolsonaro — prospera com polarização, divisão e entretenimento informativo e é construída sobre o tipo de desinformação e sensacionalismo nas redes sociais ideal para atrair jovens desencantados.

Ventura, que demonizou a comunidade cigana e disse que uma legisladora negra deveria ser “devolvida ao seu próprio país”, usa plataformas de mídia social para se envolver com os jovens de maneiras mais divertidas — recentemente postando um vídeo no TikTok dançando a Lambada brasileira.

Matias ajuda a suavizar ainda mais a imagem do partido. Em um reel do Instagram, ela posa como uma modelo com o Palácio de São Bento do parlamento ao fundo.

Perguntado como é enfrentar “uma influenciadora”, Diogo Mira, um político da esquerda que debateu com Matias, disse: “Me faz sentir horrível. Os jovens preferem aqueles que fazem TikToks. Eles preferem sound bites. O Chega está doutrinando eles.”

Matias criticou escolas portuguesas que permitem que estudantes transgêneros usem os banheiros correspondentes à forma como se identificam, mas ela apoia a criação de banheiros transgêneros separados, para que todos possam se sentir “confortáveis”.

Publicidade

Uma das avós de Matias nasceu em Moçambique, filha de goeses que se instalaram no país africano durante as campanhas de colonização portuguesas, e posteriormente imigrou para Portugal. Matias diz que está “tudo bem” com imigrantes das antigas colônias portuguesas no Brasil e na África, mas insiste que uma nova onda de imigrantes do sul da Ásia fez “as mulheres se sentirem inseguras”.

O presidente do partido de direita Chega, André Ventura (C), faz um discurso durante um comício de campanha do partido, no último dia de campanha para as próximas eleições legislativas, em Lisboa, Portugal, 08 de março de 2024.  Foto: Miguel A. Lopes / EFE

Não há dados mostrando um aumento em agressões sexuais.

“Isso pode ser uma questão de percepção”, ela disse. “Devemos ser livres para falar sobre isso sem sermos chamados de xenófobos ou racistas.”

O partido tornou a corrupção uma causa principal — e viu um salto nas pesquisas depois que o governo liderado pelos socialistas desmoronou no ano passado. Ventura rapidamente lançou outdoors dizendo: “Portugal precisa de uma limpeza.”

O problema, observadores dizem, é que muitas das declarações do Chega são falsas.

Em janeiro, por exemplo, Ventura, tentando marcar pontos sobre migração, disse que estrangeiros representavam 30% da população de Braga, uma cidade no norte de Portugal. O Polígrafo, órgão de verificação de fatos, coloca o número real não superior a 7,9%.

“Cerca de 80% das desinformações que encontramos vêm do Chega e de André Ventura”, disse Fernando Esteves, diretor do Polígrafo. “Cerca de 60% de suas declarações são falsas ou imprecisas. Eles geram suas próprias histórias, manipulam fotos, criam pesquisas falsas.”

Publicidade

Pesquisas reais de intenção de voto sugerem que os socialistas perderam eleitores jovens, embora muitos dos ganhos do Chega pareçam ter vindo da direita centrista, ou das grandes fileiras de eleitores apáticos, especialmente os das áreas urbanas como Lisboa, onde os valores imobiliários em alta e os salários baixos estão alimentando frustrações entre os jovens portugueses.

Os jovens são notoriamente pouco confiáveis no dia das eleições aqui. Mas o Chega está esperando uma revolução com a ajuda de pessoas como Guilherme Joaquim, um estudante de TI de 18 anos que recentemente participou de um debate universitário para ouvir Matias falar. Ele mudou para o Chega da centro-direita, chamando a extrema direita de a melhor força “contra a onda de imigração brutal que está acontecendo no país.”

“O Chega oferece aos jovens o que eles precisam — moradia, oferecendo um pagamento inicial para sua primeira casa”, disse ele. “Os portugueses estão perdendo empregos e indo para o exterior porque não conseguem encontrar empregos em Portugal. [O Chega] aborda o que os jovens estão enfrentando.”

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.