PUBLICIDADE

Coreia do Norte ameaça fechar fronteiras com o Sul e atacar alto-falantes

Tensão na Península Coreana aumentou novamente após afundamento de navio da Marinha de Seul

Atualização:

SEUL - A Coreia do Norte ameaçou nesta quarta-feira, 27, fechar uma passagem fronteiriça e abrir fogo contra alto-falantes se a Coreia do Sul mantiver sua promessa de fazer propaganda ao longo da tensa fronteira entre os dois países, que novamente entraram em atrito após o incidente do afundamento do navio sul-coreano, supostamente causado por um torpedo disparado por militares de Pyongyang.

 

 

A secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, voou para Seul para mostrar o "sólido" apoio de Washington a seu aliado, em um cenário de tensões crescentes na península coreana. A Coreia do Sul culpa Pyongyang pelo naufrágio do navio, ocorrido em março e que deixou 46 marinheiros mortos. Os norte-coreanos negam e ameaçaram começar uma guerra.

 

A conclusão sobre o naufrágio é de uma comissão internacional. Investigadores afirmam que há muitas provas de que um submarino norte-coreano é o culpado pelo naufrágio, que deixou 46 marinheiros mortos. Na segunda-feira, a Coreia do Sul anunciou um pacote com represálias, incluindo o congelamento da maior parte do comércio bilateral e a retomada de transmissões com propaganda contra o regime de Pyongyang, suspensas há seis anos. Além disso, Seul atua diplomaticamente para punir o vizinho no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). A China, que é membro permanente do Conselho e tem poder de veto reluta em apoiar punições a seu aliado da península.A Coreia do Norte afirma que Seul fraudou provas de seu envolvimento no naufrágio e ameaçou iniciar uma "guerra" caso haja punições. O regime anunciou na terça que estava rompendo seus laços com o vizinho por causa da "campanha difamatória", além de banir embarcações sul-coreanas de suas águas territoriais e aeronaves do país vizinho de seu espaço aéreo. O governo afirmou que as relações permanecerão rompidas enquanto o presidente conservador Lee Myung-bak estiver no poder em Seul.Guerra psicológicaA decisão sul-coreana de realizar uma "guerra psicológica" parece ter enfurecido particularmente os vizinhos. Seul instalou alto-falantes na fronteira e começou a transmitir rádios FM para o Norte. Além disso, pretende distribuir folhetos com propaganda do outro lado da fronteira. Pyongyang também ameaçou proibir a entrada de sul-coreanos no projeto industrial conjunto de Kaesong, na parte norte-coreana da fronteira. Com isso, na prática, esse complexo industrial seria fechado.Hillary advertiu Pyongyang para que pare com "suas provocações e a política de ameaças e beligerância" contra Seul. A secretária de Estado apoiou a ação sul-coreana contra a Coreia do Norte no Conselho de Segurança da ONU. "Esta foi uma provocação inaceitável da Coreia do Norte e a comunidade internacional tem a responsabilidade e o dever de responder", disse ela, em entrevista coletiva realizada hoje.Washington tem 28.500 soldados na Coreia do Sul. O Pentágono está planejando realizar exercícios navais, incluindo alguns para evitar ataques de submarinos, em conjunto com a Coreia do Sul. As informações são da Dow Jones.